22/06/09

ASSUSTADOR...MAS NÃO SURPREENDENTE

"Entre 1580 e 1640, o reino de Portugal foi dirigido pela dinastia dos Felipes, ao mesmo tempo reis de Espanha. Quase cinco séculos volvidos, do lado de lá da fronteira o alvo não foi o comércio das especiarias nem a criação da Invencível Armada, mas a entrada, pela porta dos fundos, no Sport Lisboa e Benfica.
Agora que a poeira vai assentando começam a ficar mais nítidos os contornos que estiveram por de trás do aparecimento de José Eduardo Moniz como candidato à presidência do Benfica. Fontes altamente colocadas no clube da Luz contaram a A BOLA pormenores de uma operação bem gizada, que apenas não se concretizou por não ter sido reunido, em tempo útil, o dinheiro pedido pelo Grupo Prisa, detentor de parte do capital da Mediacapital/TVI, para vender as acções que detém, avaliadas em 500 milhões de euros.
A Prisa, grupo de comunicação espanhol com ligações ao Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) tem atravessado grandes dificuldades em virtude da crise mundial, facto que a levou a ver com bons olhos a alienação de parte importante da TVI. A Prisa em processo de fusão consumado com a Mediapro, outra entidade espanhola com interesses particulares nos direitos dos jogos de futebol, está a criar uma empresa mais dinâmica e vocacionada para este rentável nicho de mercado.
Há uns meses, a Prisa, numa fase aguda de dificuldades, aceitou vender por um valor ligeiramente mais baixo as acções avaliadas em 500 milhões de euros à Cofina, um dos principais grupos de media portugueses. A Cofina (que viu chumbada a sua pretensão de deter um «quinto canal»), para proceder a esta operação pediu um financiamento no valor total à Caixa Geral de Depósitos (CGD), que viria a chumbá-lo. Mais recentemente, a CGD fixou em 200 milhões de euros a verba com que estava disposta a financiar a operação da Cofina. Perante este cenário, esteve em cima da mesa a possibilidade do restante dinheiro ser suportado quer pela Prisa (ficando assim a Cofina com uma participação menor) e uma outra empresa nacional com interesses televisivos, que não a Olivedesportos.
Perante a possibilidade de José Eduardo Moniz vir a ser presidente do Benfica neste quadro, tornar-se-ia muito fácil à TVI adquirir os direitos televisivos dos jogos do Benfica, vendidos à Olivedesportos, até 2013, pela irrisória quantia de oito milhões de euros/época.
Desta forma, ao mesmo tempo que a Cofina ficava numa posição de força na TVI, a nova empresa Prisa/Mediapro poderia tomar conta da marca-Benfica, a mais cobiçada, em Portugal.
Aliás, a mesma fonte do Benfica que colocou A BOLA a par destes desenvolvimentos que a direcção encarnada vinha a monitorizar há algum tempo, revelou que o boss da Cofina, eng. Paulo Fernandes, através da Tvtel, que detém, fez uma proposta de exploração, antes do arranque da Benfica TV, pela qual pagaria aos encarnados um milhão de euros líquidos por ano. O Benfica recusou esta possibilidade e aí se encontra a explicação, segundo a mesma fonte, para o facto de Luís Filipe Vieira não ter falado nos jornais mais representativos do grupo (Correio da Manhã e Record) e ter referido expressamente o nome do eng. Paulo Fernandes, quando revelou alguns ataques que o Benfica estaria a sofrer e uma perseguição pessoal que lhe estava a ser feita.
Assim, e para encerrar este capítulo, fontes benfiquistas não têm dúvidas em afirmar que o clube esteve em risco de ser «tomado de assalto» pelos espanhóis, desejosos de deitar mão aos direitos televisivos do Benfica, o que viria alterar o panorama das tv’s nacionais, com prejuízo da RTP, da SIC e da SportTv.
A SAD DO BENFICA
Paralelamente a este objectivo referente aos direitos televisivos, havia outro, segundo as mesmas fontes, de ordem desportiva. Podia ser feito por duas vias, partindo sempre do princípio de que o Benfica, ao contrário do que actualmente sucede, passaria a estar disposto a alienar a maioria que detém na SAD.
Assim se explicariam os contactos feitos por José Veiga (que ficaria com o futebol) junto de um grupo asiático com ligação indirecta a Stanley Ho e de um outro grupo angolano. Seria, no fundo, abrir a ‘privatização’ ao futebol do Benfica, colocando–o nas mãos de investidores puros e duros e retirando-o de todo e qualquer controlo dos sócios.
Caso as eleições fossem em Outubro, esta estratégia teria pernas para andar, mais a mais se fosse complementada com uma acção concertada de desgaste da Direcção, junto dos sócios, até esse momento, muito fácil de fazer — tocando nos pontos certos e catequizando cirurgicamente alguns elementos… — mais a mais se os resultados desportivos não fossem satisfatórios.
PROCESSO EM MARCHA
Porém, apesar do anúncio de José Eduardo Moniz de sair de cena, não se pense que este é um processo acabado. Há uma providência cautelar colocada (de um alegado apoiante de Bruno Carvalho que, entretanto, diz não saber de quem se trata nem estar interessado em que as eleições sejam adiadas) em tribunal pedindo o adiamento do acto eleitoral para Outubro.
Neste momento algumas coisas parecem absolutamente claras:
a) A enorme apetência pelos direitos televisivos do Benfica;
b ) a vontade da Cofina entrar na TVI;
c ) o interesse no negócio da Prisa/Mediapro;
d ) um projecto bem articulado, que entregaria a marca Benfica maioritariamente aos espanhóis e possibilitaria a venda da SAD a investidores externos.
As fontes contactadas por A BOLA garantem que, apesar de todo este esclarecimento, susceptível de explicar aos sócios o que realmente se terá passado, ainda há mais pormenores que poderão, em breve vir a lume."
José Manuel Delgado em "A Bola" de hoje

7 Comments:

Blogger Paulo Santos said...

http://apenasfutebol.blogspot.com/2009/06/caneta-de-aluguer.html

O cúmulo da falta de ética, do mau jornalismo, e da hipocrisia, esse sr Delgado.

22.6.09  
Anonymous Anónimo said...

Também "não surpreendente" é o artigo ser assinado pelo Delgado, esse exímio moço de recados.

22.6.09  
Blogger Tiago said...

1º é indesmentível que o grupo Cofina ficou a ver navios por não ter ficado com a Benfica TV pela qual queria pagar uma bagatela.
2º os ataques do grupo Cofina ao LFV e sua direcção e o favorecimento ao Movimento Benfica Vencer Vencer também são muito evidentes e abusivos
3º os direitos de transmissão são muito desejados
4º qualquer empresa que garantisse um fantoche que lhe desse acesso em condições muito vantajosas aos direitos de transmissão também é óbvio.
5º Veiga e Moniz no Benfica sem ganharem dinheiro não é cenário possível!

23.6.09  
Anonymous Vitória do Benfica said...

Eu já tinha pensado nisto. O que faz Moniz npo Benfica???. Também não percebo o que quer Bruno de Carvalho. Um mar e contradições ontem a sua entrevista à SIC.

Ontem também David Borges, Mario Fernando e João Rosado falaram sobre o Benfica. O único com uma análise fria e objectiva foi João Rosado.

Por motivos profissionais estive ausente do país e só ontem à noite vi a entrevista a Luis filipe Vieira no Trio De Ataque. Foi um exercicio muito interessante analisar as declarações dos três sobre Cissoko, uma vez que o programa ocorreu antes do negocio abortar Rui Moreira dizia que tinha sido o Apito Dourado que tinha feito o Cissoko valer 14 miloes em 3 meses. E depois do que se viu e do que Ricardo de Araujo escreveu sobre Pinto da Costa estar envolvido com negocios Dentes de Marfim, a ironia de Rui Moreira talvez seja mesma a realidade.

è bom ouvir o que se diz em cima dos acontecimentos. E toda a fanfarra sobre Cissoko e as brilhantes contratações do FCP que no fundo nada de brilhante possuem.

Saudações Benfiquistas

23.6.09  
Anonymous Vitória do Benfica said...

Também gostaria de comentar sobre os dois comentários um de o anónimo e outro de Paulo Santos. José Manuel Delgado é um brilhante jornalista, que nada possui de azedume de José António Lima ou da Moço de recados de António Teles do Jogo, em meu entendimento

23.6.09  
Anonymous Anónimo said...

E vcs acreditam-se na tentativa de descredibilizaçao do Vieira ao Moniz??? :D
Felizmente para o FCP, parece que sim!

24.6.09  
Blogger Tiago said...

hoje é o i que comprova parte da história... a parte mais "clara"

http://www.ionline.pt/conteudo/9924-portugal-telecom-oliveira-e-ongoing-lutam-pela-tvi

24.6.09  

Enviar um comentário

<< Home