SHOW DE BOLA

Cinco três golos, e outros tantos por marcar, ilustraram uma enorme demonstração de força do Benfica de Jesus.
Frente a uma das melhores equipas da Liga, os encarnados dominaram, pressionaram, criaram perigo, e reduziram o seu adversário à desorientação.
Quatro jogos, quatro vitórias, cinco pontos de vantagem para o FC Porto. A coisa promete.
Destaque individual para Waldschmidt e Darwin - que embora não tenha ainda marcado, já demonstra porque motivo tanto se espera dele. Também os centrais mostraram um bom entendimento.
Nota negativa para a lesão de André Almeida, embora Gilberto também tenha entrado bem na equipa. Se a lesão for grave - como infelizmente parece ser - creio que o brasileiro poderá discutir o lugar com Diogo Gonçalves, que o próprio Jorge Jesus já apontou à posição.

3 comentários:

ChakraIndigo disse...

Gostei bastante, e o RA nem teve tempo de respirar.
Jogar com 2 centrais dá muito jeito.

O Gabriel até parece outro, perdeu peso, e melhorou aquela percentagem absurda de "turnovers".

Há que afinar alguns pormenores, essencialmente quando é necessário um jogo mais de ataque continuado.

Viva o Benfica.

Anónimo disse...

Ora aqui está um retrato do universo Benfiquista.

Últimos 3 posts deste blog:

Tema: Estatutos do Benfica - 20 comentários
Tema: Futebolistas apoiantes de LFV - 8 comentários
Tema: Vitória contundente do Benfica - 1 comentário

Por isso tanta gente quer LFV fora. Há muito benfiquista ou alegado benfiquista que só sai da toca para criticar. Ora, uma equipa que tem sido de longe a melhor a nível interno nos últimos 6-7 anos, não tem dado muito espaço a críticas e tem deixado muita gente deprimida e sem tema de conversa.

joão carlos disse...

não é o "clube de" é o "clube treinado por" é que se saiba o clube ainda é dos sócios, ou talvez não, talvez seja de um presidente seja esse presidente qual for.

excelente nas transições, para já apenas, porque em ataque posicional continua a ser muito pouco objectivo.

curioso é que muitas das criticas sobretudo ao lage, mas também ao rui, era que só sabiam jogar em transições e o que precisávamos era de um messias que o forte fosse o jogo posicional, pelos vistos para os mesmos agora isso já não é um defeito.