06/08/14

É SÓ FUMAÇA

Há um ano atrás, o Benfica perdia a Taça de Honra, tal como agora, perdia a Eusébio Cup, tal como agora, e perdia em Nápoles, tal como agora perdeu com o Marselha. A moral dos adeptos estava em baixa, e a comunicação social colocava Jorge Jesus a caminho da porta da rua, antecipando o caos. Depois, partimos para a melhor temporada futebolística das últimas décadas, coroada com a conquista do inédito “Triplete”, e com a presença em mais uma final europeia.
Em sentido contrário, todos nos recordamos de pré-temporadas altamente festivas, com vários triunfos em torneios amigáveis, aquisições sonantes, e encómios na imprensa, que mais tarde se derreteram em finais de época deprimentes, e em dedos apontados muito a torto e pouco a direito.
Não é preciso puxar pela memória para verificarmos quão enganadoras se revelam tantas vezes estas pré-temporadas, tal a inconsistência das suas promessas e ameaças. São importantes para o treinador e para os jogadores, como fases de um trabalho de preparação física e táctica. Não têm importância para mais nada, salvo para a satisfação da natural curiosidade dos adeptos em ver as caras novas do plantel, ou tão somente em apreciar os novos equipamentos.
Dia 10, em Aveiro, então sim, começará o futebol a sério. E uma semana mais tarde, iniciaremos, no nosso estádio, a defesa do título nacional tão brilhantemente conquistado há poucos meses atrás – competição que uma vez mais não poderá deixar de ser tida como a grande prioridade de todo o universo benfiquista.
Até lá, vemos jogadores que partem, jogadores que chegam, jogos-treino mais ou menos exuberantes, mais ou menos enfadonhos, cheios de substituições e erros, a ritmo de sandália, dos quais não irá rezar a história. E vemos uma equipa a preparar-se para enfrentar os mais difíceis desafios, com outras caras e outros nomes, mas com a mesma ambição de sempre.
Ser campeão da pré-temporada é título que bem podemos dispensar para outros. Queremos ser campeões, sim, mas em Maio, onde o 34º nos espera.