FALTA DE LEALDADE

Não fica nada bem...

HÁ COMBOIOS QUE NÃO PASSAM DUAS VEZES À NOSSA PORTA

Os três melhores treinadores portugueses estão à mão de semear. São caros, é verdade. Mas até perceber que sejam absolutamente incomportáveis, parecem-me hipóteses bastante tentadoras. E investimentos seguros no curto e médio prazo. Só a expectável valorização dos jogadores já daria para pagar um bom salário. Ou não? 



POUCA SORTE

Em quinze possíveis adversários, o Galatasaray era um dos quatro que não queria.
Trata-se de uma equipa experiente, que vem da Champions League, e vai tornar cara a eliminatória. Penso que o Benfica é favorito, como o seria com qualquer adversários do pote 2. Mas não se pode dizer que tenha tido sorte.
Recordo alguns dos nomes mais sonantes da equipa turca, que ocupa actualmente o 4º lugar do seu campeonato: Muslera, Maicon, Nagatomo, Fernando, Feghouli e Derdyok.
Já o Sporting e o FC Porto foram bastante felizes no sorteio de hoje. Ambos se livraram de adversários proibitivos, e ambos são favoritos nas respectivas eliminatórias.

QUALIDADE ?!?!?

Certamente o treinador do Benfica viu um jogo diferente daquele que eu vi.

JONAS SALVA

Pela quinta jornada consecutiva Jonas foi titular. Pela quinta jornada consecutiva marcou.
O brasileiro voltou uma vez mais a salvar o Benfica. Já vai sendo hábito.
A exibição foi pobre, muito pobre. O jogo foi mau, muito mau. Mas quem tem Jonas e outros excelentes executantes, arrisca-se sempre a ganhar. Mesmo quando a organização colectiva é fraca, e o futebol apresentado medíocre.
Desde a "não-chicotada-psicológica", Rui Vitória parece, porém, ter recuperado a estrelinha que fez dele Bi-Campeão, e já lá vão cinco vitórias consecutivas sem sofrer golos.  O mais provável é na quarta-feira acrescentar uma sexta. Depois... venha o Sp.Braga.
Haja sorte, e haja Jonas.

PREFERÊNCIAS

Por ordem inversa (primeiro os de maior grau de dificuldade):

 

SAÍDA DIGNA

Salvaram-se os três pontos, os quase três milhões, o estatuto de cabeça-de-série na Liga Europa, uma saída digna com uma pontuação normal (ao contrário da época passada), bem como a sequência de quatro vitórias sem sofrer golos encetada a partir da "não-chicotada-psicológica" de há umas semanas atrás. De resto, mais uma exibição muito pobre, e muito abaixo daquilo que a qualidade do plantel permitiria.
Ainda assim, a temporada europeia salda-se, até ao momento, por 4 vitórias, 3 empates e 3 derrotas (duas delas frente ao Bayern de Munique), resultados que estão na linha daquilo que é minimamente exigível a uma equipa portuguesa.

Dos adversários que se perfilam, deixo desde já algumas preferências: Rennes, Zurique, Rapid, Slávia, Brugges, Plzen, Paok e Celtic.
Pelo contrário, gostaria de evitar: Milan, Lazio, Galatasaray, Fenerbahce, Besiktas, Krasnodar e Shakhtar.
Na segunda-feira saberemos.
Tenho bastante esperança nesta edição da Liga Europa. As duas últimas participações acabaram na final, e acho que o Benfica pode lá voltar. Para isso terá de contratar um grande lateral-direito e um grande treinador.

O QUE ELES QUEREM...

Não. Não entrarei no jogo que eles querem. A partir do momento em que roubaram comunicação privada ao Benfica, lançam a conta-gotas "notícias" que não pretendem outra coisa que não desestabilizar e desunir.
Pobres dos benfiquistas que vão atrás disso, e, ingenuamente, fazem o jogo do inimigo.
Comigo não contam.
Independentemente da opinião que possa ter sobre o assunto Domingos Soares de Oliveira, estou totalmente solidário com o Benfica e com aqueles que o servem. Seja o que for que digam, se vier de J.Marques e seus hackers, Correio da Manhã e suas toupeiras, Ministério Público, ou comentadores televisivos rivais (que, infelizmente, parece ser tudo a mesma coisa), a mim entra por um ouvido e sai por outro. Sei o que pretendem, sei porque o dizem, e sei como o souberam.
Confio nos dirigentes eleitos. E se um dia deixar de confiar, a minha manifestação será na urna de voto e não na praça pública - como essa gente, que quer o mal do Benfica, pretende.

AS CONTAS DA LIGA EUROPA - guia para a última jornada


AS CONTAS DA CHAMPIONS - guia para a última jornada


REGRESSO AO PASSADO

Durante cerca de três décadas, o futebol português foi manchado por arbitragens que, ano após ano, ajudaram o FC Porto a construir o palmarés que hoje ostenta. Era o tempo dos “Quinhentinhos”, do Guímaro, dos irmãos Calheiros, do aconselhamento matrimonial, e da fruta para Jacinto Paixão, entre outros episódios obscuros que sistematicamente subverteram a verdade desportiva e envergonharam o país.
Julgávamos que tal pertencia ao passado, mas esta temporada está a demonstrar exuberantemente o contrário. O “Apito Dourado” regressou em força, sem vergonha de se fazer notar a cada semana que passa.
Deste o início do campeonato, o FC Porto foi beneficiado em todas (!) as jornadas. Os seus jogadores ainda não viram um único cartão vermelho, quando pelo menos onze lances o justificariam (só Felipe deveria ter sido expulso umas quatro vezes). No Bessa e com o Portimonense, as equipas adversárias viram sonegadas grandes penalidades claras em momentos determinantes. Fazendo o balanço, entre golos mal validados, penáltis inexistentes e expulsões perdoadas, chegamos a um líder fantasma, que pouco joga mas muito ganha.
Enquanto isso, o Benfica vai enfrentando arbitragens preocupantemente hostis. Quem viu o jogo do Bonfim, e verificar que terminámos com mais cartões amarelos do que o V.Setúbal, percebe o que estou a dizer. Acrescentemos o golo anulado a Zivkovic, dois sadinos por expulsar, e temos uma das mais tendenciosas arbitragens dos últimos tempos. Valeu Jonas, mas assim é difícil vencer.
Se isto é para continuar, não percam mais tempo: entreguem já as faixas, e assumam o que pretendem.


VERGONHOSO

Oficial!

Estamos de regresso aos anos 90 e ao Apito Dourado.
A Xistra apenas faltou pegar na bola e meter na baliza de Vlachodimos.

A NÃO PERDER

O jogo dos jogos para a América do Sul, e certamente a partida mais importante da história dos dois gigantes de Buenos Aires.
Domingo, 19.30, a não perder.

SERÁ QUE O PORTO-PORTIMONENSE CONTA MESMO PARA O CAMPEONATO?

...é que, na verdade, quase cortaria uma orelha em como o FC Porto ganha ao seu "satélite" algarvio.
Não é preciso ler nenhum mail para perceber como estas coisas funcionam.
Porque não atribuir logo os 3 pontos ao Porto, e não fazer ninguém perder tempo com burocracias desnecessárias?

MAUFIM E BONFIM

Vi mais de uma dezena de vezes o Benfica no Estádio do Bonfim.

Recordo-me, por exemplo, do último golo da carreira de Humberto Coelho, no verão de 1983 (ainda nos tempos do velho peão, sempre a abarrotar), de saborosas vitórias nos últimos minutos com golos de Carlos Manuel em 1986, e Maniche em 2000 (na época passada vi o golo de Jimenez na televisão...), e de uma goleada por 0-5, em 2012, no último jogo de Javi Garcia e Witsel pelo Benfica.
Mas destacaria dois outros jogos, uma derrota e uma vitória. 

DERROTA POR 5-2 EM 1993-94 (entrei sem bilhete, no meio de uma lultidão e na sequência de um arrombamento de porta pelos adeptos, e vi o jogo com o nariz enfiado na vedação, sem poder sequer mexer os braços. Não valeu o sacrifício, mas ficou para a história)

VITÓRIA POR 2-6 EM 2002-03 (recuperação de 2-0 para 2-6, numa noite endiabrada de Simão Sabrosa)

O MEU PLANTEL

A partir de Janeiro seria assim.
Fazia regressar André Ferreira, promovia Ferro, Florentino e Jota. Emprestava Svilar a uma equipa portuguesa onde pudesse jogar todas as semanas. Tentava vender Samaris, Lema e Ferreyra. Devolvia Corchia. O plantel ficaria com 11 jogadores da formação.
Contratações? Talvez um lateral direito, mas só se fosse para titular indiscutível.

O REI VAI NU

Já há quem lhe chame a Liga Blue Velvet. O certo é que a instabilidade, primeiro de Sporting, depois de Benfica, tem permitido que a pouca vergonha vá passando impune, e sem os focos do mediatismo.
Seria preciso recuar aos tempos dos irmãos Calheiros para, em 11 jornadas, vermos tantos assaltos pelos campos do país. E o VAR aparentemente nada resolve.
Eis os casos bem ilustrados num excelente trabalho do "Ser Benfiquista".
Se foi para isto que serviu o roubo e exibição de correspondência privada do Benfica, pode dizer-se que Francisco Marques e o seu bando de hackers são, mais do que Brahimi, mais do que Marega, os verdadeiros artífices da liderança portista no campeonato.

MODRIC???

Dia 21 de Janeiro de 2018. O que aconteceu nesse dia? Luka Modric, médio ofensivo, marcou o único (!) golo em todo o ano civil pelo Real Madrid, contando todas as competições. Assistências? Não aprece em nenhum ranking, pelo que não apurei o número exacto, naturalmente baixo. Não mais de duas em toda a temporada.
No Mundial, chegou à final graças aos golos de Mandzukic e Perisic (marcaram nas meias finais e na final). Modric apenas marcou na primeira fase, e por aí se ficou. Tal como Ronaldo, só que Ronaldo marcou 4!
Na Liga das Nações, Ronaldo não jogou. Mas Modric sim, só que a sua selecção não se apurou, e a sua participação nos quatro jogos rendeu 0 golos e 1 assistência.
No Real Madrid, no primeiro semestre de 2018, Cristiano Ronaldo anotou 28 golos e fez 8 assistências. Na Juventus, no segundo semestre, marcou mais 12 e fez 5 assistências. Acrescentemos os golos do Mundial, e dá um total de 44 golos no ano civil.
Títulos colectivos: os do Real Madrid são iguais.A única diferença é que Modric perdeu a Supertaça Europeia, e Ronaldo já lá não estava. Aliás, vê-se onde está o Real Madrid sem ele.
Não sou o maior fã de CR7. Já aqui escrevi sobre isso. Mas se a Bola de Ouro era para determinar o melhor jogador de 2018, obviamente que teria de ser para ele. E Lionel Messi, que foi campeão espanhol, na época passada marcou 40 golos e nesta já leva 15, teria de ficar em segundo lugar. Para completar o pódio hesitaria entre Mbappé e Griezmann (ambos campeões do mundo).
Modic? É apenas um bom jogador, e caberia no top 10. Não mais do que isso.
Mas se a Bola de Ouro é para premiar outras coisas, ou castigar quem viola raparigas nos EUA, então já não sei.
No futebol, como na vida, por vezes mais vale cair em graça do que ser engraçado.

FOI POR MAIL...

Estes são alguns nomes do Tetra-Campeonato do Benfica. Pelos nomes, pelos valores e pelos destinos (alguns, felizmente, ainda estão cá) percebe-se bem a força dos plantéis do Benfica nos últimos anos. Se o juiz Valter Alves percebesse de futebol, percebia também que com equipas de luxo como estas, nenhum mail alteraria o destino óbvio de vencer. E que as alegadas violações de segredo de justiça (quem não as faz?) não eram, nem são, de todo, a razão para tantos títulos. Mas com magistrados de pacotilha, nunca se sabe...

NOTA: Percebe-se por aqui, também, que do ano do Tetra o Benfica perdeu Ederson, Nelson Semedo e Lindelof, e viu Luisão terminar a carreira. Quando se olha para a linha defensiva do FC Porto, e se compara com a actual defesa do Benfica (para mais, dizimada com lesões e com expulsões, expulsões essas que, sabe-se- lá porquê, nunca afectam, por exemplo Felipe), talvez se entenda alguma coisa do que se passou de então para cá. No campeonato, e nas provas europeias.

O QUE MOVE ESTE HOMEM?

O procurador Valter Alves tem feito, na acusação e na instrução, tudo o que pode para, a custo, colocar a SAD do Benfica no banco dos réus. Não é preciso ser jurista para perceber que há ali uma grande ginástica, para lá de toda a razoabilidade, e cujo objectivo não se compreende.
Não sei se a SAD vai ou não a julgamento. Mas sei que, se houver justiça, será ilibada.
É natural que a juíza de instrução não se queira comprometer, sobretudo num caso tão mediático, pelo que apostaria que irá confirmar a acusação. No julgamento, aí sim, quando for preciso fazer prova palpável, tudo cairá por terra - pelo menos no que diz respeito à SAD (Paulo Gonçalves e toupeiras é outra história).
Mas ainda assim gostava de saber porque é que Valter Alves tem tanto interesse em que a SAD vá a reboque a julgamento, quando não se conhece qualquer prova ou indício objectivo de conhecimento ou informação das alegadas práticas de Paulo Gonçalves. Quem, quando e onde Paulo Gonçalves informou Vieira ou algum administrador do que quer que fosse relacionado com os alegados acessos ao Citius? É que na própria acusação não há nada que aponte para tal, excepto, talvez, uma enorme vontade do procurador. 
Na justiça não basta parecer. É preciso ser.

EM PAZ

Quatro golos e uma exibição de qualidade amenizaram os ânimos na Luz, e deram um balão de oxigénio à equipa, e ao treinador.
Já havia sinais claros de que o problema não estava na atitude dos atletas. Já se percebia também que não havia, no plantel, qualquer boicote a Rui Vitória. Talvez resida aí a razão de ser da decisão de Luís Filipe Vieira.
A equipa entrou nervosa, mas soltou-se, e, sob a batuta de Jonas, deu um safanão na crise. Oxalá seja para manter. 

CONFIANÇA EM VIEIRA

A comunicação do presidente do Benfica foi um momento de honestidade e de humildade.
Assumiu que pensou uma coisa e depois se arrependeu, num mundo mediatizado onde ninguém se engana e raramente alguém tem dúvidas.
Eu, de fora, acho que Rui Vitória deveria sair já. Aliás, acho que já deveria ter saído há algum tempo. Mas é Vieira quem tem em sua posse todos os dados da situação. Não sei, por exemplo, qual é a opinião dos jogadores. Não sei quem poderiam ser, ou quanto custariam as eventuais alternativas, nem se seria o momento mais oportuno para avançar com esta ou aquela opção.  Além disso há contornos legais e burocráticos que têm de ser ponderados. E é fácil para quem está de fora emitir opiniões (o que eu faço tranquilamente) e não tem de ser confrontado com as consequências de cada decisão.O futebol profissional a sério não é bem o mesmo que a Play Station.
Vieira arriscou tudo uma vez mais, e não teve medo de o fazer. Contra todas as evidências, e contra a opinião unânime dos benfiquistas, decidiu manter um treinador. 
A situação é, porém, muito diferente da de 2013. A equipa então vinha de uma... final europeia. Perdera apenas um jogo (aos 92 minutos) em todo o campeonato. Jogara maravilhosamente nos meses anteriores, e havia sido infeliz nas decisões finais. Basta ler o que escrevi na altura para saber que, então, estava do lado de Vieira e do lado da continuidade de Jesus.
Desta vez penso de forma diferente. Mas espero estar eu enganado. Oxalá a decisão de Vieira seja feliz. 
Para mim, o presidente tem o crédito de 6 campeonatos, 2 taças, 7 taças da liga, 4 supertaças, 2 finais europeias, inúmeros títulos nacionais e internacionais nas modalidades, um estádio, um centro de estágio, um museu, um canal de tv, etc, etc. Obviamente confio nele, tal como a esmagadora maioria dos benfiquistas.
Ele decidiu, vamos esperar que tenha razão.
Eu estarei aqui, e em todo o lado, para apoiar o Benfica, seja quem for que estiver no banco.

RUI VITÓRIA EM CAPÍTULOS

2015-16
SPORTING-BENFICA, 1-0 (Supertaça)
Começar a perder, desde logo um troféu. Enfim, nesta altura talvez sem a maior fatia da culpa.
AROUCA-BENFICA, 1-0
Primeira deslocação no campeonato, primeira derrota. Incapacidade total para virar o resultado após um golo sofrido cedo. Benefício da dúvida.
VIANENSE-BENFICA, 1-2 (Taça de Portugal)
Início de uma estranha tendência para manifestar grandes dificuldades em vencer adversários de escalões inferiores. Repetir-se-ia o filme com o 1º Dezembro, com o Olhanense e mais recentemente com o Arouca.
BENFICA-SPORTING, 0-3
Benfica humilhado em casa, pelo Sporting e por Jorge Jesus. Seria preciso recuar até 1948, e ao tempo dos Violinos, para encontrar derrota caseira tão expressiva diante do Velho Rival.
SPORTING-BENFICA, 0-1
A coroa de glória de Rui Vitória, com a bênção de Mitroglou e o falhanço histórico de Bryan Ruiz de baliza aberta. Ainda hoje o técnico encarnado vive desse momento de sorte suprema.
BOAVISTA-BENFICA, 0-1
Jonas, como viria a acontecer tantas vezes, a salvar a equipa no último suspiro, depois de uma exibição medíocre, em jogo absolutamente decisivo.
ACADÉMICA-BENFICA, 1-2
Desta vez foi Raul Jimenez o salvador, em mais uma exibição pobre. Os espíritos pareciam com o Benfica.
BENFICA-V.SETUBAL, 2-1
Noite da épica defesa de Ederson, a remate de Arnold isolado aos 88 minutos. Depois de mais uma exibição muito pobre, era desta vez o guarda-redes a manter o Benfica ligado à máquina da liderança.
RIO AVE-BENFICA, 0-1
Último jogo desta sequência de total sofrimento, muito coração e pouca arte. Jimenez garantiu a vitória, a poucos minutos do fim. Decididamente, Deus queria que o Benfica fosse campeão naquela temporada. E quando Deus quer...

2016-17
NAPOLES-BENFICA, 4-2 (Liga dos Campeões)
O primeiro grande sinal de que o rei ia nu. Em poucos minutos, os encarnados encaixam 4 golos, e só os remates certeiros de Salvio e Guedes, bem como o levantar de pé dos italianos, disfarçam a hecatombe. Pela primeira de várias (demasiadas) vezes, o fantasma de Vigo assolou o Benfica de Rui Vitória.
FC PORTO-BENFICA, 1-1
Lisandro empata aos 94 minutos, e evidencia mais uma vez que, decididamente, Rui Vitória é um homem de sorte. O Benfica havia sido massacrado durante o jogo inteiro. E o empate foi um euromilhões.
BESIKTAS-BENFICA, 3-3 (Liga dos Campeões)
Depois de uma primeira parte muito bem conseguida, o Benfica volta a ter um apagão total. Sofre 3 golos de uma equipa banal, e se o jogo durasse mais um pouco, arriscaria uma derrota histórica.
MARITIMO-BENFICA, 2-1
Exibição sofrível castigada com derrota. A arbitragem não justifica tudo.
BENFICA-NAPOLES, 1-2 (Liga dos Campeões)
Mais uma demonstração de falta de estofo internacional, poucos dias depois da derrota no Funchal.
BENFICA-BOAVISTA, 3-3
Para mim, o verdadeiro ponto de inflexão no Benfica de Rui Vitória. Já havia muitos sinais (como acabou de ler), mas naquela tarde ficou evidente a fragilidade colectiva da equipa, e a sua total permeabilidade.
MOREIRENSE-BENFICA, 3-1 (Taça da Liga)
Eliminação estrondosa da Taça da Liga, após se ver a ganhar por 1-0. Um troféu borda fora, e mais sinais de fragilidade.
V.SETUBAL-BENFICA, 1-0
Poucos dias depois, nova e comprometedora derrota, no Bonfim, após uma das piores exibições dos últimos anos. A arbitragem não ajudou, mas os sinais de preocupação adensavam-se. De 6 pontos de vantagem, o Benfica vê-se com o FC Porto apenas a um.
BENFICA-DORTMUND, 1-0 (Liga dos Campeões)
Vitória enganadora e inconsequente. Inconsequente porque o Benfica acabaria eliminado pela equipa alemã. Enganadora porque, como disse no final Thomas Tuchel, se tratou de um resultado ridículo, face às inúmeras oportunidades desperdiçadas pelos germânicos (inclusivamente um penálti defendido por Ederson, que terá feito um dos melhores jogos da sua carreira).
DORTMUND-BENFICA, 4-0 (Liga dos Campeões)
Mais um dos muitos enxovalhos internacionais do Benfica nos últimos anos.  Os números dizem tudo. Total falta de estofo e dimensão para contrariar uma equipa que estava longe de ser inacessível.
P.FERREIRA-BENFICA, 0-0
Em jogo crucial, e em vésperas de receber o FC Porto, o Benfica deixa a liderança à mercê do adversário, após exibição medonha. Valeria um golo de João Carvalho, pelo V.Setúbal, no dia seguinte, no Estádio do Dragão, para que ao Benfica bastasse o empate no “clássico”, algo que se veio a verificar. Mais uma vez a sorte quase divina a acompanhar o percurso do técnico encarnado.
BENFICA-ESTORIL, 3-3 (Taça de Portugal)
Depois de ganhar fora 1-2, o Benfica quase ia comprometendo a eliminatória da Taça em casa, após jogo fantasmagórico. Esteve a perder, acabou empatado, mas com o credo na boca. O Jamor chegou aos trambolhões, e a chuva abençoaria a festa. Outro jogo com o Estoril, para o campeonato, dias depois, seria igualmente preocupante, então com vitória por 2-1, e assinatura de Jonas.

2017-18
TODA A LIGA DOS CAMPEÕES
CSKA, Basileia e Manchester United constituíam um grupo acessível (pelo menos para o 2º lugar). O resultado é o que se sabe: 0 pontos, e a campanha mais vergonhosa da história. Entre as 6 derrotas, destaque para os 5-0 em Basileia. Aliás, já na pré-época o Benfica tinha levado "manitas" do Arsenal e do…Young Boys.
Em Basileia, o suíço Seferovic, até aí indiscutível no onze, perdeu a titularidade. Opção no mínimo estranha, por se tratar de um jogo em que o avançado, à priori, estaria até mais motivado.
BOAVISTA-BENFICA, 2-1
Jonas, sempre ele, até pôs o Benfica em vantagem. Mas uma reviravolta em segunda-parte miserável, deu o triunfo aos axadrezados. Bruno Varela errou, e foi crucificado até se perceber que não havia outro. Um de tantos equívocos, por entre Filipes Augustos e afins. Svilar seria também crucificado por erros cometidos em jogos, tal como Diogo Gonçalves, João Carvalho etc, etc
RIO AVE-BENFICA, 3-2 (Taça de Portugal)
…e lá se foi a Taça.
BENFICA-PORTIMONENSE, 2-2 (Taça da Liga)
…e lá se foi a Taça da Liga, sem ganhar um jogo.
BELENENSES-BENFICA, 1-1
Jonas, aos 97 minutos, impede uma derrota que colocaria o Benfica fora da corrida ao título, única competição em que então se mantinha.
BENFICA-FC PORTO, 0-1
Depois de duas derrotas quase seguidas do FC Porto, o Benfica regressou miraculosamente ao 1º lugar. Ganhando em casa ao rival, seria quase Penta-Campeão. Mas acabou por perder, num jogo em que tacticamente nunca se conseguiu soltar das amarras criadas pelos portistas.
No momento crucial, falhou. A sorte não dura sempre…
BENFICA-TONDELA, 2-3
Inacreditavelmente, e quando o título ainda era possível (o FC Porto deslocava-se ao Funchal no dia seguinte), o Benfica caiu com estrondo em casa frente ao…Tondela, perdendo, inclusivamente o 2º lugar e o acesso à Champions – que recuperaria com as diatribes do Sporting, da sua claque e de Bruno Carvalho.

2018-19
CHAVES-BENFICA, 2-2
Um empate inoportuno, mas justo, em exibição fraca, e em que faltou a força mental para aguentar as situações de vantagem.
AEK-BENFICA, 2-3 (Liga dos Campeões)
Após uma entrada de rompante, com 0-2, a segunda-parte pareceu tirada dos desenhos animados. Mais uma vez com um central expulso, o Benfica foi massacrado, sofrendo um, sofrendo dois, e vendo Vlachodimos evitar o terceiro. Com um incrível golpe de sorte, e numa altura em que mal respirava, o Benfica conseguiu, nos pés do improvável Alfa Semedo, uma vitória importante.Milagre.
BELENENSES-BENFICA, 2-0
Penálti falhado, dois golos sofridos, e…pronto. Derrota inesperada, e total incapacidade para reagir aos infortúnios do jogo, imagem de marca de Rui Vitória.
BENFICA-MOREIRENSE, 1-3
O jogo em que o treinador definitivamente se esgotou. Derrota incrível, consumada na 1ª parte, e seguida de um segundo período sem capacidade de reacção. No fim, um mar de lenços brancos, em quantidade nunca vista. Foi a oportunidade de Rui Vitória sair a bem, demitindo-se como as circunstâncias impunham.
BENFICA-AJAX, 1-1 (Liga dos Campeões)
Jogo em que se percebeu cabalmente que o problema não estava (nunca esteve) no empenho e compromisso dos jogadores. Fartaram-se de correr e lutar, mas sem organização, sem método. Muito coração, nenhuma cabeça. A Champions League  tornou-se uma quimera.
BENFICA-AROUCA, 2-1(Taça de Portugal)
Exibição miserável, e triunfo nos descontos, perante um dos piores classificados da Liga de Honra. Rui Vitória claramente a mais, numa equipa que merecia outro tipo de orientação técnica e táctica.
BAYERN-BENFICA, 5-1 (Liga dos Campeões)
Uma das maiores derrotas de sempre do Benfica, eliminação da Champions, e exibição que parecia, e deveria, colocar um ponto final nesta história. 
Infelizmente, a saga vai continuar...

PARA JOGAR O DOBRO

...e para voltar às finais europeias, e para ser Campeão, e Bi-Campeão, para ganhar a Taça e as Taças da Liga, para encher o estádio e dar espectáculo. Para tudo isso, mesmo que tenhamos de engolir um sapo, tomemos uma Kompensan, mas venha o Jesus!

PANORAMA DE OPÇÕES


SIGNIFICATIVO

OS PIORES RESULTADOS DO BENFICA NA EUROPA

DERROTAS EUROPEIAS EM CASA

DESORIENTAÇÃO TOTAL

Só se desilude quem tem ilusões. E com Rui Vitória no banco, confesso que já não acredito em nada, nem espero coisa nenhuma deste Benfica.
A sensação que tenho é a de que, neste momento, estar Rui Vitória no banco, estar lá eu, ou estar o estimado leitor, é quase a mesma coisa. Os jogadores "tocam" o que sabem, e cada um tenta, por si só, fazer o melhor que pode para impedir o naufrágio para o qual a desorientação colectiva irremediavelmente remete.
Não há processo defensivo. Não há processo ofensivo. Até as bolas paradas são um desastre. Há apenas individualidades e vontade de contrariar as evidências. Não me lembro de coisa assim.
Rui Vitória será certamente um homem estimável, e um profissional dedicado. Tem qualidades que ninguém lhe tira (por exemplo, tem mantido o grupo disciplinado). Mas a sua proposta está totalmente esgotada, e já nem os jogadores acreditam nela.
É lamentável ver o estado a que isto chegou. É lamentável ver um treinador Bi-Campeão arrastar-se desta forma no comando de um plantel de luxo do qual já nada consegue extrair.
E começa a ser ultrapassada a linha que permitiria uma saída digna. Rui Vitória deveria ter posto o lugar à disposição logo após o jogo com o Moreirense, deixando uma porta aberta para um dia, quem sabe, voltar ao clube noutras funções, e levando consigo a simpatia dos adeptos. Não o fez, e ninguém o fez por ele. Mais vale tarde do que nunca. O limite é este, e a partir daqui será penoso continuar a vê-lo no banco do Benfica.
Já toda a gente percebeu isto, excepto duas pessoas: o próprio e Luís Filipe Vieira.
Até quando?

MAIS DO MESMO

A sensação que fica é que o Benfica salvou-se, por pouco, de uma espécie de Gondomar 2. Exibição muito triste, em que os jogadores pareceram, eles próprios, já não acreditar na ideia de jogo proposta pelo treinador. Lutam, correm, mas nada sai, e notam-se gritantes fragilidades no processo colectivo.
Desta vez era o Arouca. Na terça é com o...Bayern.

IMUNES A RUI VITÓRIA?

Não sei se Rui Vitória está ou não imune ao que o rodeia. Os adeptos do Benfica, esses sim, têm-se mostrado totalmente imunes aos casos judiciais que tentaram atirar para cima do clube, ou então não teriam continuado a encher estádios como fizeram enquanto a equipa continuou a ganhar.
E os jogadores do Benfica, por maioria de razão, sendo profissionais que hoje estão aqui e amanhã acolá, desde que tendo os salários em dia, mais imunes deveriam ficar. E mesmo que não o estivessem, jamais deveria ser o seu próprio líder a dizê-lo em público, que mais não fosse para não estimular os ataques dos rivais acerca do assunto. Aliás, se essa imunidade não existe, é precisamente da responsabilidade do técnico implementá-la, de forma a blindar o grupo. 
Naquilo que era um dos seus pontos fortes (o discurso), mal sente alguma contestação Rui Vitória estatela-se ao comprido. Ou será já a porta da rua a fazer-se sentir no seu nariz?
Ai Rui Vitória....Rui Vitória...

CADA MACACO NO SEU GALHO

Os acontecimentos de Alcochete continuam a marcar a actualidade. Nenhuma pessoa normal pode ficar indiferente ao que ali aconteceu. E como adepto de desporto, mais duro é imaginar um conjunto de atletas barbaramente agredido por um bando de delinquentes - até parecia uma largada de toiros, em zona do barrete verde.
Como em tudo na vida, mesmo dos acontecimentos mais inusitados podemos sempre retirar ensinamentos. E neste caso ficou claro até onde pode chegar a imbecilidade de um grupo que se diz de apoio.
Não sou fundamentalista, nem contra, nem a favor das claques. Acho graça aos efeitos de cor e som com que decoram os estádios, e reconheço o apoio que dão às equipas em todos os jogos. Entendo, porém, que a sua actividade se deve confinar estritamente às bancadas dos estádios, e jamais se estender a outros domínios.
Sabemos como o raciocínio de uma multidão em fúria é normalmente equivalente ao da pessoa mais estúpida que dela constar. E estupidez é coisa que não falta a estes bandos – que, entre uma maioria de jovens mais ou menos inocentes, albergam também demasiados profissionais do crime.
A norte temos o triste exemplo dum exército ao serviço de uma administração. A sul, vemos um gangue com influência ao mais alto nível dos nossos vizinhos. Se é para isso que querem legalizar as claques, então dispenso.

É preciso lembrar que por cá também já tivemos cadeiras pelo ar em Assembleias-Gerais. E há que ter o cuidado de preservar a linha que nos separa dos outros a este nível. Se existem claques no Benfica, elas representam exclusivamente os seus membros, e jamais a maioria dos adeptos do Benfica, ou qualquer outro foco de poder interno. 

S de SEFEROVIC

O ponta de lança do Benfica está on fire. Hat-Trick frente à poderosa Bélgica, e frente a Courtois. E a Suíça, juntamente com a Inglaterra a apurar-se para a Final Four da Liga das Nações, a disputar em Junho de 2019 no nosso país.

O DESFECHO ESPERADO

A detenção de Bruno de Carvalho, juntamente com o líder da Juve Leo, não surpreende ninguém.
Desde os acontecimentos de Alcochete que se calculava que tal pudesse acontecer. Aliás, se não fosse por Alcochete, seria pelo Cashball. E se não fosse pelo Cashball, seria pela auditoria forense. Razões não iriam faltar...
O personagem Bruno de Carvalho merecia um filme. Trata-se de alguém que, na verdade, nunca consegui descodificar totalmente, dado o seu comportamento totalmente errático e imprevisível. Criminoso em larga escala? Talvez. Completamente louco e alienado? Certamente. Infantil, narcisista e mimado? É óbvio. Odiento e conflituoso? Sem dúvida. Cocainómano? Não sei.
Mas as questões que estas detenções levantam são essencialmente três:
1- Ficou demonstrado, se ainda fosse necessário, o perigo da proximidade de uma claque junto da direcção de um clube, ficando também a lição para outros clubes. Sejam legais ou ilegais, não podem jamais passar da bancada para os gabinetes;
2- Bruno de Carvalho ganhou 3 eleições (!!!). É importante não deixar escapar pelos pingos da chuva todos aqueles que o suportaram, e foram muitos. Tanto no Sporting, como na comunicação social (estou a lembrar-me, por exemplo, da alimária que montou aquela encenação na SIC com um pseudo-jogador do Marítimo). E quando alguém do Benfica lamentava as suas atitudes primárias e infantis, logo era atacado freneticamente, como se temesse que, com ele, o Sporting ganhasse alguma coisa. A verdade é que o anti-sportinguismo dos benfiquistas fica muito atrás do anti-benfiquismo dos sportinguistas. E se tantos, em tantos quadrantes, pediram a cabeça de Bruno, não foi pelo Benfica nem por nenhum outro rival. Foi pelo futebol e pelo desporto. Falo por mim, e por muitos outros;
3- Ficará também para reflexão, a aliança Porto-Sporting, com Pinto e Bruno. Um é já arguido, outro está neste momento detido. Foi com eles que o ataque impiedoso ao Benfica começou. Foi numa reunião patrocinada por eles que a estratégia foi delineada. Só isto já chegaria para comprometer a credibilidade de tudo aquilo de que o Benfica é acusado.

PS: Saraiva, não estás esquecido! 

A CRISE PODE ESPERAR

A vitória em Tondela era decisiva para a manutenção do Benfica na luta pelo título. E por isso, fosse qual fosse a exibição, havia que ganhar ou... ganhar.
Embalado por Jonas, o Benfica ganhou. E quatro pontos de diferença para o primeiro classificado são ainda recuperáveis. Mas os problemas da equipa estão longe de estar resolvidos, e uma vitória perante um adversário reduzido a dez, e depois a nove, não será suficiente para iludir a realidade.
Agora vem a paragem, depois a Taça contra uma equipa do segundo escalão, depois um jogo em Munique que já não trará grandes esperanças. Depois, aí sim, regressa o campeonato. Então se verá até que ponto o problema da falta de confiança - que também existe -agrava as insuficiências tácticas já reiteradamente evidenciadas, ou é apenas uma ilusão face a uma equipa que não rende o que devia.

ESTES JOGADORES MERECIAM UM TREINADOR

Muita alma, muita garra, muita luta. Nenhuma organização, nenhum método, nenhuma clarividência. É assim este Benfica. Um dos melhores plantéis dos últimos anos dramaticamente desperdiçado.
Venha a Liga Europa, e venha um treinador. Um qualquer, desde que seja...treinador.

BEM APARECIDO

Na época passada foi a sua entrada na equipa que resolveu muitos dos problemas que a mesma então apresentava. Será que a história se pode repetir?

JORGE JESUS

Nas eleições presidenciais de 1986, o histórico comunista Álvaro Cunhal, perante a hipótese do candidato apoiado pelos partidos de direita (Freitas do Amaral) poder vencer na segunda volta, recomendou aos militantes do seu partido: tapem-lhe a cara, tomem uma Kompensan para engolir o sapo, mas ponham a cruzinha em Mário Soares (personagem que ele e a maioria dos comunistas então detestavam, mas que naquela eleição era considerado um mal menor). O socialista acabou, como se sabe, por vencer, tendo esses votos sido decisivos.
Lembro-me disto ao ver-me confrontado com a hipótese de Jorge Jesus voltar ao Benfica. 
Os anticorpos de JJ no clube da Luz são mais que muitos. Haverá gente na estrutura, desde funcionários a dirigentes (talvez até jogadores), que não o pode ver. E é difícil pedir aos adeptos para esquecerem a troca pelo Sporting, os abraços a Bruno de Carvalho, os saltinhos em Alvalade etc. Mas quem vê o Benfica jogar com Rui Vitória no banco, e se lembra dos Benficas do antigo treinador, não pode deixar de sentir alguma saudade. Não necessariamente do treinador, não (de todo) da personagem, mas sim do seu trabalho - a todos os títulos notável.
Jorge Jesus será porventura o melhor treinador português da actualidade. Pelo menos é o melhor para o campeonato português, que conhece como ninguém, desde as equipas do fundo da tabela aos rivais directos. Até no Sporting ia sendo campeão, o que tem de se salientar. Aliás, a condução que lá tentou fazer do caso entre o então presidente e o então plantel denotou uma capacidade de liderança extraordinária - quase ia resolvendo tudo sozinho...
Jorge Jesus é um profissional, e o que se pretende no seu eventual regresso ao Benfica é que, a troco de dinheiro, muito dinheiro, coloque a equipa a jogar bem e a ganhar. Um negócio portanto. E como se sabe, amigos amigos, negócios à parte.
É preciso dizer também que Jorge Jesus jamais, enquanto técnico do rival, desrespeitou os adeptos do Benfica. Entrou em colisão com a SAD, queixou-se de alguns dos elementos (que já lá nem estão, como João Gabriel e Paulo Gonçalves), achincalhou, ou tentou achincalhar Rui Vitória (coisa entre colegas, que lhe ficou mal, mas com a qual não temos directamente a ver). Manteve sempre os limites ao falar do clube e dos adeptos. E não bastas vezes deixou denotar algum arrependimento por ter saído. Saído, diga-se, depois de ser de algum modo empurrado para fora do clube (mudança de paradigma, lembram-se?) no final do contrato. Nada a ver com Paulo Sousa e Pacheco, por exemplo. Mais como João Vieira Pinto, se quisermos encontrar exemplos entre jogadores.
É sócio do Sporting? Isso é o que menos interessa. Mourinho nunca foi portista e no FC Porto ganhou tudo. Jesualdo, Fernando Santos e muitos outros exemplos provam que tal não é relevante.
Provavelmente já terei escrito aqui que algumas personalidades do desporto, com demasiado umbigo, não percebem o alcance de uma mudança directa para um clube rival. Jorge Jesus confessou várias vezes não ter previsto todo o impacto daquela transferência. É muito inteligente, terá aprendido com isso e, caso regresse, saberá como limpar a sua imagem aos olhos dos adeptos da Luz. Nem é preciso muito: bastará começar a ganhar.
Enfim, sendo um assunto que também não me deixa totalmente confortável (o risco é elevado, sobretudo se correr mal), tenderei, à semelhança de Álvaro Cunhal em 1986, a engolir o sapo. Evitarei talvez olhar para o banco, mas estou convencido que o que se passar em campo me vai absorver. Evitando também vê-lo no FC Porto num destes dias...
Assim sendo, tomemos uma Kompensan e venha ele!

BASTA!

Passados todos os limites, falta apenas uma derrota com o Ajax para que Luís Filipe Vieira finalmente se convença de que Rui Vitória já não é solução para o Benfica.
Desde a ponta final da época do Tetra que é notório o total esgotamento táctico do técnico. Já se passou 2017-18 (sem qualquer título, e com números historicamente negativos), e a presente temporada começa a ficar também comprometida.
Há que mudar enquanto é tempo. Depois...pode ser tarde.

15 ANOS, 15 IMAGENS

2003 Construção do Estádio

2003 Profissionalização do Clube e da SAD 

2004 Construção de dois Pavilhões, Piscina e outras infraestruturas. Em 15 anos o Benfica conquistará mais de uma centena de troféus nas principais modalidades.

2004 Regresso aos troféus com a Taça de Portugal (ganharia mais 2, além de 7 Taças da Liga e 7 Supertaças)

2005 Novamente Campeão, depois de onze anos de jejum (ganharia mais 5 campeonatos)

2006 Construção do Centro de Estágio

2008 Primeira emissão da BTV

2009 Criação da Fundação Benfica

2010 Campeão Europeu de Futsal

 2010 Campeão 2009-10, com grande equipa e futebol espectáculo

2013 Campeão Europeu de Hóquei no Dragão Caixa (repetiria o título em 2016, além de 3 Supertaças Europeias, 2 Taças Intercontinentais,1 Taça Cers e 1 Taça Feminina)

2013 Abertura do Museu Cosme Damião

2014 Pela segunda vez consecutiva numa Final Europeia

2017 Pela segunda vez na final da Youth League, com lançamento de mais de uma dezena de jovens na equipa principal e no mercado externo.

 2017 Conquista do inédito Tetra-Campeonato