18/02/08

NA FRENTE NADA DE NOVO

A jornada deste fim-de-semana na Liga Portuguesa trouxe poucas surpresas. Na noite de sexta feira o F.C.Porto ultrapassou mais um difícil obstáculo e parece cada vez mais disputar um campeonato à parte. No domingo Sporting e Benfica mantiveram distâncias, os leões em Alvalade frente a um Estrela reduzido a nove jogadores, e os encarnados na Figueira da Foz, onde nunca haviam vencido.
Jogando privado de alguns elementos, o Benfica tinha no Naval - entalado a meio de uma complicada eliminatória europeia - um adversário bem capaz de fazer mossa, sabendo-se da dificuldade que a equipa de Camacho tem sistematicamente sentido diante de opositores retraídos e rigorosos, como são normalmente as equipas comandadas por Ulisses Morais. Foi preciso recuperar a fúria e as ganas que se escondiam desde há meses, para que o Benfica conseguisse alcançar uma importante vitória face ao objectivo que ainda persegue – a qualificação para a Champions.
Foi um jogo fraco, com pouco futebol e muita arbitragem. A vitória benfiquista ajusta-se, se bem que um empate também não fosse inaceitável. Individualmente o destaque vai para Binya, Luisão e Nuno Assis, os melhores ao longo dos noventa minutos.
A arbitragem fica para a “classificação real”.