09/12/14

TUDO PELO TÍTULO!


Se, no início da temporada, o Campeonato já era apontado como o principal objectivo do nosso futebol, depois da eliminação europeia não resta nenhuma dúvida acerca de onde concentrar energias.

Não é a primeira vez que o Benfica sai cedo da cena internacional. Recordo que nem mesmo Eusébio e seus pares evitaram algumas eliminações prematuras, como por exemplo em 1964 ou em 1967 – anos em que os encarnados não resistiram à segunda eliminatória. Mais tarde, muitos se recordarão de um Aris de Salónica, de um FC Liegeois ou, pior ainda, de um Celta de Vigo. Nem só de glórias se escreve a história de qualquer grande clube.

A novidade é que, com duas finais, uma meia-final e dois quartos-de-final em cinco anos (que valeram o brilhante 5º lugar no ranking da UEFA), ficámos mal habituados. E esta época, tudo correu mal. Desde o sorteio, ao fatídico primeiro jogo em casa, seguido de uma arbitragem hostil na Alemanha, de pecados de concretização no Mónaco e na Rússia, e de resultados inesperados noutros jogos do nosso grupo – que levaram a que eventuais 7 pontos não cheguem, sequer, para sonhar com um 3º lugar.

O que lá vai, lá vai. Agora importa concentrar todas as forças naquilo que há para conquistar, e que é…quase tudo. Quem comanda isolado o Campeonato com 9 vitórias em 11 jogos, quem mantém as aspirações na Taça de Portugal e na Taça da Liga, e já guarda a Supertaça na bagagem, só pode estar confiante numa temporada triunfante.

O grito “nós só queremos Benfica campeão!” nunca fez mais sentido. É, de facto, esse o nosso desígnio. Há que fazer de cada jornada uma final, e disputar cada lance como se fosse o último. Com o regresso dos lesionados (Sílvio, Eliseu, Fejsa e Ruben Amorim), o lote de opções aumentará. E sem o desgaste europeu, a capacidade física da equipa poderá manter-se a top.

Não nos falta nada. Temos jogadores, treinador, estrutura envolvente, motivação, um mar vermelho de milhões a apoiar. E agora também um calendário desanuviado.

Em Maio, estaremos no Marquês.