31/03/08

GOLOS CONTRA AS CRISES

Em ressaca de Páscoa, aconteceu jornada de “borregos”. Em 2008 o Benfica ainda não ganhara em casa, ao passo que o Sporting ainda não vencera fora. Ontem tanto um como outro superaram as respectivas angústias, e categoricamente golearam Paços de Ferreira na Luz e Naval na Figueira pelo mesmíssimo resultado: 4-1.
O F.C. Porto, no seu campeonato à parte, colocou-se a uma vitória do título ao bater in-extremis o Belenenses no Restelo por 1-2, alcançando o golo da vitória através de uma grande penalidade discutível, já em tempo de descontos, e depois de ter chegado ao intervalo em desvantagem. Em toda esta edição da Liga, foi apenas a segunda vez que Benfica, Sporting, F.C.Porto e V.Guimarães venceram – a primeira tinha sido na quarta jornada, em meados de Setembro.
Na partida da Luz - a única que vi e apenas pela TV – o Benfica proporcionou um espectáculo agradável, deixando boa imagem desta sua nova etapa com Chalana no comando técnico. Um futebol alegre e desenvolto, bem mais imaginativo do que demonstrara em grande parte da época, permite manter alguma confiança para o que resta de campeonato, sabendo-se que o calendário não é nada fácil, que o Sporting parece em recuperação, e que o V.Guimarães não dá sinais de ceder.
O que tornou o jogo um tanto mais complicado para o Benfica do que o resultado final deixa transparecer – a pouco mais de vinte minutos do fim registava-se um empate 1-1 – foi a desastrada actuação de Elmano Santos, que em apenas um minuto não viu uma mão na bola dentro da área pacense para de seguida assinalar um dos penáltis mais absurdos que me lembro dos últimos tempos na Luz. Com esse duplo erro, o árbitro madeirense transformou um eventual 2-0 sobre o intervalo num intranquilizante 1-1, devolvendo o equilíbrio a um jogo que tinha tudo para se tornar um passeio benfiquista.
Destaque na noite benfiquista para os fabulosos golos de Rodriguez e Rui Costa, dois jogadores que, por diferentes razões, se aprestam para abandonar o plantel encarnado no final da época.