14/04/09

DEZ MESES, DEZ PECADOS - Os erros de Enrique Sanchez Flores no Benfica

1-Tardia definição do plantel
O Benfica chegou às vésperas do início das competições com 35 jogadores a trabalhar diariamente no plantel. A lista de dispensas foi tardia, o que, além de complicar a vida aos atletas, perturbou a união do grupo e dificultou o trabalho táctico.

2-Dispensas de Petit ,Nuno Assis e Léo
Ainda hoje não sei quem foi o responsável pela saída de Petit, mas continuo sem a entender. Como já disse a propósito de Nuno Gomes, um jogador com vários anos de casa, com troféus ganhos no clube, com experiência nacional e internacional, vale muito mais do que a sua simples qualidade futebolística. Entregar Petit a custo zero (como havia sido feito com Geovanni, Karagounis entre outros) foi o primeiro dos erros do Benfica 2008-09.
Nuno Assis não é uma estrela. É contudo um jogador com qualidade, com cultura táctica, com experiência, foi campeão no Benfica, estava já identificado com o clube e está agora a revelar no Vitória de Guimarães (onde é claramente o melhor) porque motivo nunca deveria ter saído. Percebe-se que Nelson tenha sido vendido por 5 milhões. Não se aceita que Nuno Assis tenha sido oferecido. Direi mesmo, sabendo ser uma opinião polémica, que olhando ao custo-benefício não o trocaria por Aimar.
Léo é o caso mais estranho de todos, pois foi encostado por teimosia do técnico, sem que no plantel existisse qualquer alternativa credível para o seu lugar. Era o melhor defesa-esquerdo a jogar em Portugal, e o Benfica deu-o generosamente, quando talvez tivesse sido mais aconselhado aumentar-lhe o ordenado e garantir assim uma maior motivação do atleta. Dificilmente o Benfica encontrará outro como ele nos próximos tempos.

3-Modelo de jogo desadequado e fraco conhecimento da realidade portuguesa
O 4-4-2 que Quique privilegiou no início da época é um sistema amplamente utilizado em Espanha, mas que no nosso futebol, onde a maioria das equipas jogam fechadíssimas, não faz grande sentido. Desde que teve Suazo à disposição, o técnico espanhol evoluiu para um 4-2-3-1, que continuou a enfermar dos mesmos erros, agravados pelo facto de o hondurenho “pedir” um jogo mais directo para a sua velocidade, algo que só teve algum êxito pontualmente, em jogos onde o Benfica teve pela frente adversários abertos e em busca da vitória – Dragão, Funchal com o Marítimo reduzido a dez e a perder desde os primeiros minutos, em Guimarães perante centrais muito subidos.
Sempre que se confrontou com adversários fechados, agressivos e pressionantes, o Benfica bloqueou, como se não estivesse à espera de tantas dificuldades. Talvez o afastamento de Diamantino (sobretudo ele) tenha contribuído para esse desconhecimento, e para a sensação que sempre ficou de Quique Flores - cuja carreira técnica se esgota no Getafe e no Valência - se surpreender, a cada jornada, com o futebol das equipas portuguesas.
A sua afirmação de que o Atlético de Madrid era superior ao F.C.Porto deixou-me com os cabelos em pé, pela ingenuidade e desconhecimento da capacidade e poderio do principal adversário, que é claramente superior à equipa madrilena.

4-Indefinição e instabilidade no onze
Em todo o campeonato, só por três vezes o Benfica repetiu o onze inicial. Ao contrário de F.C.Porto e Sporting que, mesmo com processos já muito mais sedimentados, apostaram mesmo assim num onze-base bem definido, Quique promoveu alterações sucessivas e inexplicáveis, desde as mudanças na baliza, às saídas e entradas de Sidnei, Yebda, Cardozo, Binya etc, não conseguindo, obviamente, que a equipa desse uma boa resposta colectiva.
Ninguém sabe, por exemplo, porque ficou Katsouranis no banco no último jogo. Mas também já ninguém estranha. Na verdade, o técnico espanhol habituou-nos a deixar a ideia de fazer a equipa por sorteio ou algo parecido. Tal como aliás as substituições, que muitas vezes ninguém entendeu. Já cheguei a pensar se não correspondem a um qualquer critério de tempo de jogo global por jogador.

5-Sucessivas adaptações posicionais
David Luíz a lateral-esquerdo; Ruben Amorim a extremo-direito; Pablo Aimar a avançado ou a médio-esquerdo; Katsouranis a central. De tudo isto se viu no Benfica 2008-09, ficando a ideia de que muitas dessas contorções contribuíram fortemente para o défice de rendimento dos respectivos jogadores e, consequentemente, para o afundar da equipa.
6-Estagnação desportiva de jovens talentos
Di Maria, com um talento fora do comum, é o mesmo jogador frágil e inconsequente da época passada; Cardozo regrediu a olhos vistos, parecendo triste e desmotivado; Urreta, mesmo dando um ou outro bom sinal, anda perdido pelo banco ou pela bancada; Sidnei já não é o central forte, rápido e goleador que era quando iniciou a época; Miguel Vítor não melhorou praticamente nada desde a temporada passada; Binya perdeu-se; Felippe Bastos nunca é sequer convocado; Balboa foi negligenciado sem razão aparente (sempre me pareceu não ser tão mau como o pintam). De todos os jovens do plantel do Benfica se esperava uma evolução maior e mais rápida. Como o mal não pode estar em todos eles, a responsabilidade só pode ser da equipa técnica.

7-Decréscimo de rendimento da equipa ao longo da época
Este é, quanto a mim, o dado mais preocupante da temporada benfiquista. A dada altura a equipa até foi capaz de empolgar, fazer bons jogos, bons resultados e comandar a Liga durante jornadas a fio, sem que ninguém pusesse em causa a justiça da liderança. Jogos contra o Nápoles, contra o Sporting, em Guimarães, no Funchal e em Coimbra foram bem conseguidos, e indiciavam estarmos perante o embrião de uma grande equipa. Por alturas do Natal ninguém arriscaria garantir que o Benfica iria ser o campeão, mas poucos duvidavam que conseguisse dar luta até final, até porque chegou a levar uma vantagem considerável sobre a concorrência directa.
Desde Janeiro a queda foi a pique, e com excepção do jogo do Dragão, não mais se viu o Benfica alegre, empenhado, confiante que, com maior ou menor brilho, se viu no início da época. Não se entende como pode uma equipa regredir tanto, sem que exista uma explicação natural (lesões nem houve muitas, desgaste internacional também não, salários em atraso não há).

8-Deficiente condição atlética
Há que separar dois aspectos distintos: por um lado a preparação física dada pela equipa técnica, por outro o próprio perfil atlético dos jogadores.
Se quanto ao segundo o Benfica tem um problema estrutural no seu plantel, que já mereceu neste espaço algumas considerações e que urge ser devidamente atacado, quanto ao primeiro aspecto, também o trabalho do conceituado Paço Ayesteran tem deixado muitas dúvidas.
Katsouranis, que é um jogador forte e robusto, arrasta-se no terreno. O próprio Yebda, que no início da época fazia valer a sua corpulência, deixou de se impor da mesma forma. Jogadores bem constituídos como Sidnei ou Cardozo dão mostras de fragilidade física. Resta Maxi Pereira, que com este ou outro treinador, com este ou outro preparador-físico, corre sempre em alta voltagem.
Nos primeiros jogos do campeonato (contra o F.C.Porto, por exemplo), ao vermos os jogadores do Benfica terminarem os jogos de gatas, supunha-se que tal significaria um fim de época de frescura e disponibilidade física. Pelo que se vê, não foi isso que sucedeu.

9-Não abordagem ao mercado de Inverno
Foi Quique Flores que disse, e não qualquer dirigente, que o Benfica não precisava de reforços de Inverno.
Sabe-se que o mercado de Janeiro tem muitas condicionantes, e não deve ser explorado excessivamente. Mas como podemos entender que, não dispondo o Benfica de um defesa-esquerdo de raiz no plantel, e tendo já prescindido de Léo, não tivesse, pelo menos, dado luta ao F.C.Porto pela contratação de Cissoko? Como entender que não tenha sido ponderada a aquisição de um ala-direito, já que o técnico queria insistir num sistema de jogo predominantemente flanqueado, e tinha já posto Balboa de lado?

10-Discurso desculpabilizador
Ao contrário da maioria das pessoas, não creio que o discurso de Quique Flores tenha alguma vez sido o mais adequado.
Alem de se perder em floreados (como o seu próprio nome induz…) que ninguém entende senão ele próprio, mas todos acham de grande eloquência, nunca explicou devida e claramente a grande maioria das questões acima descritas. É simpático, bem falante, educado, fala muito, mas diz pouco ou nada sobre a equipa e os jogos. Demonstrou também pouca prudência nalgumas das suas mais polémicas declarações, mostrando insensibilidade para com o perfil típico do adepto benfiquista (o terceiro lugar como objectivo, a superioridade genética do F.C.Porto, o ir para Espanha a qualquer momento etc)
Pior que isso foram as sucessivas críticas à equipa, individuais ou colectivas, que acabam por cheirar a estratégia de desculpabilização. Os episódios das críticas públicas a Sidnei, Léo, Quim, Cardozo, Balboa, Reyes (este com particular dureza), realçam uma forma de estar que não é de um verdadeiro lider, que nada aprecio, e podem ter estado na base das quebras de rendimento de alguns dos jogadores em causa. A relação com alguns elementos do plantel parece ser boa (Luisão, Katso, Amorim, David Luíz, Aimar), mas alguns outros não podem deixar de sentir razões de queixa - por exemplo Di Maria que, perante a presença de Maradona, ficou sentado no banco, num jogo que até aconselhava a sua entrada, e em que se poderia valorizar bastante, embora as coisas acabassem depois por correr bem.

11 Comments:

Blogger Aurélio Estorninho said...

finalmente que leio algo de jeito escrito por si.
uma excelente analise!
embora eu ache que o problema do benfica são os dirigente e os adeptos, que perdem muito tempo a estudar a forma e a maneira de aniquilar o FC PORTO e esquecem-se de ter os melhores jogadores e treinadores.
pensem mais em vós e menos nos outros e vão ver que pelo menos de 5 em cinco anos metem a mão ao prato.

14.4.09  
Anonymous netking said...

Concordo na generalidade.
Mais, estranhamente, nunca utilizou Suazo e Cardozo (na minha opinião compatíveis) e agora passou a utilizar Nuno Gomes e Cardozo.
Lembrar ainda que Quique (com mérito é óbvio) acabou por estar até Fevereiro na luta pelo título o que lhe deu cerca de 8 meses de grande tolerância e paciência da parte dos sócios.

Enfim, pecados a mais e resultados a menos!

14.4.09  
Blogger A.Saraiva said...

Pode acrescentar como primeiro erro ter dispensado os serviços de Diamantino.

Para quem não fazia a minima ideia do campeonato português não terá sido muito inteligente

14.4.09  
Blogger LF said...

netking,

Suazo e Cardozo jogaram juntos com o Setúbal e o Nacional em casa.
Talvez por terem saído dois empates, Quique não insistiu.

Mas percebo a questão.

14.4.09  
Blogger LF said...

A.Saraiva,

Referi a questão do Diamantino algures no post.
Só não lhe dei maior destaque porque não sei até que ponto não terá havido também especulação da imprensa.
Até porque estive num almoço com eles, e pareceu-me que as relações entre todos os membros da equipa técnica eram absolutamente normais.

14.4.09  
Anonymous Peter said...

É evidente que o Quique Flores tenha cometido erros, por vários factores, é estrangeiro e não tem conhecimento da liga portuguesa e do futebol português.Quanto á tardia definição do plantel é plausível mesmo por isso, dispensar jogadores por cassetes de vídeo é que não acho muito apropriado, primeiro trabalha-se com eles e depois retira-se as conclusões necessárias para decidir quem fica e quem sai.A dispensa do Léo é difícil de perceber futebolísticamente mas falando pelo lado emocional do jogador é perfeitamente aceitável face aos problemas familiares com que o jogador se deparava há pelos 2 anos.O Nuno Assis é o único jogador que na minha opinião não se compreende a sua dispensa, visto que é 1 jogador que sabe segurar bem o jogo coisa que o Benfica inúmeras vezes não soube fazer quando se apanha em vantagem.No entanto só os seus primeiros meses de Benfica foram realmente de bom nível, aí foi uma peça preponderante na conquista do título, depois apagou-se.Quanto ao Petit embora tb faça falta percebe-se bem que no colónia o pittbull fez o contrato da sua vida que no Benfica infelizmente não era possível.Quanto ao 4-4-2 qual é o problema?O Eriksson não jogava com esse sistema, O sistema não interessa e pode ser qualquer um é preciso é que ele tenha dinâmica. O Suazo é bom jogador mas sejamos realistas o melhor que fez na sua carreira foi no Cagliari uma equipa de contra-ataque que usava o jogo directo que ele gosta, o problema é que cá quem joga em contra-ataque são os nossos adversários, logo para se aproveitar as suas características em futebol de ataque continuado é preferível ter uma referência na área que faça de pivot (Cardozo ou Nuno Gomes) que lhe passe a bola para trás aproveitando o seu pique e embalagem e finalizar.O Atlético de Madrid desculpe-me que lhe diga mas do meio-campo para a frente tem melhores jogadores que o fcp, tem é uma defesa miserável e um colectivo fraco em todos os sectores.Quanto á indefinição e estabilidade as pessoas tem que entender uma coisa muitas vezes aqueles que hipotéticamente são os melhores jogadores aplicam-se pouco nos treinos ou apresentam um rendimento nos jogos que não se adequa ás suas qualidades e nessas alturas os suplentes se tem uma atitude de trabalho melhor devem ter uma oportunidade por isso mesmo e porque no futebol moderno em que as lesões são mais do que eram dantes é importante que as 2as linhas estejam sempre preparadas para qualquer eventualidade, e isso só acontece jogando, e isto ainda tem outra vantagem ao contrário do que muita gente pensa, ajuda no espírito de grupo porque todos se sentem úteis. Quanta às mudanças na baliza eu acho que foram positivas, o Quim agora certamente é um jogador mais forte, o p.bento fez o mesmo com o ricardo aqui há uns tempos e o jesualdo esta época com o helton, qual é o problema?Yebda fez um jogo péssimo na amadora o Katsouranis tb, o Cardozo para mim é titular indiscutível tem é que estar sempre acompanhado ou do Suazo(agora já não dá)ou do Nuno Gomes.Quanto ao Bynia ou emprestam-no ou dispensam-no tem uma qualidade de passe medíocre e uma virilidade que se fosse controlada era positiva, como não é, é má, e antes que tudo é um jogador queimado por situações anteriores e os árbitros não lhe perdoam.Quanto ás adaptações posicionais concordo e era preferível que em Janeiro se colmatasse as posições que obrigaram o treinador a isso, defesa esquerdo, direito (o maxi é bom mas precisa de concorrência)etc. Mas tb não sabemos se o Benfica tinha dinheiro naquela altura para colmatar essas lacunas.Quanto ao decréscimo da equipa ao longo da época não nos podemos esquecer que enquanto se ganha a moral é alta e esta época nos períodos que referiu as arbitragens simplesmente não nos deixaram ganhar.Quanto ao discurso concordo, mas até a direcção do nosso clube tem um discurso fraco e num ano de transição como é este devia ter tido um discurso mais prudente e gerisse melhor as expectativas coisa que não o fez.O Quique cometeu diversos erros mas tb não devemos culpar o Quique de tudo o que se tem passado, porque este clube não tem tido tb uma política desportiva condizente com a sua grandeza, e deixá-lo sair fazendo dele um bode expiatório é sempre mais fácil e tb é mais uma maneira de mandar mais uma vez poeira para os olhos dos sócios e simpatizantes do Benfica.Depois do que se passou na amadora e com a académica o treinador devia ter sido protegido, mas a direcção do Benfica nada fez mais uma vez, quando se ganha são muito solidários quando não se ganha a culpa é do treinador. Tem muito ainda que aprender.O LF faz muitas referências ao fcp, alguma vez o padrinho deixava um treinador seu ser massacrado em praça pública como o Benfica deixa.Olhe só o que aconteceu ao jesualdo esta época e ao co adriaanse quando foram alvos de contestação de alguns sócios e simpatizantes desse clube.Temos que ter calma,paciência ser solidários nos bons e nos maus momentos, porque desde há 15 anos que o Benfica muda de treinador todas as épocas, e depois querem ganhar títulos, tb temos que ser realistas assim não há treinador e equipa que resistam.

14.4.09  
Anonymous Anónimo said...

O post está muito bem escrito, a análise é pessoal e até pode estar certa, pelo menos em algumas coisas.
E, em algumas coisas, concordo inteiramente.

Mas onde é que eu já vi isto?!

Se estiver enganado, peço-lhe humildemente desculpa.

Mas tenho a nítida sensação de ser um plágio!

FL

14.4.09  
Anonymous Anónimo said...

Esta do "geneticamente mais fortes" vinda de ti é que não era de esperar.
Então se os jogadores de outra equipa foram "geneticamente mais fortes" que mal tem referir isto? Ou será que o problema foi a interpretação dada pela comunicação social e que pelos vistos também caiste?

E agora eu pergunto: será que havia algum problema em dizer que uma equipa é "geneticamente mais alta" do que a nossa? E se depois tirar-mos as medidas aos jogadores e verificar-mos que a média de alturas deles é de 1.90 m e da nossa é 1.80 m? Continua a ser um problema?

Será tão problemático assim constatar que o Lucho é "geneticamente mais forte" que o Aimar?
Ou que o Lisandro é "geneticamente mais forte" que o Nuno Gomes?
Ou que o Hulk é "geneticamente mais forte" que o Di Maria?
Ou que o Bruno Alves é "geneticamente mais forte" que o Miguel Victor?

Ou será que geneticamente significa psicologicamente, mentalmente, com mais capacidade futebolistica, de um nível superior futebolistico, com melhor pedigree, ou lá o que quiseram interpretar das palavras dele?

Ainda se dissesses que ele foi anjinho em não ver logo que as suas palavras iam ser deturpadas...

15.4.09  
Anonymous Anónimo said...

não, aurélio - para ganharmos muitos títulos precisamos, tal como o porto, é de mandar nos árbitros quase todos...

e de fazer toda a batota que vocês fazem. frutinha, envelopes, visitas a casa... férias no brasil, ui, é garantido, como diria o engenheiro máximo, chefe da caixa...

15.4.09  
Blogger ... said...

todos os treeinadores cometem erros, mourinho incluido.

quique chega a um futebol que nao conhece, recebe um plantel do qual so consegue conhecer uns dvd.

ah, e começa uma equipa do ZERO ABSOLUTO.

leo? viste os jogos do leo este ano? o leo deste ano foi bem dispensado. e tinha a cabeça no brasil.

petit? viste o petit do ano passado do benfica? achas que esse petit ia jogar aqui o que esta a jogar em colonia com o contrato da vida dele? com katso e yebda a posicao nao teve carencias.

suazo... perdido entre lesoes. aimar, idem na primeira metade da epoca.

o porto bem quer que quique saia...

agora é so juntar os roubos descarados nas jornadas 10, 12, 15 e 17, que transformaram 4 pontos de avanço do porto em 2 de atraso... e foi o costume: um campeonato feito pelo apito dourado.

15.4.09  
Blogger Vasco said...

Caro LF, quem lhe diz a si que o Petit, Léo e Nuno Assis(que no BENFICA só sabia fazer passes p trás) foram dispensados pelo Quique?

Sidnei já não é forte e tão rápido????
Miguel Victor n melhorou????
O Di maria? esta época finalmente fez algo pelo benfica! já resolveu jogos e tem muito mais físico!até se pôde ver no jornal que Di Maria e David luiz aumentaram 10kg.
Desde quando é que o Fcbatoteiros é melhor q o A.Madrid? equipa q ganhou ao Barcelona e empatou c o Real num jogo de sorte p Raúl e companhia. Empataram com o FCPorco porque fizeram um mau jogo lá, Nas Antas o Porco pôs um autocarro na baliza. Se me disser que o Porco é mais estável isso é outra coisa, e claro que a regularidade é chave num campeonato, agr se os Colchoneros fossem deste campeonato merdoso limpavam os 1ºs lugares.
Discurso descupalizador?
O Quique reconhece sempre quando jogamos bem ou mal, nunca vem com árbitros
Yebda e katso arrastam-se? o Yebda continua igual e o katso nunca se deu muito por ele, é um jogador inteligente mas não é p as nossas tácticas, talvez num losango

Vasco;Saudações Benfiquistas

15.4.09  

Enviar um comentário

<< Home