03/03/11

A CARTA A GARCIA

Quem esperava um dérbi muito desequilibrado, e apostava numa vitória folgada do Benfica (e a avaliar pelos comentários que se ouviam nas bancadas, não seriam poucos), talvez tenha ficado algo surpreendido com aquilo que se passou na Luz.
Não foi o meu caso, que, já com cerca de 100 dérbis no palmarés pessoal, sempre tenho muito respeito por estas ocasiões. Afinal de contas o Benfica não ia jogar com o Desportivo das Aves, mas sim com a equipa que está imediatamente atrás de si na classificação do campeonato, e que fazia deste jogo a tábua de salvação de toda uma época. É sabido que este tipo de partidas acarreta sempre uma imprevisibilidade muito própria, as equipas agigantam-se, e os resultados acabam por fugir às expectativas mais racionais. Acresce também que a recente mudança de treinador ameaçava trazer alguma revitalização ao leão moribundo, como de resto veio a verificar-se.
Jorge Jesus terá pensado da mesma forma, coisa que se percebe olhando para o onze inicial apresentado - sem quaisquer poupanças como aqui defendi, ao contrário do que a maioria da comunicação social conjecturava.
O jogo foi intenso, a pressão no meio-campo muito forte, e durante algum tempo o Benfica não mostrou argumentos físicos para lidar com ela da melhor forma, evidenciando um desgaste natural e expectável face à sequência de jogos a que a maioria dos seus principais jogadores tem sido submetida. O Sporting apareceu bem organizado, percebendo-se, pela primeira vez na temporada, uma ideia de jogo clara, equilibrada e consistente. Acabaria por prevalecer a maior qualidade individual e colectiva da equipa encarnada, mas há que reconhecer que um Sporting com esta cara não estaria certamente a passar pelos problemas que tem tido ultimamente, o que também prova a inabilidade de Paulo Sérgio em lidar com um plantel limitado, mas ainda assim claramente superior aos resultados produzidos.
O golo do Sporting surgiu com naturalidade, num momento em que o Benfica deixava fugir o controlo do jogo por entre os dedos. O empate (na sequência de mais um penálti falhado por Cardozo) traria uma tonalidade mais vermelha à partida, e ao intervalo a igualdade ajustava-se, tendo em conta o relativo equilíbrio entre a preponderância de uma e outra equipas no tempo de jogo.
O segundo período mostrou um Benfica de mangas arregaçadas em busca do seu objectivo. O futebol encarnado ganhou velocidade e critério, e o domínio do sector intermediário (onde Javi Garcia imperou), foi paulatinamente empurrando os leões para as imediações da sua área, onde se foram acantonando sem deixarem todavia de espreitar o contra-ataque e a hipótese de, num momento de felicidade, ganharem vantagem.
Pouco tempo antes de tudo se decidir, Roberto negou, na outra baliza, o golo a Matias Fernandez. Seria uma injustiça, mas muitas vezes é por esses mesmos caminhos que o futebol capricha em seguir.Quando, já em tempo de descontos, Javi Garcia deu então o triunfo ao Benfica, e fez explodir das bancadas da Luz, senti um suspiro de alívio. Confesso que as grandes penalidades - com o especialista Rui Patrício do outro lado - me deixavam alguma apreensão, até porque o efeito anímico de um empate caseiro, e da quebra da sequência vitoriosa precisamente num jogo a eliminar, poderiam fazer-se sentir nas pernas (e nas cabeças) de quem tivesse a responsabilidade de rematar. Não foi necessário passar por esse crivo, e no balanço do jogo pode dizer-se que ganhou a melhor equipa, mesmo sem que se tivesse superiorizado ao seu adversário com a exuberância que se vira, por exemplo, na partida de Alvalade. Viu-se, em suma, o melhor Sporting e um Benfica apenas razoável, sendo que, nesta altura, o primeiro não chega para vencer o segundo.
Individualmente destacou-se Javi Garcia, quer pelo golo, quer pela forma categórica como se impôs no meio-campo, sobretudo nos períodos de maior domínio encarnado. Franco Jara também entrou muito bem no jogo, acabando também ele ligado ao lance do golo da vitória.
No lado do Sporting André Santos, Matias e Hélder Portiga foram os jogadores mais em foco, se bem que a maior diferença da equipa face ao seu passado recente esteve na organização colectiva.
Quanto à arbitragem, há que dizer que o golo do Sporting é irregular (Hélder Postiga está ligeiramente deslocado no momento em que a bola sai dos pés de Matias), pelo que custa a entender a postura de José Couceiro nas suas declarações finais a propósito de um ou outro lance longe das balizas (velha escola…). De referir também que o tempo de compensação atribuído por Jorge Sousa no fim do jogo foi incompreensível – três minutos, quando se justificariam, no mínimo, cinco -, ainda que, talvez contra a sua vontade, esse tempo tenha chegado para que o golo aparecesse.
O Benfica espera agora adversário para a sua primeira final da temporada. Espera-se que outras se lhe sigam.

9 Comments:

Anonymous Vasco said...

Post muito bom

3.3.11  
Blogger Jotas said...

Contra factos, não há argumentos.

3.3.11  
Blogger Jotas said...

Javi é um jogador à Benfica, com uma alma e chama imensa, defende e corre como ninguém e ainda vai lá a frente para resolver, que senhor jogador.
Como disse no meu espaço, foi um derby de expectativa e ilusão, duas palavras parecidas, mas algo diferentes no seu conteúdo, expectativa, porque é um sentimento positivo de pensar que será desta? É hoje que vamos conseguir? e ilusão, porque acreditar que o Sporting poderia ganhar ao Benfica, não passa disso mesmo, uma ilusão, ou seja, o Benfica criou a expectativa, mas Javi matou a ilusão.

3.3.11  
Anonymous Peter said...

Mais uma deliciosa vitória nos momentos finais do jogo,o post diz tudo excepto uma coisa,apesar do lance do golo do postiga ser fora de jogo, o Roberto tem obrigação de fazer muito melhor,negou depois o golo ao matias,mas com a altura que tem o gr espanhol tem obrigação de fazer melhor, e já agora está na hora de ser outro jogador a marcar penalty´s,adoro o Cardozo mas esta época tem sido demais, ponha o Saviola a ver se ele ganha mais alma.

3.3.11  
Blogger Manuel said...

Javi estava descansado, ao contrário de outros jovens jogadores. Daí a diferença de rendimento entre um e outros.

Vamos a ver o que o Braga nos traz. Vai ser muito difícil, pois os jogadores criativos estão muito cansados, e os tipos de Braga estão descansados e motivados pela passagem.

3.3.11  
Anonymous Anónimo said...

ha sempre algo para criticar. agora é o tempo de compensação. podias falar dos 4 minutos exagerados dados no domingo passado, ams nao convem nao é?

3.3.11  
Blogger troza said...

Bem... tu dizes tudo mas eu sou obrigado a levantar esta questão:

Onde estão todos os lagartos que ainda juram a pés juntos que o golo do Luisão em 2005 é falta sobre o Ricardo? Não deviam estar agora a dizer o mesmo do golo do Postiga?

3.3.11  
Anonymous ulisses said...

permita-me discordar. O melhor em campo foi o coentrão.

4.3.11  
Anonymous Vitória do Benfica said...

Só um grande Benfica consegue ter capacidade para jogar desta maneira ao Domingo e à Quarta, podem dizer o que quiserem mas também se tem de atribuir muito deste Benfica a Rui Costa que soube desenvolver o LORD (Laboratório de Optimização do Rendimento Desportivo) sem isso mesmo com um treinador muito conhecedor da realidade do futebol nacional e um trabalhador incansável o Benfica não teria a performance que teve. Garantindo todas as frentes como não acontecia há já muitos anos. O Benfica tem garantido o segundo lugar no campeonato os oitavos de final(?) da Taça Europa as meias finais da Taça de Portugal e a final na taça da liga. Não há nehum clube entre os três chamados grandes nesta posição.

4.3.11  

Enviar um comentário

<< Home