14/01/10

O PONTO POSSÍVEL

Num terreno impraticável, V.Guimarães e Benfica fizeram o que puderam para cumprir os noventa minutos da partida, sem esconder o indisfarçável desejo que ela acabasse depressa. Sobretudo do lado dos encarnados foi esta a sensação que ficou, pois à excepção do último quarto de hora (em que tentaram de facto marcar golos), notou-se desde cedo que o pensamento e o espírito dos jogadores estava focado noutros mais aliciantes compromissos, a começar pelo do próximo domingo no Funchal.
O Vitória adaptou-se melhor ao relvado, e foi a melhor equipa durante a maior parte do jogo, merecendo, diga-se em abono da verdade, ganhá-lo (Júlio César terá eventualmente sido o melhor jogador em campo). Mais macio e tecnicista, o Benfica teve muitas dificuldades em fazer correr a bola, e não mostrou – nem se esperaria obviamente que mostrasse, dada a importância relativa dos combates – o espírito guerreiro com que, por exemplo, derrotou o FC Porto em condições não muito diferentes.
Com Aimar, Roderick, Ramires e Eder Luís de início, o futebol encarnado não foi manifestamente ao encontro daquilo que o jogo requeria. Jesus terá privilegiado aspectos de gestão de plantel – o que é natural -, em detrimento da colocação da equipa ideal para vencer esta partida. À luz deste raciocínio, não se compreende todavia a insistência em Ramires (foi mais uma vez o único dos titulares do meio-campo para a frente a jogar os noventa minutos), quando salta aos olhos que o brasileiro precisa de descansar de modo a poder voltar a exibir os impressionantes níveis do início da época. O técnico saberá certamente melhor que eu, mas o que se vê em campo é um Ramires cansado, sem pulmão, a arrastar-se em jogos nos quais a sua presença seria perfeitamente dispensável (para que serve Felipe Menezes?, para que serve Carlos Martins?). Já o caso de Aimar é um pouco diferente, pois vinha de uma lesão e precisava naturalmente de ganhar ritmo, mesmo que num jogo completamente desadequado ao perfume do seu sofisticado futebol. Quanto ao reforço Eder Luís, seria quase cruel analisá-lo à luz de um jogo em que quase não era possível jogar-se. Mostrou boa vontade, o que para começar já não é mau.
Tendo em conta as características da partida, e a forma como decorreu, o resultado acaba por beneficiar mais o Benfica, penalizando a equipa da casa, que ficou praticamente afastada do apuramento. Vendo-se em desvantagem no marcador já em plena segunda parte, a equipa da Luz correu também sérios riscos de comprometer, já nesta noite, as aspirações na prova. O golo de Fábio Coentrão salvou-a, deixando-a dependente apenas de si própria para chegar às meias-finais.
Em desvantagem no número de golos marcados face ao Rio Ave (2-1 e 3-2), o Benfica vai ter mesmo de voltar a vencer em Vila do Conde para se apurar. Se o conseguir por uma diferença clara, tem também francas hipóteses de jogar as meias-finais em casa, aspecto que não é de desprezar, uma vez que se trata de uma eliminatória a uma só mão. Com o jogo a disputar-se num domingo de pausa no campeonato (e, espera-se, em melhores condições meteorológicas), creio ser de apostar tudo nessa partida, não deixando o troféu cair ao chão para que outros o apanhem.
Não se deu pelo árbitro, num terreno extremamente difícil também para ele.

Nos outros jogos, destaque para a eliminação do Sp.Braga depois de duas derrotas em dois jogos. O FC Porto, à semelhança do Benfica, tem de ganhar no Estoril na última ronda (mantendo no entanto, ao contrário dos encarnados, algumas hipótese em caso de empate), enquanto ao Sporting bastará não perder na Trofa para seguir em frente, numa verdadeira e inesperada final em que os da casa também jogam o apuramento. Dos três grandes, o Benfica é pois, claramente, o que tem a tarefa mais complicada, o que se justifica pelo próprio grau de dificuldade do seu grupo.
Poderá dar-se o caso dos segundos classificados ficarem todos com 5 pontos (ou os primeiros todos com 7), e com semelhantes diferenças de golos, pelo que antevejo grandes confusões com os estapafúrdios regulamentos, nomeadamente em face daquela surreal alínea das idades. Gosto da Taça da Liga, é uma excelente ideia, espero que o experimentalismo do formato e dos regulamentos não a venha a matar.

17 Comments:

Anonymous Brytto said...

Não houve casos?!!!!! O Coroado e Rosa Santos dizem que o golo é mal anulado ao Guimarães!!!!!!!! Ao que a cegueira chega...foram estes rapazes, árbitros!!!!!! Não consigo compreender como se pode considerar válido um golo daqueles, só por manifesta má fé, esta gente já nem se preocupa em disfarçar o seu anti-benfiquismo primário!!!!!!!!!

14.1.10  
Anonymous Anónimo said...

"Não se deu pelo árbitro, num terreno extremamente difícil também para ele."

Caro LF, parece-me que desta vez meteu água. Efectivamente foi um jogo duro, com lances de contacto, fruto das condições, mas nada justifica o comportamento de Aimar, que aos 32 minutos iria tomar um banho quente.

Quero que o nosso Benfica ganhe sempre, por muitos golos de diferença e com futebol bonito.

Contudo, neste aspecto o comportamento de Aimar esteve muitos pontos aquém de me satisfazer. Não foi bonito!!

Seria vermelho directo e como não conheço as regras da Taça da Liga (alguém conhece?!), não sei que impacto poderia ter no campeonato.

A jogadores profissionais exemplarmente bem pagos, tem que se lhes exigir outro comportamento.
Além das competências técnicas e atléticas, as de carácter comportamental estarão no mesmo patamar.

Marcar golos, defender ou fazer assistências fazem a diferença e podem decidir campeonatos. Ser arruaceiro, ser suspenso e não jogar, também.

Veja-se o comportamento de Di Maria e o resultado que poderia ter tido no jogo com o PorCo.

Felizmente que até as nossas segundas linhas chegam para aqueles bandalhos e não demos pela falta dele, mas poderíamos ter dado!

Força Benfica.

14.1.10  
Blogger LF said...

Bem...
Eu não dei pelo árbitro, mas Rosa Santos e Coroado não têm um pingo de credibilidade.

Ainda me lembro bem das suas arbitragens.

Rosa Santos, particularmente, era um dos rostos mais negros do Sistema instalado nos anos 90. Com uma investigação a sério deveria estar detido, como muitos outros.
Foi um cancro que passou pela arbitragem, e continua a sua saga ao serviço do poder que tanta coisa lhe deu.

O caso de Coroado é diferente. Teve polémicas com o Benfica, inclusivamente em tribunal, e nunca se conseguiu afastar disso.
Tem manifestado um anti-benfiquismo primário, difícil de suportar e de entender em alguém que até nem era preferido do sistema.
Ainda há poucos meses estive numa roda de pessoas em que ele também estava, e tive de fazer um esforço enorme para não lhe dizer o que me ia na alma. Só não o fiz por respeito às restantes pessoas, uma das quais amiga dele.
Mas fiz questão de não o cumprimentar.

Eu nunca leio o Jogo. A última vez que o comprei foi quando o Benfica foi campeão em 2005, dia em que comprei todos os jornais.
A proxima será quando isso suceder de novo, e espero que seja já em Maio.
Por vezes vou à edição online ver o tal tribunal, mas francamente não vejo como alguém se possa guiar pelo que eles dizem.

14.1.10  
Blogger LF said...

Quanto aos lances em si, reconheço que Aimar merecia um cartãozinho.

Agora em relação ao golo anulado acho que só por má fé pode haver alguma dúvida.
O braço de Douglas impede claramente Julio César de saltar à bola em condições.
Acho que é um lance óbvio. Se aquilo não é falta, então nunca há faltas sobre guarda-redes nenhuns.

Não falei no de Aimar por esquecimento, mas este, de tão óbvio, nunca me mereceria qualquer comentário.

Devo dizer até que estava à espera que o Benfica fosse beneficiado neste jogo. Não houve oportunidades de o fazer, mas se houvesse tenho a certeza de que Xistra o faria.
Já vejo futebol há mais de 30 anos...sei o que a casa gasta, e sei que o Benfica tem um jogo fundamental no domingo com o Marítimo.

14.1.10  
Blogger Jotas said...

O coroado disse isso?! Porque será que não fico supreso?

Deixem-se de tretas, estou farto de ouvir palhaços que andaram a roubar a vida toda, com porrada a toda a gente, com gamanços incriveis, onde tudo valia, tenham vergonha e estaejam calados, se há alguém que neste país não tem a miníma moral para dizer seja o que for de arbitragens, esse é claramente o Porto.

um jogo de lotaria num relvado demasiado encharcado em que a bola pouco rolava, adaptou-se melhor o Guimarães ao campo, num jogo que prometia bom futebol noutras condições, num entanto, houve um tremendo empenho em ambos os conjuntos. O Benfica optou por usar um misto de suplentes e titulares, o que na minha perspectiva era escusado, a prioridade é o jogo de Domingo na Madeira e eu se pudesse escolher entre uma derrota neste jogo e uma vitória na Madeira, obviamente a minha decisão estaria tomada.

14.1.10  
Anonymous Tiago Pereira said...

Para quem diz que o Bruno Alves é um jogador violento, sugiro que vá ver o lance em que o Aimar dá um pontapé no joelho do jogador do Vitória de Guimarães. Admoestação?
Nenhuma.

PS: Não quer fazer uma classificação real da taça da liga?

14.1.10  
Blogger M said...

farto-me de ver e falar com Benfiquistas que assumem as faltas de nossos jogadores e nao gostam de faltas grosseiras cometidas por aqueles que nossas cores envergam....

eu e muitos benfiquistas, em plena Luz, a assumir que o Luisao deveria ter sido expulso naquele parvo pontape...

ainda nao conseguir ver um unico portista, nestas coisas da blogoesfera, a admitir, frontalmente, que o Alves agride e que o ALves deveria ser expulso...

acho que isso diz muito...ja deixei de entrar em debate com os portistas que por aqui andam....apenas com aqueles que conheço pessoalmente (e sao muitos) e que consigo trocar ideias...

14.1.10  
Anonymous Nuno Figo said...

Onde isto já vai...

Então o lance do golo anulado ao Guimarães não é bem ajuízado? Não há toque no braço do guarda-redes do Benfica que o impede de disputar o lance?! Na pequena-área o guarda-redes não pode ser estorvado, meus caros. Não é "não pode ser assassinado", é não pode ser estorvado.

Aimar merecia cartão? Sim, um amarelo ficava bem, pela reacção. E devia ter mais cuidado, porque anda tudo esfomeado e não podemos expor o flanco.

Aproveito para lembrar um caso do início de época, que guardei na memória:
http://www.youtube.com/watch?v=Ff42crgE7lg
Nem cartão. Mais tarde o mesmo moço fez outra falta simpática, desta vez com cartão. Vejam a forma super correcta como reage.
http://www.youtube.com/watch?v=kYgAlqN0prI
Ah, grande Meireles. Mais um exemplo para as gerações vindouras.

14.1.10  
Anonymous Anónimo said...

LF sigo o seu pensamento em relação ao pensamento de CR. Saiu hoje estampado na Marca que ele substituiu Beckham para modelo da Armani. Em contrapartida temos a imagem de humildade, seriedade, sobriedade e respeito que Messi preconiza. São os 2 melhores do mundo, mas~sao tão diferentes. Para o bem e para o mal.

15.1.10  
Anonymous Tiago Pereira said...

O que eu digo é que o lance do Roberto é em tudo semelhante a um lance que decidiu um campeonato há uns anos atrás... a baliza é que era de outra cor.

15.1.10  
Blogger rearviewmirror said...

Na linha do fora-de-jogo manda a Sportv!!

em:

www.averdadedaliga.blogspot.com

15.1.10  
Blogger PPA said...

Devolvam-nos o nosso campeonato!

Em 2005 um golo em falta na sequência de um livre mal assinalado pelo senhor Paraty ao cair do pano, tirou o campeonato ao Sporting, que o merecia de longe, pois nessa época jogou muito mais do que qualquer outra equipa.

Ontem em Guimarães já se marcou…

Devolvam-nos o nosso campeonato ou então atribuam uma derrota ao Benfica no jogo de Guimarães.

(E com o campeonato ganho, o Sporting 3 dias depois teria ganho naturalmente a Taça UEFA, pois como se sabe houve problemas internos e quem viu o jogo sabe que até aos 60’ foi tudo do Sporting, altura em que rebentou / esgotou e entregou o jogo.)

15.1.10  
Blogger LF said...

Tiago Pereira e PPA,

Comparar o golo de Luisão em 2005com este agora anulado, é o mesmo que comparar a obra prima do mestre com a prima do mestre de obras.

Sejamos sérios.

15.1.10  
Anonymous Anónimo said...

LF disse...
Tiago Pereira e PPA,

Comparar o golo de Luisão em 2005com este agora anulado, é o mesmo que comparar a obra prima do mestre com a prima do mestre de obras.

Sejamos sérios.

COMECE POR SI!

15.1.10  
Anonymous iBenfiquista said...

Não há comparação possível entre o golo do Luisão e esta falta. que não foi golo. Aqui, o jogador do Vitória impediu o GR do Benfica de agarrar a bola, saltando com ele e tocando-lhe no braço. Isso vê-se muito bem nas imagens e o árbitro, que até é do Sporting, também estava muito bem colocado.

No golo do Luisão, este salta à bola, e o Ricardo tenta, repito, tenta chegar à bola, só que o Luisão antecipa-se, saltando antes dele e mais alto. Não foi o Luisão que tocou no Ricardo, foi este que tocou no Luisão, para tentar chegar à bola.

Só um idiota chapado pode comparar duas situações que não têm comparação. Chama-se MAU PERDER.

15.1.10  
Blogger PPA said...

Muito bem...

Opiniões isentas sem dúvida.

Olham para coisas parecidas de forma completamente diferente.

Será das cores das camisolas?

16.1.10  
Anonymous Tiago Pereira said...

"Não foi o Luisão que tocou no Ricardo, foi este que tocou no Luisão..."

Divinal...

16.1.10  

Enviar um comentário

<< Home