07/11/17

FINALMENTE ALGO DE NOVO

Mau grado Joaquim Rita (SICN) ter qualificado a exibição do Benfica em Guimarães como medíocre, a mim pareceu-me bem melhor do que a maioria dos jogos do passado recente. Consistência, solidez e eficácia foram os três atributos que levaram os encarnados a uma vitória relativamente tranquila num dos terrenos mais difíceis do campeonato.
Descontando o facto de este adversário ser aquele com o qual o Benfica realizou os seus melhores jogos no ano civil de 2017 (6 partidas, 6 vitórias, 17-2 em golos, e boas exibições em casa e fora), a verdade é que a entrada de mais um médio (neste caso Krovinovic, como poderia ter sido Samaris, ou Filipe Augusto, ou dois deles descansando Pizzi) deu bastante equilíbrio a um colectivo que começada a mostrar-se esgotado.
Se isto há muito tempo era óbvio, já a performance de Jonas actuando sozinho na frente terá sido uma boa surpresa. Foi o melhor em campo, jogando a "nove", posição em que, até ao momento, raramente havia sido feliz. Aliás, a insistência até à náusea no 4-4-2 terá sido, em parte, motivada por uma tentativa de melhor aproveitamento do craque brasileiro. 
É claro que, jogando em casa, contra adversários fechados, faltará peso na área (Jimenez ou Seferovic). Aí o terceiro médio cairá. Mas para os confrontos decisivos do Dragão e de Moscovo, parece-me que a fórmula ideal está encontrada (eventualmente com a entrada de Grimaldo para o lado esquerdo da defesa).
Já agora, o patinho feio André Almeida realizou, também, uma excelente partida, enquanto Svilar voltou a mostrar alguma verdura - mais cedo ou mais tarde, temo que o recurso a Júlio César venha a ser inevitável.
Já Ruben e Diogo estão de pedra e cal, e a continuar assim arriscam presença no Mundial da Rússia. E no caso do central, bom jeito dará à equipa das Quinas.

2 Comments:

Anonymous Anónimo said...

O Joaquim Rita só fica extasiado com as extraordinárias vitórias morais do tipo das do Sporting em Madrid, Dortmund e Turim. O que é isso do Benfica ganhar em Guimarães?

O Ruben Dias podia tornar-se o melhor central do mundo nestes 6 ou 7 meses até à convocatória para o Mundial da Rússia que ainda assim não teria hipótese de ser convocado. Percebe-se o eng. Santos, com centrais como o Neto e sobretudo o Bruto Alves, quem iria convocar o puto?
O mesmo se passa com o Diogo Gonçalves. Hipóteses de convocação = 0.

Aliás, jogadores do Benfica convocados só mesmo depois de terem saído do Benfica há tempo suficiente para esquecer-se a sua origem.
E claro, aqueles casos em que seria escandaloso demais não os convocar.

Vieira

7.11.17  
Blogger No.Worries said...

A exibição de Jonas se foi surpresa foi só para alguns... relembro o que aqui escrevi no post intitulado "com pena(s)...": "O Jonas é só (se não tiver lesões) o melhor jogador a jogar em Portugal. Deixá-lo no banco mesmo que seja para jogar só com um avançado devia ser considerado crime. Ou alguém acha que mesmo não sendo um ponta de lança fixo não faria melhor que Raúl?".
Se jogarmos com dois avançados Jonas tem que jogar. Se jogarmos em 4-3-3 como em Guimarães (e em Manchester) o Jonas tem que ser o jogador mais adiantado. É muito melhor que os outros.
Concordo que na grande maioria dos jogos em casa (e em alguns jogos fora da liga portuguesa) se deva regressar ao 4-4-2. Mas é perfeitamente possível ter estes dois sistemas trabalhados e adaptá-los mediante os adversários (e os estádios) sem que os jogadores os estranhem. Estes últimos dois jogos também devem ter servido de lição para Rui Vitória na utilização do Samarais, que praticamente só joga quando Fejsa não está, mas é bem possível e compatível ter os dois em campo ao mesmo tempo. E acredito eu que os dois em simultâneo servirá tanto para jogar com dois médios à frente da defesa (ficando Samaris e Fejsa lado a lado), como tendo Samaris á frente de Fejsa, com outro médio (mais ofensivo) ao seu lado.

7.11.17  

Enviar um comentário

<< Home