HOSPITAL DA LUZ







 
A questão não é nova. E até por isso se torna inaceitável. 
No Benfica, ano após ano, lesões mais ou menos graves, mas sucessivas e sempre muito prolongadas, condicionam seriamente os trabalhos.
Podíamos ir ao  histórico, lembrando Júlio César, Nélson Semedo, Luisão, Jardel, Fejsa, Krovinovic, Salvio ou Jonas a passarem meses e meses, por vezes de forma reincidente, no estaleiro. Mas muitos outros nomes poderiam ser aqui citados.
Agora são oito (!!). Quase uma equipa completa, e as recuperações duram, e duram, e duram, em alguns casos inexplicavelmente. Há gente da qual quase nos esquecemos (David Tavares, Conti ou Ebuehi, por exemplo)
Não sou médico. Mas vejo muito futebol, e muitas equipas, há muitos anos. E nunca vi nada como isto. Lembro sempre Luisão, que partiu um braço, saiu do campo em passo de corrida, e esteve quase uma época de baixa. Ouros quase acabaram a carreira. Um acabou mesmo: Mantorras. E Jonas foi o que se sabe.
Sobretudo desde os tempos de Rui Vitória, o problema acentuou-se.
Esta época prevalece. Com diferentes metodologias de treino, com substituições no departamento clínico, e os jogadores do Benfica continuam a parecer de cristal.
Pelo contrário, no FC Porto vejo Marega recuperar de uma rotura em pouco mais de uma semana. No Sporting quase não vejo lesões, pelo menos entre os principais jogadores. E na Luz é isto.
Não pode ser apenas uma questão de azar.

PONTO FINAL !

Acabou!
Para o Benfica acabou o E-Toupeira. Não há mais recursos, e a SAD ficou, como se esperava, e como se impunha, fora do julgamento.
Fica, sobretudo, a satisfação por ainda podermos confiar na nossa Justiça.
Um grande dia para o Glorioso, mas também um grande dia para a Justiça portuguesa e para o próprio país.
Agora, impõe-se que todos aqueles que idealizaram, criaram e alimentaram esta situação, paguem  bem caro pelo que fizeram. É o que falta para a Justiça terminar o seu trabalho, e, então sim, podermos orgulhar-nos de viver num verdadeiro Estado de Direito.

A SELECÇÃO DE QUEM?

Há quem me poupe trabalho, sobretudo em altura de selecções.
O Universo Benfiquista escreveu tudo aquilo que eu tinha para dizer sobre a selecção portuguesa e as opções de Fernando Santos.
Descontando uma certa antipatia pelo craque da Juventus, a qual não partilho, tudo o resto é exactamente aquilo que penso.
Um treinador que coloca José Fonte em vez de Ferro, que deixa João Félix no banco (por maior simpatia que tenha por Gonçalo Guedes, caramba!), que joga com dois trincos cerrados, como mais nenhuma grande equipa portuguesa ou europeia, que insiste em Moutinhos e companhia, não merece a felicidade que tem tido.
Seja como for, venha mais uma vitória. Nós não temos culpa, e eu gostaria de ver Portugal no Europeu, se possível para repetir 2016 - coisa em que, manifestamente, e infelizmente, não acredito.

NINGUÉM ENTRA, NINGUÉM SAI - Assim é que eu gosto.

Excelente abordagem ao mercado por parte do Benfica, ignorando-o.
O último dia foi ...apenas uma segunda-feira. E o plantel ficou fortíssimo, com as permanências de 10 dos 11 titulares da época passada (em relação a Félix não havia nada a fazer que não recolher os 126 milhões), de todas as restantes pérolas da formação, e de vários jogadores de qualidade confirmada que ainda podem vir a ser úteis, como por exemplo Fejsa, Zivkovic ou Cervi.
A única contratação por fazer creio que terá sido a de um segundo avançado, mas o jovem alemão equacionado tinha preço demasiado alto, e comprar por comprar também não valeria a pena.
Quando Seferovic começar a marcar, quando RDT mostrar o que vale, quando Jota se afirmar, quando Gedson, Gabriel e Chiquinho recuperarem das lesões, este Benfica, pelo menos no plano interno, poderá ser novamente imparável.
Entretanto, do outro lado da rua, viu-se uma autêntica feira, com múltiplas entradas e saídas aparentemente sem qualquer critério. Enfim, problema deles.

REGRESSO À NORMALIDADE

Mesmo com um Braga deveras cansado, vencer 0-4 na Pedreira não é para qualquer equipa.
O Benfica marcou quatro, como podia ter marcado sete ou oito (Oh Seferovic, Meu Deus??!?!?!). E a vitória jamais esteve em causa.
Foi um regresso à normalidade, depois de um "Clássico" que se espera ter sido um mero acidente.

GRUPO TRAIÇOEIRO

O Zenit veio a calhar. Mas como, para mim, o pote 4 era bem mais importante que o 1, e aí a hipótese Leipzig era a pior de todas, não me parece que este tenha sido um bom sorteio.
Pode dar para passar em primeiro, mas também para ficar em último. Eu prefiro grupos que garantam a Liga Europa, e a disputa do segundo lugar.
Mas os sorteios são o que são e não aquilo que queríamos que fossem, pelo que o Benfica só tem de puxar por si e tentar o apuramento. 

DESCIDA A TERRA

Se houvesse uma aula para explicar detalhadamente, uma por uma, todas as fragilidades da equipa do Benfica, este clássico poderia ser suficiente.
Conceição conseguiu, por um lado, manietar os movimentos interiores de Rafa e Pizzi, por outro, pressionar e empurrar Samaris e Florentino para trás, isolalando totalmente os dois pontas de lança e entregando-os docemente à marcação dos centrais, destapando assim um enorme buraco na zona de construção - onde não havia, nem há, um Jonas ou um Félix.
Assim, o Benfica viu-se forçado a adoptar um jogo directo e pelo ar, aspecto em que, tanto Seferovic como RDT são particularmente deficitários.
Anulando o futebol ofensivo encarnado, os dragões apenas precisaram de explorar as proverbiais debilidades na transição defensiva, e o espaço concedido nas costas dos laterais, doenças de que o Benfica padece desde os tempos de Jorge Jesus, para se imporem com alguma naturalidade, e alcançarem uma vitória justa.
Foi um jogo, o campeonato é ainda uma criança, e poucas equipas da liga portuguesa serão capazes de questionar deste modo o Benfica de Lage.
Mas ficou claro que, para ter alguma ambição europeia, esta equipa ainda precisa de algumas coisas, como desde logo reforçar a sua defesa, ou pelo menos a forma como defende, e encontrar um novo número dez, ou nove e meio (Jota?). 

JACKPOT

Subida para o pote 2.
Evitar Real, Atlético, Dortmund e Tottenham no sorteio .
Mais quase 2 milhões de receita.
Todos os jogos em canal aberto.
Nunca uma derrota europeia do FCP teve tantas virtudes.
Obrigado Krasnodar! 

CHAPA 5

Sporting ou Paços. O tratamento é o mesmo.
Como diz o título da crónica de A Bola, "o campeão voltou e não está para brincadeiras".
E, como na Supertaça, nem foi preciso jogar muito. Algumas acelerações, e... tau.
É assim o Benfica de Lage, e cada vez mais parece imparável. Pelo menos em Portugal. 

GANHAR!


A VERDADE SOBRE BRUNO FERNANDES

Propostas daqui, propostas dali. Disputado por Manchester United, por Tottenham, por Real Madrid e pelo Resto do Mundo. Mas Frederico Varandas, intransigente na defesa dos interesses do clube, só vende acima de 70 Milhões.
Esta é a versão-novela, que alimenta jornais.

A verdade é outra: Manchester United, Manchester City e Real Madrid jamais apresentaram qualquer proposta pelo jogador. E o Tottenham foi o único clube que mostrou real interesse, avançando com 45 milhões - valor bastante justo, digo eu.
Varandas, e os sportinguistas, meteram na cabeça que, se João Félix foi vendido por 126M, Bruno Fernandes, que acham ter igual valor, não poderia sair por muito menos. É o que eles acham. Até poderá ser também o que a Liga achou, quando o escolheu como melhor jogador nos dois últimos campeonatos, esquecendo-se, primeiro de Jonas, e depois de Félix, Pizzi e Rafa. 
O mercado não mente, e é óbvio que um jogador de 19 anos, com o talento de João Félix, tem uma margem de progressão incomparavelmente maior. E um preço em consonância.
Bruno Fernandes, à beira de completar 25 anos, não é melhor jogador do que Rafa. Nem do que Pizzi. E não chegava aos calcanhares de Jonas. Suspeito também que João Félix, aos 25 anos, seja incomparavelmente superior. A diferença é que Bruno é a super-estrela no seu clube, onde não há mais ninguém a brilhar. Fosse Rafa do Sporting, e Varandas pediria 200 milhões, perante gritos de "Bola de Ouro!" dos mais entusiásticos adeptos.
Cada macaco no seu galho: Bruno Fernandes é o melhor jogador do...Sporting, clube que há quase vinte anos não é campeão, que nos últimos onze só esteve na Champions League três vezes, nunca passando a fase de grupos. E acaba de levar cinco na Supertaça.

As coisas são o que são, e lá por os sportinguistas, e, vá lá, a generalidade dos portugueses, acharem que o Sporting é um grande, no mercado internacional não passa de uma espécie de Maribor. E a bitola de Bruno Fernandes é considerada dentro dessa mediania, para não escrever outra coisa.

TORNEIOS DE VERÃO - a propósito da ICC

Outrora bastante prestigiados, os torneios amigáveis de verão (“Veraniegos” em Espanha) foram, sobretudo a partir dos tristes anos noventa, perdendo um pouco da sua aura.
Enquanto no passado eram momentos para exibir forças e rotinar estratégias em equipas já absolutamente definidas, no presente, com os mercados abertos e os plantéis em ebulição, tornaram-se simples desfiles com dezenas de jogadores em ritmo de passeio.
A International Champions Cup, com cartazes de luxo, é uma tentativa de adaptar o carisma do passado às vicissitudes do presente. Rodam-se jogadores, mas a força dos emblemas convidados, o mediatismo crescente, as transmissões televisivas para todo o mundo, os generosos prémios monetários, e o facto de ser disputado preferencialmente em zonas de mercado onde o futebol de elite durante a temporada não chega, fazem com que a ICC seja já bastante mais do que um simples torneio amigável, e caminhe para o grau de prestígio deveras considerável.  
A este propósito, e uma vez que o Benfica inscreveu o seu nome na lista de vencedores (bem acompanhado por Real Madrid, Manchester United, PSG, Barcelona e Tottenham), segue um quadro com os vencedores dos vinte principais torneios particulares de futebol – alguns deles já extintos, outros com formatos diferentes, sempre com um olhar naturalmente português.

Clique para aumentar


TOTAL DE VITÓRIAS NOS 20 PRINCIPAIS TORNEIOS

As 19 vitórias do Benfica: 1 International Champions Cup, 2 Ramon Carranzas, 1 Teresa Herrera, 1 Torneio de París, 1 Torneio de Amesterdão, 1 Taça Ibérica, 1 Torneio de Vigo, 3 Eusébio Cups, 5 Torneios Guadiana, 3 Torneios Cidade de Lisboa.

COMO ERA ELE NA ESCOLA?


Setembro de 2016: Miguel Albuquerque agride jogador de Futsal do Benfica, sendo suspenso por 16 meses.
Março de 2019: A esposa de Miguel Albuquerque foi agredida no Dragão Caixa, após violenta troca de palavras entre o marido e elementos afectos ao FC Porto.
Maio de 2019: Miguel Albuquerque é julgado em tribunal por violência doméstica após queixa da ex-mulher.
Agosto de 2019: Miguel Albuquerque diz ter sido agredido por 15 elementos afectos ao Benfica (por nada? por ser do Sporting? é assim tão conhecido das massas?).

As conclusões tire-as o leitor.

TOP 10 GOLEADAS EM DÉRBIS


ESMAGADOR

As diferenças entre Benfica e Sporting ficaram bem expressas no resultado, e na exibição dos dois conjuntos, na partida que valeu o primeiro troféu oficial da época aos encarnados.
Não há, neste momento, comparação possível entre os dois plantéis, podendo dizer-se que, estivessem Pizzi ou Rafa no Sporting, e o ídolo por lá era outro.
É verdade que ao intervalo o marcador de 1-0 reflectia um desafio equilibrado, embora sempre com sinal mais positivo da equipa de Bruno Lage. Na segunda parte, com o avolumar do resultado, veio ao de cima toda a fragilidade física, psíquica e futebolística dos de Alvalade, e não fosse o desperdício em mais do que uma ocasião e estaria vingado o 7-1 de 1986.
Os destaques individuais vão para Pizzi, Rafa, mas também Vlachodimos (na primeira parte), Gabriel, Florentino e Ruben Dias. O jovem Nuno Tavares tem grandes qualidades, mas procura constantemente o pé esquerdo, o que, naquele flanco, lhe retira alguma capacidade de fazer a diferença, sobretudo em acções ofensivas.
Do lado do Sporting, foi lamentável assistir a mais um episódio de humilhação dos atletas, forçados a enfrentar os insultos de um grupo de pseudo-adeptos, que pelos vistos continua a ter bastante poder naquelas bandas. As claques são o cancro do Sporting, mas eles ainda não perceberam. É para o lado que dormimos melhor...
Nota ainda para a alegada agressão ao director das modalidades do Sporting. Ninguém sabe o que se passou, mas aquele indivíduo já foi "agredido" demasiadas vezes, o que não deixa de causar algumas interrogações. Uma delas: será que é verdade? Outra: a ser verdade, porque motivo lhe batem tanto, e em tantos locais diferentes? Aceitam-se apostas.

BOLA QUADRADA

Benfica-Sporting em 1948: Azevedo agarra a bola perante Espírito Santo e Corona.

PONTO DE SITUAÇÃO

Com os regressos de João Ferreira, Pedro Álvaro, Nuno Santos e Tiago Dantas à Equipa B (David Tavares acabará, penso, por ter o mesmo destino), e com o mais do que provável empréstimo de Jhonder Cadiz (ao Belenenses ou para espanha), o número de jogadores à disposição de Bruno Lage passa para 27 (conforme quadro).
A aquisição de Waldschmidt parece ter ficado para outras núpcias, e assim, a não sair ninguém fundamental, não creio que chegue mais qualquer contratação de campo. Laterais serão da formação (ainda há Tomás Tavares, da selecção de Sub-19), conforme exige Vieira, e a ingressar alguém só talvez por troca entre Svilar (eventualmente emprestado) e um guarda-redes mais experiente para discutir a titularidade com Vlachodimos.
De forma a chegar aos 23 jogadores que o técnico encarnado pretende, e dado que Caio Lucas, Nuno Tavares e Taarabt fizeram uma boa pré-época, creio que Fejsa, Zivkovic, Cervi e talvez Chiquinho (a alternativa seria Conti, passando o quarto central a ser Pedro Álvaro que se manteria na B), deverão ser os dispensados - e ao longo do mês de Agosto serão colocados à melhor oferta de mercado. Haverá ainda a hipótese de Ebuehi integrar este lote, regressando ao grupo principal um de dois jovens já mencionados: João Ferreira ou Tomás Tavares.
O plantel definitivo de 23 ficaria então assim:
Odysseas, guarda redes a contratar, Zlobin / A.Almeida, Ferro, Ruben, Grimaldo, T.Tavares, Jardel, Conti, N.Tavares / Samaris, Gabriel, Pizzi, Rafa, Florentino, Gedson, Caio, Taarabt / Seferovic, RDT, Vinicius, Jota
Esta análise é feita com base no que eu acho que vai acontecer. Não necessariamente no que eu gostaria que acontecesse. Eu não ficava, por exemplo, com Taarabt - que ainda vai ter de fazer muito mais para limpar a péssima imagem deixada nos primeiros anos de contrato.

MUITO PARA CORRIGIR

O Benfica ganhou ao Milan, e até pode vir a ganhar o prestigiado torneio - basta que Manchester United não vença, por três ou mais golos, esta mesma equipa italiana em Cardiff, no próximo Sábado.
Mas independentemente dos bons sinais que o conjunto de Bruno Lage deu em alguns parâmetros, nota-se ainda uma permeabilidade defensiva que Vlachodimos, e as barras da sua baliza, nem sempre serão capazes de resolver.
O Benfica cria vários lances de perigo (sem João Félix, e sem Jonas, mas pelas alas do que pelo centro), mas quando perde a bola treme ainda bastante - quer seja pela má colocação das suas unidades, quer seja pela pouca propensão defensva de todos os extremos, quer pela inexperiência, ora de Ferro, ora de Florentino, ora de Nuno Tavares, menos de Ruben Dias, diga-se. E no meio, Gabriel precisa claramente de perder uns quilinhos.
Há uma semana de trabalho pela frente. Mas seria pena que uma equipa tão empolgante no plano ofensivo acabasse por se deixar comprometer devido a debilidades defensivas - que talvez não se resolvam sem a contratação de, pelo menos, um grande lateral.
Mais do que no guarda-redes - que, como uma vez mais se viu, é excelente - é nos corredores que a equipa encarnada é mais permeável.

NÚCLEO DURO

VLACHODIMOS
ANDRÉ ALMEIDA
RUBEN DIAS
FERRO
GRIMALDO
JARDEL
SAMARIS
GABRIEL
PIZZI
RAFA
FLORENTINO
GEDSON 
JOTA
SEFEROVIC
RDT
VINICIUS

16 nomes. Nenhum destes 16 poder sair. A partir destes deverá ser construída a versão final do plantel, com 23, 25, 20 ou o número que Lage achar melhor.
Se estes 16 se mantiverem, independentemente de quem sejam os outros 5, 6, 7 ou 8, isso deverá chegar para o Benfica ser o grande favorito ao título 2019-20. 

PREPARADOS!

Mais um jogo, mais uma vitória. O onze base parece cada vez mais estabelecido, devendo ser o da figura acima (se houver dúvidas, elas residirão apenas na escolha entre Florentino e Samaris). O entendimento entre RDT e Seferovic cresce a olhos vistos, não se sabendo como vai aqui encaixar Carlos-dezassete milhões-Vinicius.
Boas indicações também de Nuno Tavares, mesmo que por vezes tenha de mudar de pé a meio dos lances - trata-se, afinal de contas, de um esquerdino.
Está tudo bem? Não. Algumas das fragilidades que nem a época passada conseguiu esconder, permanecem visíveis, e poderão custar caro, nomeadamente em jogos da Champions ou contra outros candidatos ao título: transição defensiva e permeabilidade no jogo aéreo, por exemplo.
No Domingo joga-se a última partida da pré-época, e uma vitória diante do Milan pode vir a significar a conquista da International Champions Cup. Vale o que vale.

REFORÇOS!

O primeiro jogo do Benfica na Champions Cup mostrou boas movimentações, e mostrou que Raul de Tomás, assim como Caio Lucas, são mesmo reforços.
O espanhol é um ponta-de-lança nato, que será certamente titular - ou ao lado de Seferovic, ou mesmo sozinho. O brasileiro foi titular pela quarta vez em quatro jogos, evidenciando que tem qualidade mais do que suficiente para integrar o plantel, e ser solução alternativa para qualquer uma das alas.
De resto, a equipa parece em crescendo, e se não sair nenhum dos habituais titulares, será seguramente a maior favorita à conquista do título.

NEM PENSAR!

Em 2015, lesão no ombro (4 meses parado); em 2016 rotura de ligamento cruzado do joelho (mais 4 meses parado); em 2017, nova rotura do ligamento cruzado do joelho (quase 6 meses parado); em 2019, nova lesão no ombro (paragem de 8 meses).
Ora Mattia Perin até poderia chamar-se Manuel Neuer ou Thibaut Courtois. Com este palmarés clínico, nem pensar em investir sequer um cêntimo. 
É lamentável pelo atleta (que é a principal vítima das circunstâncias), mas o Benfica não é uma IPSS, nem tem nada a ver com o assunto.
Aliás, nem precisa de guarda-redes. E se for para continuar a procurar um, que seja Kevin Trapp - matavam-se dois coelhos de uma só cajadada.

JOGOS PARTICULARES - Última década

47v 18e 24d

OBRIGADO TOTO! TAMBÉM ÉS UMA LENDA!

Percebo a necessidade de vender Salvio devido ao elevadíssimo salário, e à menor utilização na última época  (das 34 jornadas do campeonato apenas foi titular em seis, nenhuma delas desde a oitava). Mas nem por isso esta saída deixa de configuar uma forte baixa no plantel, pois Toto Salvio é um extraordinário jogador, que muito deu ao Benfica, e, com 28 anos, ainda muito poderia vir a dar.
É um jogador maduro, experiente, excelente profissional, ganhador, e talhado para os grandes momentos. O Benfica deve-lhe muitas vitórias, e foi juntamente com Luisão, Jonas, Gaitán, Aimar e Cardozo, uma das grandes referências do clube nesta última e brilhante década.
É com grande mágoa que o vejo partir por tuta e meia, e de algum modo pela porta de trás. Algo que não merecia.
Os quadros abaixo demonstram aos mais esquecidos o que conseguiu Salvio durante as oito temporadas que equipou de águia ao peito. De notar que não é ponta-de-lança:






OS 23

Com as saídas de João Félix e Jonas, falta claramente ao Benfica um homem de ligação entre meio-campo e frente de ataque. Não será com certeza Taarabt (estar mais magro não chega, pois não?), e duvido que venha a ser Chiquinho (ao qual aconselharia novo empréstimo). Em vez de Pedro Neto e Perin, que não fazem falta nenhuma, venha sim um avançado de créditos firmados.
Um lateral direito também talvez fosse boa ideia, agora que a opção Salvio se esfumou. Coloco nos 23, à condição, o jovem João Ferreira, que tenho de ver melhor - tal como Tiago Dantas, que parece ter habilidade, mas com uma morfologia física assustadoramente frágil. 
Entretanto, após as saídas de João Félix, Jonas, Salvio, Krovinovic e provavelmente Fejsa e Zivkovic, espero que a sangria pare. Já é qualidade demais a fugir do plantel, e os jovens ainda não dão garantias.
O Benfica pode partir como claro favorito à conquista do título. Só precisa de não fazer parvoíces na gestão do plantel.

BOAS SENSAÇÕES

Pese embora a fraca oposição, golear é sempre saboroso. E ver os avançados marcar é importante para dar confiança.
No plano individual é cedo para tirar conclusões. Mas Caio Lucas parece ter qualidade suficiente para integrar o plantel, e Conti merece uma segunda oportunidade.
PS: Espero que a eventual chegada de Perin não signifique a saída de Vlachodimos, guarda-redes que aprecio, tem margem de crescimento, e está perfeitamente à altura da baliza do Benfica.

CONCLUSÕES? NENHUMA!

Que dizer de um jogo em que são utilizados 29 jogadores, alguns com menos de uma semana de preparação? Nada.
Apenas um momento de trabalho para Bruno Lage, e a emoção na despedida a Jonas - que já deixa saudades.
Ainda assim arriscaria deixar nota positiva para Chiquinho, Nuno Tavares e, em certa medida, Caio Lucas. Poderia salientar ainda a muito má forma de Raul de Tomás (demasiado peso, pouca mobilidade), e a urgência na contratação de um substituto à altura de Jonas e João Félix, para o lugar de apoio ao ponta-de-lança.

GOLOS, GOLOS E MAIS GOLOS - ISTO É JONAS!

A minha homenagem ao melhor jogador do Benfica dos últimos 30 anos:

Os primeiros 100

Os de 2017-18

Os melhores 5

UM JOGO COM HISTÓRIA


PARA QUÊ?

O emblema do Benfica é bonito, tem história e tradição. É reconhecido internacionalmente. Para quê mudar?
Não consigo entender estas ideias do marketing moderno, que parecem querer constantemente apagar o passado em nome de um qualquer futuro que nem eles entendem. Quem teve a ideia? A Adidas? A direcção comercial? Qual o argumento? Quem comprará mais camisolas por ter um símbolo conforme os ditames dos livros de marketing americanos?
Por mim, a única mudança que aceito é a colocação de duas estrelas (dos dois títulos europeus) em vez de três.
E se querem mudar mais alguma coisa, mudem o hino, recuperando o "Avante Benfica", esse sim o hino original do clube.

OS MELHORES DO SÉCULO - votação encerrada





Os leitores escolheram, está escolhido!
Jonas é o melhor jogador do Benfica do século XXI, tendo alcançado uma percentagem de 41% dos votos contados.
Boa escolha, diga-se. E boa companhia também, com Pablo Aimar, Simão Sabrosa, óscar Cardozo e Capitão Luísão nas posições seguintes.
Obrigado a todos os que votaram.
Viva o Benfica!

ESTÁ BEM ASSIM!

Obviamente, o avançado a contratar, além de Raúl de Tomás, terá de ser de qualidade.
O terceiro guarda-redes seria o titular da equipa B.

PARA MANTER



Já vai sair Félix. Já vai sair Jonas.
É verdade que Jardel, Fejsa e Salvio perderam espaço para jogadores mais jovens. Mas não creio que a construção do plantel do Benfica se possa basear apenas nos desempenhos de seis meses.
Jardel é capitão de equipa. Fejsa era indispensável há apenas oito meses atrás. Salvio tem 28 anos e é internacional argentino, para além de ser o melhor goleador do plantel em actividade (já descartando Jonas). Nenhum vale no mercado o dinheiro correspondente à importância que ainda têm na Luz.
Há cinco competições em disputa ao longo da temporada. O plantel não é de onze, e a experiencia é importante para enquadrar os jovens.
Que não haja precipitações: Jardel, Fejsa e Salvio são para manter!
Já agora, tal como o guarda-redes Vlachodimos.

NÚMERO TOTAL DE TÍTULOS -3 grandes

Clique para aumentar

MODALIDADES 18-19


Os títulos conquistados no Voleibol e no Futsal acabaram por deixar uma marca de sucesso na temporada das nossas modalidades. Nas cinco principais, foi a 19ª vez que alcançamos dois títulos absolutos, sendo que apenas em duas ocasiões fizéramos melhor –2012, Hóquei, Basquete e Futsal; e 2015, um recorde, com Hóquei, Basquete, Futsal e Voleibol.
É preciso lembrar que, de então para cá, não só assistimos - ultrapassada a crise económica - ao recuperar da competitividade de algumas equipas ancoradas em orçamentos de empresa ou autarquia (de entre as quais a Oliveirense será o caso mais paradigmático), como vimos o nosso vizinho e rival despejar dinheiro em cima das suas modalidades, formando plantéis bem acima das realidades do mercado português – que, como sabemos, hipervaloriza o Futebol, ignorando quase tudo em seu redor.  Temos também um FC Porto a centrar o seu investimento, sobretudo, no Hóquei e no Andebol, mantendo assim elevado nível competitivo nessas duas frentes.
É hoje, pois, mais difícil ganhar do que há uns anos atrás. E como o dinheiro não estica, teremos de ser cada vez mais inteligentes e certeiros na gestão das dotações, sob pena de ficarmos atrás de um aqui, atrás de outro ali, e atrás de um outro acolá. Teremos, por exemplo, de ser extremamente criteriosos na contratação de atletas estrangeiros que, ou chegam para fazer a diferença, ou estão a mais.
Uma palavra final para o sector feminino que, Basquetebol à parte, cumpriu praticamente todos os objectivos da época, tendo a partir de agora novos desafios, com Futebol e Andebol a atingirem o escalão principal.

OBRIGADO!

É a palavra que me ocorre em relação a João Félix. Poderia também dizer "Boa Sorte", ou "Até Já".
Trata-se de um jovem que, aos 15 anos, quis sair do FC Porto para vir para o Benfica, e pouco tempo depois, com apenas seis meses de equipa principal e um saboroso título (para o qual contribuiu bastante), rende um valor recorde de 120 milhões aos cofres da Luz.
Que tudo lhe corra pelo melhor, e um dia ainda possa regressar - já com uma Bola de Ouro na bagagem.

O MELHOR JOGADOR DO CAMPEONATO

Não terá o talento de João Félix, nem a história de Jonas, nem a eficácia de Seferovic, nem a regularidade de Pizzi, nem o carisma de Samaris. Mas, no balanço global da última temporada, o jogador que mais se destacou no Benfica foi, quanto a mim, Rafa.
Foi o melhor em campo no Porto, em Braga e em Vila do Conde. Também com o Portimonense na Luz - jogos em que marcou golos muito importantes. Foi decisivo na recta final da prova, espalhando magia e fazendo lembrar...Chalana.
Marcou 17 golos na Liga, sendo o terceiro da lista dos artilheiros.
Acaba de renovar contrato até 2024. Que boa notícia!

PORTUGAL OLÉ!

A Liga das Nações, sendo uma competição nova, terá ainda de fazer o seu caminho.
O próprio Europeu começou com pouca pompa e uma final-four semi-clandestina (Portugal, então, só via fases finais pela TV e a preto e branco). E até o primeiro Mundial, em 1930, teve participações por convite, e muitas selecções a desistirem por causa da longa viagem.
Nestes casos há sempre muita gente a desvalorizar vitórias, mesmo quando seríamos nós, portugueses, os mais interessados em dar-lhe luz.
Pois a Equipa das Quinas venceu, sem espinhas, uma prova onde, recordo, também estavam França, Alemanha, Espanha, Itália, Bélgica e Croácia, além dos quatro finalistas. Ou seja, onde estavam todas as principais selecções do continente. Foi, portanto, uma grande vitória, não igual à do Europeu, mas quase.
Fernando Santos não é o melhor seleccionador do mundo - eu sou dos que custa a entender algumas das suas opções -, mas é certamente o mais feliz, e os resultados falam por ele. Já lá vão dois títulos. Os únicos no escalão sénior do país.
Parabéns a todos! Viva Portugal!

COMEÇA A FAZER-SE JUSTIÇA



A máfia da pirataria informática, responsável pelo maior embuste comunicacional dos últimos anos, começa a pagar pelo que fez.
O melhor ainda está para vir...