13/02/12

UM FESTIVAL!


Um estádio cheio, uma grande equipa, uma fantástica exibição, uma goleada, liderança cimentada, e menos uma jornada em falta para a merecida consagração. Eis o Benfica. Eis um grande Benfica, que só uma tremenda injustiça impedirá de se tornar campeão.

Não há muitas palavras que possam descrever o que se passou neste sábado, sem cair numa desenxabida repetição de adjectivos elogiosos para com o conjunto de Jorge Jesus. A vida de cronista tem destas coisas. Nem sempre é possível seguir com a escrita, aquilo que os arregalados olhos vêm. Neste caso, as imagens dos principais lances do jogo nem deveriam vir acompanhadas de qualquer comentário, mas antes, talvez de uma ária de Verdi, ou de uma sonata de Mozart. É de arte, pois, que falamos.

Na verdade, o Estádio da Luz assistiu a um dos mais belos festivais de futebol dos últimos anos em Portugal. Não me lembro, uma por uma, de todas as exibições do Benfica 2009-1010, mas desconfio, assim de repente, que poucas tenham atingido tamanho patamar de excelência. Vem-me à cabeça a expressão de Miguel Sousa Tavares (e sou tão insuspeito para o citar, como ele é para o afirmar), segundo a qual, quando aquela equipa “solta os cavalos” não há quem a pare. É isso. Cavalos à solta. É o que parecem, salvo seja, Nolito, Rodrigo, Cardozo, Aimar e Gaitán, quando decidem regalar os espectadores com a magia de um futebol vibrante, criativo e esmagador, que deixa os adversários pregados no terreno, certamente com alguma vontade de, também eles, aplaudir.

O Benfica não faria aquilo ao Real Madrid? Claro que não. Mas se falamos de espectáculo, de requinte, de adorno, de estética de jogo, francamente, à excepção de alguns jogos do Barcelona, não me lembro de ver nada igual nos últimos anos.

De tudo, retenho um lance: a poucos segundos do fim da primeira-parte, Aimar falhou o toque final naquela que foi talvez a melhor jogada de futebol que vi em toda a temporada, em todos os campeonatos. Estará certamente no You Tube. Quem não a viu, procure-a, pois vale bem a pena.

É altura de me penitenciar, aqui, de a dada altura da época ter duvidado desta equipa. A pouca fluência do seu futebol de então (Setembro, Outubro…) não se comparava a estas maravilhas, e, escaldado por um ano de desilusão, não consegui calar os desabafos, provavelmente bastante precipitados. O Benfica resistiu, ganhando, a jogos menos conseguidos. É também disso que se alimentam os campeões. Digo agora, deixando mais uma vez que os dedos arrastem as emoções, deixando mais uma vez ao léu os riscos de um amanhã sem canto: este Benfica é dos melhores, senão o melhor, do meu tempo.


O caminho do título ainda é longo. E creio que passa fundamentalmente pelas próximas três jornadas (Guimarães, Coimbra e Clássico), nas quais, com outras tantas vitórias, dificilmente o pássaro fugirá. Mas, aconteça o que acontecer, uma coisa é certa: o prazer de ver esta equipa jogar já ninguém vai tirar aos benfiquistas.



Numa exibição como esta, seria justo destacar todos os seu intérpretes, sem excepção. Realço ainda assim um deles, porque tem apenas 20 anos, porque só entrou na equipa em finais de Outubro, porque daí para cá já marcou 14 golos (!!), e porque podemos estar perante um dos maiores avançados do mundo dos próximos anos. Falo, obviamente, de Rodrigo. E hoje, este Benfica é ele e mais dez.



Um jogo destes nem merecia que se falasse do árbitro. Infelizmente, há que dizer que Jorge Sousa fez o que pôde para contrariar a avalanche. Aquele penálti ridículo, noutras circunstâncias, tinha condicionado o jogo. O Benfica estava imparável, e ultrapassou a arbitragem. Mas pode não ser sempre assim.

5 Comments:

Blogger André Costal said...

olha que o golo ao paços é muito semelhante a jogada e deu golo :) :)

amcslb

13.2.12  
Anonymous Atento said...

É verdade um verdadeiro recital podiam ter sido 7 ou 8-1 só espero que a qualidade de jogo e os resultados se mantenham, quanto á arbitragem o superdragão mais uma vez fez das suas mas neste caso não chegou para impedir a vitória.O que me irritou profundamente no estádio mais uma vez foi a falta de compreensão para com o Cardozo, falhou um penalty é verdade mas quantos golos tem ele dado ao Benfica? A ignorância tem limites. Para finalizar ontem mais uma vez confusão no dragão e sempre com o mesmo protagonista, afinal os reis dos túneis continuam a ser os mesmos os dirigentes do fcp.

13.2.12  
Blogger jfk said...

Realmente há coisas para as quais as palavras não foram feitas.

Estão muito aquém da beleza estética.

Contemplemos, então, quando podemos!

13.2.12  
Blogger João"Bo0geyman"Silva said...

É magia...
E é a Mistica que também faz isso...
infelizmente os andrades não andam dormindo... vai ser uma luta ate ao fim

http://esperoportinomarques.blogspot.com/
Passa lá e adiciona

13.2.12  
Blogger dezazucr said...

Sinceramente, ainda não considero este Benfica melhor que o de há 2 anos.
Para já terá ainda que ganhar aos corruptos. Recorde-se que a equipa de há 2 anos ganhou por 2 vezes aos corruptos, uma delas por 3-0 e numa final.
Depois, há 2 anos também jogamos com uma equipa do Nacional. Mas uma equipa bem mais forte. Esta deste fim de semana é uma equipa débil que até perdeu com o sporting. No jogo de há 2 anos, não ganhámos por 4, ganhámos 6-1. Tivemos 2 golos mal anulados por foras de jogo inexistentes e o golo do Nacional saiu de um fora de jogo, esse sim existente. Ganhámos 6-1. E carregámos.

Não é pelo fraco pecúlio do ano passado que se deve desvalorizar a época fantástica da extreia de Jesus. A memória tem de existir para uma das melhores épocas do Benfica em termos de exibições.

Por ora, ainda considero 2009/10 melhor. Veremos no final da época.

14.2.12  

Enviar um comentário

<< Home