17/03/10

PROCURAR A SORTE

Marselha na quinta-feira, FC Porto no domingo, duas competições, dois momentos diferentes, e muito pouco tempo a separá-los.
Com tão curta margem de recuperação, vai ser difícil a Jorge Jesus apresentar a equipa nos limites em ambos os jogos, pelo que tenho alguma curiosidade em conhecer a estratégia do técnico encarnado para este duplo compromisso. Por mim, digo desde já que se conseguir vencer pelo menos um destes dois jogos, na próxima segunda-feira sentir-me-ei um benfiquista feliz.
A prioridade do clube é o campeonato, e será ao Sp.Braga que o conjunto de Jesus terá mesmo de ganhar para cimentar definitivamente o seu favoritismo ao título. Mas isso não impede que, sobrando uma semana para preparar a recepção aos minhotos, o Benfica não encontre algum espaço para entretanto se entregar de alma e coração a estas duas competições. Até porque era bastante engraçado fazer uma espécie de dobradinha com a Taça da Liga, e muito mais engraçado seria poder prosseguir a campanha europeia até à final de Hamburgo.

Deixando o Sp.Braga para mais tarde, devo dizer que entre Liga Europa e Taça da Liga não hesitaria muito em optar pela primeira, mesmo tratando-se, no caso da segunda, de levantar já o troféu (e logo às custas do FC Porto). Se entre estes dois jogos pudesse pois escolher uma só vitória, ela aconteceria já em França, e passo a explicar porquê.
Além do prestígio internacional, a Liga Europa confere pontos para o ranking da UEFA (muito úteis na definição dos cabeças-de-série, e dos potes, para as próximas temporadas), e dá algum dinheiro (directamente através dos bónus, e indirectamente com as receitas de bilheteira). Mas o que mais irei lamentar no caso de o Benfica vir a ser eliminado (conforme infelizmente prevejo), é o facto deste plantel encarnado me parecer particularmente talhado para chegar longe numa competição internacional a eliminar. E quando digo chegar longe, estou a referir-me, obviamente, à final.
O Benfica tem jogadores experientes e de grande classe, capazes de protagonizar grandes momentos; tem-se revelado uma equipa imparável quando lhe dão algum espaço no meio terreno contrário; é quase imbatível em casa; e em contexto europeu, com bons e amplos relvados, frente a adversários empenhados em jogar um futebol ofensivo, Di Maria, Saviola, Aimar e companhia sentem-se como peixe na água. Estou assim em crer que, com uma abordagem diferente (por exemplo, o tudo por tudo que o enquadramento competitivo do Sporting agora lhe permite), o Benfica tinha condições únicas para, já nesta época, voltar a discutir um título europeu. Mas, felizmente o Benfica não está afastado do título nacional como o Sporting (lidera, pelo contrário, o campeonato, e tem de concentrar forças na sua conquista), e infelizmente não dispõe de uma vantagem de dez ou doze pontos como teve o FC Porto de José Mourinho há uns anos atrás, pelo que - e é este o drama - as circunstâncias não lhe permitem olhar para esta oportunidade europeia como ela justificaria.
Com um dia de sorte em Marselha, e uma vitória sobre o Sp.Braga que garantisse o conforto pontual necessário, o Benfica teria, então sim, melhores condições para enfrentar os quartos-de-final europeus com outra centralidade competitiva. Por isso, talvez esta partida de Marselha valha mais do que uma só eliminatória – e recorde-se que poderão ficar ainda em prova equipas como o Standard de Liége, Wolfsburgo, Lille e o próprio Sporting, o que, com um sorteio favorável, pode significar uma certa acessibilidade. Será todavia muito complicado vencer no Vélodrome.
Tanto quanto creio ser difícil arrancar a vitória em Marselha, também estou convicto que se o Benfica pudesse ter encarado o jogo da primeira mão como encarou, por exemplo, a partida do campeonato com o FC Porto em Dezembro, esta eliminatória estaria já resolvida. Acontece que havia jogo na Choupana algumas horas depois, e isso terá obrigado a equipa encarnada a entrar em campo com uma muito maior passividade, o que se veio a revelar fatal. A sorte também não quis marcar presença, e aquele golo no último minuto pode muito bem ter sido fatal.
Agora não vale a pena olhar para trás. Há que buscar os golos, a vitória e, quem sabe, fazer reviver as epopeias de Londres (1991) e Leverkusen (1994), quando empates caseiros a uma bola proporcionaram segundas mãos inesquecíveis.
E se não for possível seguir em frente, estou mesmo a ver alguém que pode, e deve, pagar as favas.

6 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Não te querendo contrariar, acho que alguns jogadores deste Benfica ainda não têm o estofo para os grandes palcos e emoções europeias, e mais grave ainda penso que o treinador também não, é pena.
Mas mesmo assim ainda acredito nesta equipa (para a uefa) e com a certeza de que para o ano será melhor:

17.3.10  
Anonymous Anónimo said...

Marselha-1 Benfica- 3 - após prolongamento

1-0 - Niang
1-1 - Luisão
1-2 - Saviola
1-3 - Carlos Martins

Cést la vie

17.3.10  
Blogger dezazucr said...

Não vejo o porquê de tanto pessimismo. Não achei que o Benfica tivesse feito um mau jogo com o Marselha nem considero o resultado tão negativo quanto isso. Aliás, até pode dar aos jogadores do Marselha a ilusão de que têm a eliminatória quase sentenciada, mas longe disso.
O Benfica fez um jogo razoável e teve um desaire, um empate que acontece após uma boa série de vitórias consecutivas, que normalmente não ultrapassa, em qualquer equipa de topo, 6/7. Pôde, com tranquilidade arrancar com o Nacional para uma nova série (e atenção que esse jogo com o Nacional era mais importante), aliás como tem feito ao longo do ano.
Até pode ser eliminado, mas tenho muita fé nesta equipa. Até porque não temos jogo de campeonato no final de semana, pelo que o Benfica irá dar tudo.
Sinceramente, vaticino 0-1, com golo de Saviola e exibição personalizada do Benfica.
Apesar das exibições categóricas que o Benfica tem feito este ano não nos podemos esquecer que do outro lado há sempre um adversário, que no caso do Marselha tem muita qualidade. E que estudou muito bem o Benfica. Só que o Benfica também pôde nesse jogo ver do que era capaz o Marselha. Daí que acredite que o jogo em Marselha será muito diferente.

De qualquer das formas, se formos eliminados não haverá qualquer problema. Esta equipa tem mostrado saber reagir a maus resultados e apesar das grandes equipas também perderem, nunca perdem 2 vezes seguidas.

Carrega Benfica!!!

17.3.10  
Blogger troza said...

Eu sinto-me inclinada a torcer pela taça da liga. Quem faz anos na segunda-feira não quer nada a aziar o dia... E a taça da liga sempre é um troféu imediato.

Bom bom... era Campeonato, taça da liga e UEFA!

17.3.10  
Anonymous chama said...

Concordo quando diz que se o Benfica chegar a 2ª feira com uma vitória num dos dois jogos será positivo.
São duas equipas dificílimas, com um intervalo de tempo muito curto a separar os jogos, e como é óbvio, não se pode entrar na utopia de condicionar o campeonato para vencer estas taças.

17.3.10  
Anonymous Vitória do Benfica said...

Eu já comentei este post. Eu preferia ganhar a taça da liga e ao Sp de Braga. não tenho medo deste Benfica, ontem ao assistir pela TV ao jogo Chelsea Inter, digo sem peneiras nem sobranceria que o benfica joga muito melhor que qualquer deles.
Que tudo seja o melhor para o Benfica

18.3.10  

Enviar um comentário

<< Home