06/03/15

CANTIGAS DE ESCÁRNIO


À medida que nos vamos aproximando da fase decisiva da temporada, é cada vez mais sonoro o ruído provocado pela única, e já clássica, aliança verdadeiramente existente no futebol português: a que congrega FC Porto e Sporting, num afinado ataque ao Benfica.

De um lado, aqueles que durante décadas beneficiaram de arbitragens protectoras em troca de viagens ao Brasil, de favores de prostitutas, de promoções na carreira, de aconselhamento matrimonial, ou – quando tal não se revelava suficientemente cativante – de manobras de intimidação à moda siciliana. Crimes cujo castigo ficou vedado por meras incidências processuais, mas que jamais irão cair no nosso esquecimento.

Do outro lado, o queixume próprio de quem nada ganha há longos anos, de quem sempre se colocou em bicos de pés na tentativa reiteradamente frustrada de se sentir à altura do odiado vizinho e rival, e de quem tem a necessidade crescente de encobrir desilusões próprias atirando lama para cima dos triunfos alheios. Enfim, uma lamúria antiga e bem conhecida.

Um canto que não era canto – era penálti…. Um cartão vermelho que, objectivamente, ninguém ousa contestar. Um lance dividido, mas limpo, na área do Benfica. Três momentos do jogo de Moreira de Cónegos cujo benefício extra-desportivo para o Benfica foi nulo, mas que, ainda assim, serviram de arma de arremesso no âmbito do futebol falado e escrito, devidamente misturados num ressequido bolo de mistificação e embuste.

A razão para a gritaria é só uma: o medo de ver o Benfica sagrar-se novamente campeão nacional.

O objectivo é simples: pressionar as arbitragens dos próximos jogos, para assim tentar impedir que esse temido desfecho se torne realidade.

A resposta será dada dentro do campo. E também nas bancadas, onde a nossa voz se fará ouvir mais alto que todas as tentativas de desestabilização de que seremos alvo até ao fim deste campeonato.

Estamos todos convocados. Cada jogo uma final, cada lance uma vida. E um título à distância da nossa união e vontade de vencer.