27/09/07

JOGOS PARA A ETERNIDADE (9) - Os Meus Derbys

Desde que no início do século passado foram fundados, Benfica e Sporting têm protagonizado aquele que é, inquestionavelmente, o mais apaixonante derby do nosso desporto rei.
Muitas são as histórias em redor deste duelo, muitas as alegrias, muitas as mágoas, quer para um, quer para outro lado. Como qualquer adepto empenhado, também eu guardo as minhas memórias de um clássico que acompanho com fervor desde tenra idade. É delas que vou falar em mais esta viagem pelo passado, a que a rubrica “Jogos para a Eternidade” me vai regularmente conduzindo.
O primeiro derby lisboeta de que me recordo foi disputado em Alvalade em Setembro de 1976. Jogava-se a primeira jornada do campeonato 76-77, e recordo-me de, em casa dos meus avós - onde habitualmente passava férias - ter ido para a cama a ouvir o relato num pequeno transístor repousado sobre a almofada. O jogo começara bem mais tarde que a hora marcada dada a quantidade de pessoas que inundava a pista e as extremidades do relvado, terminando já a noite ia alta. Vivia-se ainda em período pós revolucionário, o generoso dinheiro gonçalvista ainda abundava nas carteiras dos anteriormente mais desfavorecidos - fruto dos bruscos aumentos de salário ocorridos nessa conturbada fase da nossa história. Depois de alguns excessos revolucionários que remeteram injustamente o futebol para o campo das alienações inconvenientes, a paixão do povo reacendia-se de novo. Com dinheiro nos bolsos, os estádios estavam novamente cheios. Mas a crise e o FMI já batiam à porta.
O Benfica perdeu por 3-0, com os golos todos marcados já na ponta final do desafio. O então jovem Manuel Fernandes, Camilo e a estrela africana Keita (recém contratado) foram os marcadores, abrindo uma mini-crise no rival da Luz, que cinco jornadas de empates e derrotas depois, arrancaria, em Outubro, para uma série de 56 jogos sem perder para o campeonato, garantindo o título dessa época com uma vantagem considerável, e perdendo o seguinte, para o FC Porto, sem qualquer derrota - caso singular na história do futebol português.
Mas nessa noite, o desencanto foi tal que propus em surdina ao meu pai, pela primeira e única vez na vida, a mudança de clube para os verde e brancos, que pelos vistos – pensava eu nesse momento – eram melhores. Ele respondeu liminarmente que não, recordou-me as Taças dos Campeões, as finais europeias e os muitos títulos conquistados. Convenceu-me até hoje. Até sempre.
Curiosamente, os dois primeiros jogos de futebol que guardo na memória – à parte os que, acompanhando o meu pai, então dirigente de um pequeno clube alentejano, me sentava no banco de suplentes com os jogadores, entregando-lhes inclusivamente garrafas de água, tarefa que me enchia de orgulho -, foram este derby e, de forma mais difusa, um Bayern de Munique-Benfica ainda na época de 1975-76 para a Taça dos Campeões, que a RTP transmitiu, e que o Benfica perdeu por 5-1. Foram pois, paradoxalmente, duas derrotas copiosas que estiveram no âmago do meu benfiquismo fiel e radical.
Depois deste, muitos outros derbys se seguiram.
Ainda na mesma temporasa, a contar para a Taça de Portugal, novo jogo em Alvalade, nova derrota por 3-0. Desta feita foi o brasileiro Manoel que marcou todos os golos, realizando provavelmente a melhor exibição da sua vida. Cheguei a supor que todos os Sportingues-Benficas terminariam com 3-0 no marcador, coisa que mais tarde vim a verificar nada ter de verdadeiro.
Na Luz jogar-se-ia em Janeiro de 1977 o encontro da segunda volta do campeonato. Vitória benfiquista por 2-1, golos de Vítor Martins e Chalana (este já perto do fim), contra o golo de Manuel Fernandes. Foi a primeira vitória sobre o Sporting de que me recordo, num jogo importantíssimo, que catapultou o Benfica para o primeiro lugar da classificação, de onde não mais sairia até final do campeonato. Ainda me lembro da capa da “Equipa” na quarta-feira seguinte – que o meu pai me comprava na altura, e que, recheada de belas fotografias, fazia as minhas delicias -, na qual surgia o Vítor Martins, com a braçadeira de capitão (Toni não jogou), a festejar o primeiro golo.
Na época seguinte, um empate a abrir o campeonato em Alvalade, na estreia dos ex-benfiquistas Jordão e Artur pelos leões, jogo que me recordo perfeitamente de ouvir pela rádio, numa noite de sábado na cozinha dos meus avós. Na segunda volta, mais do que a vitória do Benfica por 1-0, ficou para a história uma das mais caricatas situações de sempre vividas nestes jogos: a célebre rábula do brinco perdido. Vítor Baptista, já enredado nas malhas das drogas duras, era um caso bicudo no balneário encarnado. Como se tratava de um grande jogador, de características únicas no nosso país (avançado corpulento e bom cabeceador), as suas inúmeras provocações foram sendo ultrapassadas com maior ou menor tolerância. Esta era a sua última época no clube, pois meses depois, em vésperas de um Benfica-Liverpool, decidiria unilateralmente regressar a Setúbal e não mais jogar de águia ao peito. Morreu aos 50 anos, toxicodependente, vivendo numa barraca, depois de várias detenções por roubo.
Naquela tarde, ao marcar um único e fabuloso golo da partida (na foto abaixo já deixou Augusto Inácio fora da jogada, matou no peito e prepara-se para fuzilar Botelho), perdeu o brinco de brilhantes – foi o primeiro português que me lembro de ver usar tal adereço, até então exclusivamente feminino -, não hesitando em fazer parar o jogo para o procurar. Ao fim de alguns minutos, perante a incredulidade de árbitro e adversários, Vítor – que se auto-intitulava o maior jogador português a par de Eusébio – pôs Toni, Nené e alguns outros colegas de joelhos no relvado, à procura da tal preciosa peça. Diria ele depois que o prémio de jogo não dava para o pagar, e por isso se justificava a interrupção. Não mais chegou a encontrar. Nem o brinco, nem a vida.
Em Novembro de 1978 teve lugar um dos derbys que recordo com mais entusiasmo. Numa bela tarde de domingo martinheiro, na presença do General Eanes – numa altura em que os políticos ainda olhavam o futebol de cima - o Benfica chegou ao intervalo a vencer por 5-0 (!). Conta-se que o presidente Ferreira Queimado terá oferecido um prémio suplementar ao intervalo por cada golo mais. Mas os jogadores não corresponderam, o Sporting tentou dar alguma dignidade ao momento, e na segunda parte nada mais aconteceu.
Apostara com o meu avô sportinguista – é verdade, tinha um avô adepto moderado dos leões -, suponho que vinte escudos, acerca do vencedor deste jogo. Ou seja, se o Benfica ganhasse eu ganhava vinte escudos, se perdesse a coisa era esquecida. Passei toda a primeira parte de volta dele, lembrando-o com um entusiasmo esfusiante, a cada golo, da tendência da aposta. Ele nem queria acreditar no que íamos ouvindo pelo rádio.
À noite recordo-me de a RTP2 ter transmitido um resumo de vinte minutos dessa partida, o que à época era um luxo. Os comentários eram de Joaquim Letria. Julgo ter sido o primeiro derby do qual vi imagens televisivas. Nené e Alves bisaram, Reinaldo marcou o outro golo.
Na mesma época o Benfica venceu também em Alvalade. Numa tarde chuvosa, João Alves marcou de penálti o golo solitário daquela que foi a primeira vitória fora que recordo em derbys, após uma exibição que, tive oportunidade de confirmar anos mais tarde numa visita pelos arquivos do jornal “A Bola”, se situou num plano bastante frouxo.
Por falar em televisão, um dos primeiros derbys televisionados de que me recordo, teve lugar em Abril de 1982. Era a última hipótese que o Benfica tinha de discutir o título de 81-82, para o que teria de ganhar em Alvalade. Era o jogo do ano e o então presidente do Sporting João Rocha decidiu oferecer ao país a transmissão directa – longe vinham os tempos em que o futebol não passaria sem TV…Logo nos primeiros minutos Carlos Manuel marcou para o Benfica, num pontapé de canto directo que originou alguma polémica, pois nunca se chegou a ter a certeza de a bola ter mesmo entrado na baliza, uma vez que Marinho, louro médio leonino, a cortou de cabeça, aparentemente sobre a linha - ainda não se falava em chips. O Sporting empatou de penálti por Jordão, e assim se chegou ao meio da segunda parte, quando, num lance dividido, Manuel Fernandes atingiu a cabeça de Bento com os pitons. O guardião benfiquista, que não era para brincadeiras, levantou-se como uma mola, e com a bola ainda nas mãos encostou o ombro ao queixo do avançado leonino, que por acaso era seu vizinho na margem sul. Este aproveitou a dádiva, e teatralizou uma agressão que fez o árbitro expulsar o guarda-redes benfiquista e assinalar a respectiva grande penalidade. Estava decidido o campeonato. Jordão ainda voltou a marcar, fazendo assim um hat-trick frente à sua antiga equipa.
O Benfica só voltaria a vencer em Alvalade na época 1983-84. Era Eriksson o treinador, e já depois de Diamantino ter falhado um penálti, Nené converteu um segundo, já nos minutos finais. Não me perguntem se foram bem ou mal assinalados – na altura não me preocupava muito com essas coisas.
Eis-nos chegados a Abril de 1986, precisamente um mês antes do episódio Saltillo. À entrada da penúltima jornada, o Benfica tem um ponto de vantagem sobre o F.C.Porto no topo da tabela classificativa. Os portistas jogam no Bonfim e, se perderem e o Benfica vencer em casa, temos o campeão vestido de vermelho. Com quem é que o Benfica joga ? Precisamente com o Sporting, que meses antes levou mais cinco na Luz, desta vez numa eliminatória da Taça (numa quarta-feira à tarde em que faltei às aulas para ouvir o relato).
Foi o meu primeiro derby ao vivo, marcado pelo drama e pelas lágrimas.
O Terceiro Anel já estava fechado. Numa obra que custara as saídas de Chalana, Stromberg e Eriksson, o então presidente Fernando Martins transformara o Estádio da Luz num dos maiores da Europa e do Mundo, dotando-o de uma capacidade de 120.000 espectadores. Como, sem cadeiras, cabia sempre mais um, chegaram a lá estar 140.000. Eu ví ! – não os contei, é certo, mas a quantidade de pessoas em cima das escadas, apertada contra as portas, e mesmo nos corredores, sem possibilidade de cortar o bilhete, não deixa muitas dúvidas de que num célebre Benfica-Porto de 1987 - em que familiares meus ficaram no carro a ouvir o relato com o bilhete na mão -, os números não andariam longe desse impressionante record.
Neste decisivo Benfica-Sporting, não estavam 140 mil, mas estariam, seguramente, um pouco mais dos 120 mil da lotação oficial. Ou seja, o estádio estava completamente cheio. Cheio sobretudo de benfiquistas ávidos de festejar um título que na época anterior lhes escapara, em tempos nos quais isso ainda se revestia de estranheza.
Fiquei no novo terceiro anel. O sol era abrasador. Os jogadores lá em baixo assemelhavam-se aos bonequinhos do “subbuteo”, e eu, na companhia do meu pai (que muito tinha pressionado no sentido de me levar), e de mais um amigo dele, delirava com o panorama de cores que se apresentava diante de mim.
Tudo parecia correr bem, mas o Sporting não estaria de acordo com a festa. Enquanto Futre, -com um grande golo, em que correu quase 50 metros com a bola dominada - dava a vitória ao F.C.Porto em Setúbal, uma equipa de leões onde avultavam Jaime Pacheco, Sousa, Manuel Fernandes, Jordão, Oceano, e o inspiradíssimo guarda-redes Vítor Damas, adiantava-se rapidamente no marcador pelo avançado de Sarilhos, e pouco depois aumentava a vantagem pelo defesa central Morato. O Benfica, com um bom onze mas com um plantel limitado, apresentava-se na fase final da temporada com grande desgaste físico e anímico, sobretudo sentido a partir do momento em que se despediu da Taça das Taças, em casa frente ao Dukla de Praga, sofrendo um golo nos últimos minutos depois de se colocar em vantagem, jogo que me causou uma das maiores amarguras da minha infância desportiva, e que me fez, à revelia de todos, associar ao clube por minha conta e risco.
A segunda parte foi dramática. Ainda no primeiro quarto de hora, Manniche – o dinamarquês de quem o médio do Atlético de Madrid retirou a alcunha - de cabeça, a cruzamento de Diamantino, reduzia a diferença. Nos últimos 30 minutos assistiu-se a um vendaval de ataque benfiquista, à procura do golo que permitisse manter de pé a hipótese de depender de si próprio na última jornada, em que se deslocava ao Bessa – anos mais tarde passar-se-ia algo parecido, mas com final bem diferente. Vítor Damas estava no entanto em grande forma e foi negando, uma após outra, todas as ocasiões de golo criadas pelo Benfica.
No final, um terrivelmente decepcionante 1-2, e o quase adeus ao título – que seria confirmado na semana seguinte com derrota no Bessa, e nova vitória portista, agora diante do Sp.Covilhã. As escadarias do estádio eram um desolador e fúnebre espectáculo. Gente, pequena e grande, a chorar, grande consternação, o drama do futebol na sua mais dolorosa faceta.
Aprendi nessa tarde que nem todas as belas histórias terminavam com um final feliz. Fica o onze encarnado, que ainda hoje sei de cor: Bento, Veloso, Oliveira, Samuel, Álvaro, Carlos Manuel, Sheu, Diamantino, Wando, Rui Águas e Manniche.
Quem disse que a história não se repete ? Um ano depois, eis-me no mesmo local, e na mesma situação. Depois de ter perdido 7-1 em Alvalade – jogo que mereceu já mereceu especial destaque nesta rubrica -, o Benfica chegava à penúltima jornada novamente com hipótese de se sagrar campeão. Bastava vencer o rival, pois uns minutos antes o F.C.Porto, em vésperas da valsa argelina de Viena, perdia em Portimão e entregava todo o ouro ao (seu) bandido.
Era com expectativa de vingar o ano anterior, de vingar os 7-1, mas acima de tudo de comemorar o meu primeiro título em pleno estádio. Já um pouco mais crescidote – sem o meu pai, e com amigos mais velhos – vivi esta jornada num Maio quente e bonito, perante mais uma das grandes enchentes da história do antigo Estádio da Luz - já depois do terceiro anel fechado, e antes do Mundial de sub-20 (que obrigou a reduzir ligeiramente a lotação, para construir novos camarotes de imprensa), e da aplicação de cadeiras que pôs alguma ordem na coisa.
Desta vez, o final foi mesmo feliz. Chiquinho e Nunes adiantaram o Benfica ainda na primeira meia-hora. O golo de Marlon Brandão perto do fim, apenas serviu para dar mais emoção a uma enorme festa, que começou com a invasão do relvado, e terminou, para mim, num belo cherne grelhado, regado com um fantástico vinho rosé (a primeira vez que bebi tal coisa), num restaurante setubalense chamado “O Quintal”, que não faço ideia se ainda é vivo ou já entregou a sua alma ao criador.
A partir daqui, já mais independente, senão no aspecto económico, ao menos no plano formal, comecei a marcar presença amiúde nestes grandes momentos, sozinho ou acompanhado, de boa saúde, ou saído da cama, como veremos mais adiante.
Na mesma época vi ainda pela televisão a final da Taça de Portugal, que pôs os rivais lisboetas de novo diante um do outro, agora no Jamor. Foi uma sobremesa na vingança já de certo modo servida com a conquista do título. Uma exibição esplendorosa de Diamantino chegou para liquidar uma vez mais os leões. 2-1 novamente, e dobradinha para John Mortimore.
Em 1987-88, em jogo com poucas implicações num campeonato já decidido a favor do eficaz Porto de Ivic, assisti a uma das melhores exibições do Benfica em derbys. Aos 50 minutos de jogo já havia 4-1 (bis de Magnusson e Rui Águas), pouco depois Mozer atirou à barra na sequência de um livre, e em poucas ocasiões a vingança dos 7-1 terá estado tão próxima. Esse Benfica, com Toni ao leme, chegaria à final da Taça dos Campeões em Estugarda. O Sporting vivia dias difíceis, com uma equipa descaracterizada e recheada de brasileiros de qualidade duvidosa. Desse jogo recordo ainda uma longa caminhada pedestre desde a Estefânia até à Luz, e respectivo regresso. À excepção de uma ocasião em que, em Madrid, já pela noite dentro, percorri um trajecto desde para lá de Castilla até à Porta del Sol, não me recordo de alguma vez ter andado tanto a pé.
Em Dezembro de 1988 novo derby, nova enchente, nova vitória. Perante um leão eivado de unhas gonçalvistas (Douglas, Silas, Carlos Manuel, Ricardo Rocha, Eskilsson), Magnusson e Pacheco resolveram um jogo também marcado pelo caso Hernâni, médio que acusou a presença de cocaína no controlo anti-doping, que dava na altura os primeiros passos na modalidade. Foi suspenso, mas na época seguinte ainda voltaria a tempo de disputar a final da Taça dos Campeões, em Viena frente ao Milan. Nunca se chegou a saber se era culpado, como as evidências pareciam demonstrar, ou inocente, como ele insistia em clamar. A sua carreira e a sua vida, daí em diante, seriam normais, e julgo que ainda joga futebol de praia.
O primeiro derby a que assisti em Alvalade disputou-se nas primeiras jornadas da temporada seguinte - a da final de Viena, portanto. Foi a única vez que me sentei na bancada central daquele estádio, pois as companhias com que fui ao jogo eram influentes e endinheiradas, e arranjaram-me um convite. O Benfica triunfou com um golo solitário de César Brito a cruzamento do extremo angolano Abel Campos. Entre os leões havia grande expectativa para essa temporada, fruto de aquisições como a de Fernando Gomes, o bi-bota de ouro que saíra a mal das Antas, ou do central internacional brasileiro Luisinho. Mas na equipa de Eriksson, um Ricardo Gomes na defesa, um Valdo no meio campo, e um Magnusson na frente -todos no auge das respectivas carreiras - davam poucas hipóteses à concorrência e tornavam o futebol encarnado verdadeiramente demolidor. Esse início de época foi marcado por várias goleadas e exibições espectaculares, embora posteriormente a aposta europeia tenha acabado por deixar cair o título nacional para um F.C.Porto de transição, onde agora actuava …Rui Águas (não me esqueci, nem me esqueço !).
Após três anos de ausência, voltei a um derby em Dezembro de 1993. Estava-se na famosa temporada do título de Toni, que durante longos onze anos foi o “último”. O famoso verão quente – não o gonçalvista, mas o benfiquista – tinha feito sair da Luz Paulo Sousa e Pacheco a caminho do Sporting de Sousa Cintra. João Pinto por pouco não lhes fez companhia, acabando resgatado em Torremolinos por Jorge de Brito.
Ao contrário do que se terá pensado no reino do leão, essa humilhação foi a força maior do Benfica ao longo de toda essa temporada, que culminou com os 3-6, também já aqui destacados. Antes, na primeira volta, já com as duas equipas a disputar o primeiro lugar, e na semana seguinte ao terrível acidente que roubou uma promissora carreira ao russo Cherbakov, ao incompreensível despedimento de Bobby Robson na sequência de uma eliminação europeia em Salzburgo, e à contratação de Carlos Queiroz, o Benfica serviu a primeira dose da sua vingança. Venceu por 2-1, depois de Figo (a primeira vez que o vi jogar) ter aberto o placar na sequência de um canto – as bolas paradas eram então o ponto fraco dos encarnados -, de Yuran ter empatado no início da segunda parte, e Isaías, com um forte remate de meia distância, ter assegurado a vitória e a prenda de Natal dos benfiquistas. Não foi pois o regresso que Paulo Sousa e Pacheco desejavam, numa equipa que tinha também Paulo Torres, Peixe, Nelson, Cadete e Balakov.
Este jogo foi para mim inesquecível - pela primeira vez (não única) vi um jogo do Benfica directamente saído da cama, onde combatia uma terrível gripe e ardia em febre. Perante a estupefacção e mesmo indignação da minha mãe, arranquei sozinho de Évora para Lisboa, com muita roupa em cima, e os bolsos carregados de analgésicos e antipiréticos, para não deixar de apoiar a equipa em tão delicado momento. Valeu a pena, e até a doença me passou. Acabei na Portugália da Almirante Reis – então única - a comemorar a vitória.
Depois desse episódio, e dos 6-3, algumas épocas menos empolgantes fizeram-me falhar cinco derbys seguidos na Luz. Nem por isso deixei de ir ao futebol, acabando curiosamente por, neste período, assistir a alguns Sporting-Benficas em Alvalade. Foi o caso do de 1994-95, em que um golo de Amunike afastou o Benfica da corrida ao título, numa noite (1 de Dezembro de 1994) em que Preud’Homme fez a melhor exibição que alguma vez vi a um guarda-redes, evitando uma humilhante goleada. Fui ao jogo pelo simples motivo de, por razões profissionais, ter ido esperar uns ingleses ao aeroporto, e não saber o que fazer com eles até à hora de um jantar que estava marcado para Cascais, no qual, mau grado a derrota, nos banquetearíamos com um repasto de luxo - por conta de outrem, claro. Eram judeus, e adeptos do Manchester United. Torceram pelo Benfica – ai deles se assim não fosse…- mas não gostaram de um jogo cheio de paragens e mau futebol. Desse Benfica conheciam, além do guardião belga, o avançado argentino Cláudio Cannigia.
Não arranjei bilhetes para a célebre final do "Very-Light". Disputou-se no Jamor em Junho de 1996. Benfica e Sporting tentavam desesperadamente salvar a época, pois o F.C.Porto arrancara firmemente para a sua caminhada rumo ao penta. Quando Mauro Airez (argentino que não fez história na Luz para além desse momento) marcou o primeiro golo do Benfica, Hugo Inácio, membro (que se tornou famoso) dos No Name Boys, atirou um very-light (expressão até aí praticamente desconhecida), que por fatalidade, incúria ou descuido, aterrou na bancada dos adeptos do Sporting, atingindo mortalmente um deles. Pintou-se de luto o derby nesse dia . O Benfica venceu por 3-1, com mais uma grande exibição de João Pinto, mas nem sequer houve entrega de taça. Eu dessa vez não estive lá, mas pode ver aqui os videos deste e de outros derbys.
Voltei a Alvalade duas épocas depois, numa derrota tangencial com um golo do então estreante Beto, numa partida marcada pelas expulsões de Jamir e Hélder. Era Autuori o treinador benfiquista, e a equipa até ia bem no campeonato. Semanas mais tarde acabaria no entanto por derrapar, terminando muito mal a temporada já sob o comando de Manuel José. Neste jogo, tive de fugir de uma tremenda confusão à saída, tendo sido essa a única ocasião em que senti problemas de segurança em jogos com o Sporting – já com o Porto a história foi fértil em acidentes, que talvez um dia aqui vos conte.
Como não há duas sem três, no sábado de Carnaval de 1998 lá estava eu de novo em Alvalade para mais um clássico. Eram os melhores tempos de Souness, e a equipa encarnada levava várias vitórias consecutivas, sonhando ainda com uma aproximação ao F.C.Porto que não se chegaria a concretizar. Como à terceira é de vez, depois de duas derrotas seguidas, esta noite reservava-me uma retumbante vitória por 1-4, acompanhada de fantástica exibição. Poborsky (a estrela daqueles tempos), Sousa, Brian Deane e João Pinto (saído do banco após lesão) fizeram os golos - durante a segunda parte cheguei a pensar novamente nos 7-1. O médio Calado fez o jogo da sua vida e foi o melhor em campo, lembro-me também que o treinador do Sporting era Carlos Manuel – um dos meus ídolos de infância -, e um dos seus comandados era um ainda muito jovem Simão Sabrosa, que vi jogar nesse dia pela primeira vez. Tinha ficado em Lisboa à espera do jogo, mas ia passar o Carnaval a Évora, para onde me dirigi de imediato. A viagem, apesar de solitária, foi inesquecível, tal a enorme felicidade que juntava o início de um fim-de-semana prolongado, com uma tão robusta vitória do Benfica em Alvalade. Até cantei…
Como muitas vezes acontecia em jogos fora de casa, assisti à partida no meio dos No Name Boys. A intensidade com que se vive o jogo no meio das claques é incomparável. Por vezes, ainda hoje gosto de o fazer.
Este jogo abriu uma sequência de três vitórias consecutivas (e cinco vitórias em sete anos) do Benfica em Alvalade. Seguir-se-iam uma vitória por 1-2 com dois auto-golos de Beto em noite de denso nevoeiro, em jogo a que não pude assistir nem na televisão, e o célebre 0-1 em que um livre de Sabry adiou a festa de um ansiado título, que o Sporting conquistaria na semana seguinte em Paranhos. Este apenas vi pela televisão, tal como o de 2002 em que aconteceria precisamente o mesmo, não fosse um penálti arranjado por Martins dos Santos proporcionar a Jardel, no último minuto, o empate a um golo, depois de Jankauskas ter aberto o activo para o Benfica já em plena segunda parte. Curiosamente seria o Benfica, na semana seguinte, a devolver o título que tinha retirado ao rival, vencendo o ainda campeão Boavista na Luz por 2-1, permitindo ao Sporting festejar no hotel o seu segundo título em três anos.
O destino tem destas coisas. Estive seis anos sem ver um derby na Luz, e depois, em apenas um mês, vi…dois. Para o campeonato, um lisonjeiro 0-0, para a taça uma derrota por 1-3, num jogo em que a chuva foi visita, e em que uma polémica qualquer inviabilizou a transmissão televisiva. Estávamos em Janeiro de 2000, e meses depois, esse forte Sporting (de Acosta, Di Franceschi, André Cruz, Duscher, Vidigal etc) conquistaria o tal título que via fugir-lhe havia dezoito penosos anos.
Os dois últimos derbys a que assisti no antigo estádio da Luz foram, cada um de sua maneira, absolutamente inesquecíveis. Um determinou a saída de Mourinho do Benfica para não mais voltar – ao vencer por 3-0, com uma grande exibição, e com uma proposta do Sporting no bolso, exigiu, sem sucesso, a Manuel Vilarinho a renovação do contrato, batendo assim com a porta. Acabaria por não entrar em Alvalade pois, sabe-se-lá porquê, num impressionante serviço prestado ao clube, a claque Juve Leo boicotou-o, mobilizando-se para inviabilizar a sua contratação. Foi para Leiria e o resto da história é conhecido.
Nessa noite, numa equipa onde despontavam Fernando Meira, Marchena, Miguel, Maniche entre outros, mas que ficaria pela primeira e única vez na história do clube em 6º lugar, depois de somar três treinadores, João Tomás por duas vezes e Van Hooijdonk de penálti (que teve de ser repetido) marcaram os golos. Foi o regresso de João Pinto à Luz, e tal como Paulo Sousa e Rui Águas alguns anos antes, foi objecto de impressionante vaia sempre que tocava na bola.
No último derby da velhinha Luz, foi o árbitro o protagonista. Duarte Gomes expulsou de forma exagerada o médio Andrade, assinalou um penalti duvidoso a favorecer o Benfica, perdoou um cartão vermelho a João Pinto, mas pior que tudo isso, quando, já nos minutos finais, o Benfica vencia por 2-0, viu algo que mais ninguém conseguiu ver: Jardel saltou com Marco Caneira (então de águia ao peito) e lançou-se espalhafatosamente para o relvado. Em vez de lhe mostrar o respectivo cartão amarelo, apontou para a marca de grande penalidade perante a indignação geral. Jardel marcou, e dois minutos depois, em posição duvidosa, faria de cabeça o golo de um empate com sabor a derrota, e das amargas. Quem vencesse nesse dia dobraria o natal na frente. O empate favoreceu os leões (também de Quaresma, Hugo Viana, João Pinto e…Paulo Bento), que se sagrariam campeões após 42 golos - dos quais 17 de penálti (!!!) - do então ainda Super, Mário Jardel.
Esta foi a época da “equipa maravilha” de Luís Filipe Vieira, que chegado à Luz, contratou, em colaboração com José Veiga, e quase simultaneamente, Simão Sabrosa, Mantorras, Zahovic, Drulovic, Argel, Caneira entre outros. Mas só três anos depois o sucesso chegaria.
Nessa partida, perante o fecho das portas das bancadas de sócios (já lotadas), tive de entrar para o terceiro anel, do lado que nunca deixou de ser "novo". Vi-me aflito para conseguir lugar, e foi já muito perto do apito inicial que me sentei na bancada. Vi o jogo rodeado de sportinguistas, mas nem mesmo assim essa deixou de ser uma das raríssimas ocasiões em que não resisti a lançar alguns impropérios ao juiz da partida. Saí do estádio como se me tivessem roubado a carteira.
Já que estive na despedida dos derbys na antiga Luz, não seria cortês não o fazer em Alvalade. Foi em 2002, também em Dezembro – muitos foram os Sportings-Benficas natalícios – mas desta vez saí com uma vitória por 0-2, golos ainda na primeira parte de Zahovic e Tiago. Foi o segundo jogo de José António Camacho no Benfica – recebera o Sp.Braga uma semana antes – e o último de Pedro Mantorras antes de um longo calvário de dois anos sem jogar. Julgo ter sido a primeira vez que vi jogar Cristiano Ronaldo mas, verdade se diga, não me impressionou muito. Demoraria a fazê-lo, mas a partir do Euro 2004, obviamente rendi-me.
Na mesma época, enquanto na Luz decorriam as obras, o Benfica recebeu os leões no Jamor. Perdeu por 1-2 um jogo que pouco contava para o desfecho da Liga. Marcaram Quaresma e João Pinto para o Sporting, enquanto Sokota reduziu para os encarnados já perto do fim. Fui assistir ao jogo, e esse foi, sobretudo, um dia para recordar todas as histórias que em criança o meu pai me contava sobre os grandes jogos então disputados no Estádio Nacional, tendo assim a oportunidade de viver um pouco dessas reminiscências.
Este jogo abriu também uma sequência de maus resultados do Benfica em casa (ou casa emprestada) diante do vizinho e rival. Em Janeiro de 2004, no primeiro derby da nova Luz, e também em Janeiro, mas de 2006, o Sporting ganharia na Luz, em ambas as ocasiões por 3-1. A primeira dessas derrotas deu-se com grande ajuda de Pedro Proença, que descobriu dois penáltis – um claramente inexistente, o outro duvidoso -, transformados por Rochemback e Sá Pinto, que, com golos de Silva e Luisão pelo meio, selaram o resultado, no dia em que o Benfica estreou o bonito equipamento centenário, do qual aliás guardo uma réplica.
Em 2006, com Koeman, Simão ainda abriu o activo de penálti. Na segunda parte foi o descalabro: após uma falta de Tonel sobre Nuno Gomes que Pedro Henriques não viu, Sá Pinto, também de penálti, e Liedson por duas vezes, viraram o jogo do avesso. Num sábado de chuva diluviana, estávamos nos primórdios do Sporting de Paulo Bento, e era o tempo de um Benfica mais preocupado com as andanças europeias - venceria em Anfield Road pouco depois.
Mas no meio destas duas derrotas, muita coisa se passou. Em Alvalade, na estreia do novo estádio do Sporting em derbys, um golo de Geovanni nos últimos instantes colocou o Benfica no segundo lugar e na pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Grandes alegrias tive eu nesses meses. Seguiu-se a vitória na Taça diante do Porto campeão europeu, e depois o inesquecível Euro 2004. Em Maio de 2005 o título. Treinava o Sporting …Fernando Santos, e Moreira foi o melhor em campo. Ao golo seguiu-se uma invasão de campo da claque leonina, que dirigentes do Sporting e as forças policiais conseguiram a custo controlar. Lamentavelmente, não arranjei bilhete para este jogo, e vi-o pela televisão.
Mas a minha época mais profícua em derbys foi a de 2004-2005. Assisti a três. O primeiro em Janeiro de 2005, em Alvalade a convite de um amigo que detinha dois cativos. Ganhou o Sporting por 2-1, com dois golos de Liedson - regressado depois de um polémico cumprimento de castigo frente ao Pampilhosa para a Taça, em jogo propositadamente antecipado para as vésperas do derby. Foi o dia em que Mantorras também regressou, curiosamente, quase no mesmo local onde tinha feito o seu último jogo (o estádio é que já era outro).
Ainda nesse mesmo mês de Janeiro, calhou em sorteio de Taça mais um Benfica-Sporting, agora na Luz.
O Benfica, com muitas lesões, vinha de uma série de derrotas, a última das quais com o Beira Mar em casa. Seria campeão nesse ano, mas na altura poucos apostariam em tal. Sentindo a importância da ocasião, e do meu apoio, repeti o que fizera em 1993 e no meio de uma virose, a poder de Brufens e Ben-u-rons, lá fui com falhas respiratórias para a Luz, onde nessa noite deveriam estar não mais de dois graus de temperatura. Deus recompensou-me e assisti a um dos melhores derbys da minha vida: 3-3, após prolongamento, um espectáculo empolgante, grandes golos e um happy-end no desempate por penáltis – Miguel Garcia atirou à barra, dando a passagem ao Glorioso. Não serviria de nada, pois meses mais tarde, no Jamor, um Benfica a ressacar do título conquistado, seria ultrapassado por um Vitória de Setúbal aguerrido, em jogo que também presenciei.
Duas semanas antes, em Maio, dia de aparições, foi Luisão a lançar a mais profunda loucura que alguma vez vi num estádio de futebol, marcando o decisivo golo que viria a valer, uma semana depois, um sofrido e ansiado título. Desse jogo já falei em pormenor neste espaço. Repito apenas que o mesmo me proporcionou, talvez, a maior alegria da minha vida desportiva. Até agora...
Ao todo vivi de perto mais de vinte derbys entre Benfica e Sporting. Pelas minhas contas, recordo-me de mais de oitenta, contando todas as competições, e jogos particulares entre ambos. Cada um tem uma história, cada um tem os seus heróis, os seus casos. Sempre assim foi e sempre assim será. Aqui ficaram os resumos-video de alguns deles, apenas de entre aqueles em que estive presente.
No sábado se escreverá mais uma página desta bela história, que constitui indubitavelmente um dos baluartes do desporto no nosso país. Como um Lazio-Roma, um Inter-Milan, um Boca-River ou um Celtic-Rangers, este é um daqueles confrontos que faz perceber o significado da palavra rivalidade, que faz sentir que vale a pena ser adepto do futebol, e vibrar com estas emoções que nos manipulam, que nos agarram a alma.
Que em campo os jogadores saibam merecer o peso deste confronto, é aquilo que se pode desejar. Depois...que ganhe o Benfica...
Viva o Derby !Viva o Futebol !




Etiquetas:

14 Comments:

Blogger Vitto Vendetta said...

Estou espantadissimo... Tanto por toda a informação que aqui encontrei, como pela paciencia que tive para a ler toda (e estou no trabalho)

Bravo, vou ser um leitor assiduo!

28.9.07  
Blogger PPA said...

São 17 penalties que foram assinalados nessa época.

Nos casos vistos pelo jornal O JOGO, desses 17, 4 foram mal assinalados.
Mas também para o mesmo JORNAL, analisaram 8 lances passiveis de Penalty, que foram escamoteados aos Leões.

Para "O JOGO" o Sporting deveria ter portanto 21 (17-4+8 = 21).

Quanto ao tal penalty de Jardel na LUZ!
Pelo menos pode haver a desculpa de ter enganado o árbitro!!!
Mas gostaria de lembrar como foi a marcha do marcador nesse jogo:

- Sabem como o Benfica marcou o 1-0? Num Penalty INEXISTENTE logo nos primeiros minutos, onde Beto no chão leva com uma bola forte na perna e depois esta lhe ressalta para o braço, que não podia mover porque estava preso ao solo.

O Apitador ao intervalo viu as imagens e viu que marcou mal esse penalty e depois viu também que lhe passou em claro um penalty sobre Jardel. É óbvio que quando Jardel na 2ª parte CAVA o penalty, ele caíu na treta do Super-Mário, sugestionado pelas INJUSTIÇAS da 1ª parte, onde marcou mal 1 penalty a favor do SLB, e não marcou 1 a favor do Sporting; ou seja o resultado do jogo estava invertido pelos erros do apitador.

28.9.07  
Blogger PPA said...

Vou contar-lhes aqui uma pequena história:
Como sabem o 1º Campeonato do Mundo de Futebol amplamente televisionado foi o Espanha 82, pois nesse tempo raramente davam jogos, no máximo 1 por semana.
Poucos meses antes, o Benfica foi jogar a Alvalade contra o Mágico Sporting de “Big Mal”, com Meszaros na baliza (Melhor GR do Mundial 78) e muitos jogadores de classe, com destaque para o Tridente atacante demolidor: Oliveira, Jordão e Manuel Fernandes, responsáveis por mais de 100 golos nessa época!
O Sporting tinha 4 pontos de vantagem, pelo que ao Benfica restava vencer o jogo para encurtar a distância para 2 e ficar a 1 vitória de distância, pois como faltavam poucas jornadas, caso o Sporting vencesse seria campeão… e assim foi!
Desde a época anterior que eu assistia ao futebol, nomeadamente pela mão do Sr. Meu Tio nos jogos em casa do Boavista no Estádio do Bessa.
O Sporting – Benfica de 1981/82 foi o talvez o 1º jogo que vi com atenção na TV, eu num sofá e o meu Tio Benfiquista no outro.
No final ele ficou com um grande "melão", mas lá reconheceu que contra essa equipa maravilha do Sporting (mais tarde completamente destruída) não havia hipótese!

Vamos ao jogo.
Entrou melhor o Benfica que logo no início chegou ao 0-1 por Carlos Manuel N.º 6 de canto directo. A jogada é duvidosa, e ainda hoje há Leões que dizem que a bola não passou a linha de golo.
O golo espicaçou os Leões que partiram para 75’ de jogo demolidor, acabando por vencer por 3-1 e ficando desde logo o campeonato entregue.
O 3º golo do Sporting é o célebre penalty em que Bento agride o seu Amigo Manuel Fernandes, que não tirou o pé e lhe raspou na cabeça, pois Bento fez um dos seus famosos mergulhos valentes para chegar primeiro à bola.
Jordão converteu e fixou o placar em 3-1 para os Leões!
Na altura muitos benfiquistas e gente no próprio Benfica culpou Bento pela derrota com a atitude impulsiva e disparatada que teve, mas quem viu o jogo sabe que não é bem assim, pois o Sporting foi mesmo demolidor.
Mas o que me levou a escrever tudo isto é a Grandeza de Bento, pois após perder o campeonato para o rival de sempre, teve a humildade de pedir desculpa ao Manel, e mais… com “o caneco em Alvalade” no dia seguinte fez as pazes com o Manel e almoçaram juntos. (É por estas e por outras que o grande desafio do futebol Português será sempre o Sporting - Benfica).

28.9.07  
Blogger PPA said...

Em jeito de brincadeira, eu tenho uma personalidade mais forte do que a tua, pois o meu falecido tio também quis que eu mudasse do Sporting para o Benfica. Mas eu nunca cedi!

Curiosamente, muitos anos depois o meu tio acabou por se calhar torcer mais pelo Boavista do que pelo próprio Benfica.

28.9.07  
Blogger LF said...

Vitto vendetta,

Obrigado pelas palavras. No fundo são palavras como essas que compensam o trabalho que tive a escrever tudo isto.

Tenho o maior gosto em que continue a aparecer por aqui.

28.9.07  
Blogger LF said...

Ppa,

Obrigado pelas achegas.
Também falei desse derby dos 3-1, de que me lembro perfeitamente.
Esqueci-me de referir que o Bento depois tinha pedido desculpa.

Quanto aos 2-2, a marcha do marcador foi efectivamente essa.
Mas enquanto o penalti cometido por Beto é, digamos, duvidoso, o assinalado a Caneira foi escandaloso.

Quanto à quantidade de penáltis, não tenho neste momento forma de rebater. Mas talvez Jardel tenha marcado 17 golos de penálti e o Sporting tenha beneficiado de 21 (o Nicolae também marcou, antes do Jardel chegar, além de uma ou outra falha)

28.9.07  
Blogger LF said...

Entretanto, quem já leu e viu, se tiver oportunidade, tempo e paciência, faça-o novamente. Acrescentei dois parágrafos relativos a finais de Taças de Portugal, a lista dos derbys que vi ao vivo, e mais alguns videos superiormente elaborados pelo meu amigo Bakero da "Memória Gloriosa", blog que aconselho vivamente, sobretudo aos benfiquistas, pois tem videos fantásticos de grandes momentos do clube, e possibilidades de download.

28.9.07  
Blogger PPA said...

O Niculae marcou no Restelo, mas a bola não entrou. Estava 0-0.
O Sporting perdeu o jogo por 3-0.

Dos 17 penalties o Sporting apontou 14 e falhou 3.

28.9.07  
Blogger LF said...

Ok,

Mesmo assim...

28.9.07  
Anonymous Anónimo said...

Parabens pelo post.

Sobressai a festa que é (era) o futebol. A rivalidade sã. A amizade. Que bom que não falas muito de arbitragem pois o que interessa mesmo é o futebol jogado.

Assim sim.



Abraço

Pina - adepto do SCP

29.9.07  
Blogger catenaccio said...

LF,

Os meus parabéns por esta crónica fantástica, tão extensa e detalhada. Também estive presente nalguns desses derbys que referiste (tenho 32 anos) e foi muito interessante relembrar pormenores, observar vídeos e pôr, no fundo, a memória em dia.

Obrigado por este artigo e, mais uma vez, os meus parabéns!

29.9.07  
Blogger PPA said...

100 anos do derby dos derbies!
Vejam TUDO em:
http://canalscp.blogspot.com/

Talvez não seja o maior derby do mundo, pois temos sempre um BOCA JÚNIORES - RIVER PLATE, um MILAN - INTER, OLIMPIAKOS - PANATHINAIKOS, ou talvez o maior de todos o CELTIC - RANGERS...
Mas sem dúvida que é o mais apaixonante dos jogos em Portugal.
Um Real - Atlético, um Barça - Espanyol ou Sevilha - Bétis muito raramente têm o mesmo impacto devido à diferença de valor e grandeza numa mesma época entre as equipas.
O derby Português foi sempre entre equipas com os mesmos objectivos e sempre muito próximas na classificação. A maior diferença classificativa é de 4 lugares (Sporting 2º e Benfica 6º), mas foi uma excepção inédita.
Muitos decidiram o campeão, outros serviram para tirar o campeonato e dá-lo ao FCP ou Belenenses.
Houve até jogos onde o árbitro deu o campeonato a uma das equipas:
O 1º derby foi em 1907 (100 anos): Benfica, 1 - Sporting, 2.
O Sporting contava no seu plantel com alguns dissidentes Benfiquistas, que se consta terem tocado de emblema por 3 motivos:
- Jogarem em campo próprio;
- Banhos de água quente;
- Equipamentos novinhos e lavadinhos nos intervalos.
Na imagem (1908) Francisco Stromp pelo Sporting e Cosme Damião pelo Benfica.
Em toda a história só por uma vez andaram de braço dado, em 1980 quando depois da chegada da Máfia ao Porto após o 25 de Abril.
Pedroto e Pinto da Costa vieram poluir e conspurcar o futebol Português com a sua táctica do “mete-nojo” e do “bota-abaixo”.
Nasceu o sistema e as equipas sarrafeiras com 90% de jogadores com bigode.
Começaram os adeptos Andrades a encher o peito e a sair da toca, começamos a ver gentinha sem dentes, de chinelos e avental a comemorarem campeonatos, sempre preferindo insultar os rivais a dizer bem da sua equipa!
O FCP ganhou o BI (77/78 e 78/79) preparando-se para o inédito TRI, que falhou por 4 pontos mais a desvantagem no confronto directo para o Sporting.
Na final da Taça no Jamor (79/80) o Benfica bateu o FCP, deixando os Andrades em branco nessa época, o que até os veio a ajudar, pois a seguir foi o “Verão Quente”, com a famosa greve, a partida de Pedroto para Guimarães (não foi para o Sporting porque o João Rocha não lhe deu a VERBA para a arbitragem) e mais tarde o Papa USURPOU a Presidência a Américo de Sá, instalando-se definitivamente no trono.
Nessa final da Taça em 1980, foi a única vez que Benfica e Sporting andaram de braço dado:
RIO-AVE ACABOU COM O ESTOFO, VARZIM COM O TRI.
BENFICA GANHA A TAÇA E O PORTO CAI EM DESGRAÇA.
BENFICA-SPORTING. UNIDOS-SEMPRE!
Penso que foi nesta altura que nasceu a cantilena que se ouvia na escola primária:
“Sporting campeão! O Benfica ganha a Taça e o Porto come a massa”.

29.9.07  
Blogger LF said...

Obrigado pela vossa participação e pelas vossas palavras

1.10.07  
Blogger Mad Mad Bungle said...

Bela mensagem. Boa memória. Parabéns.

3.10.07  

Enviar um comentário

<< Home