12/11/07

SEIS VELAS A FESTEJAR UM ANO DE INVENCIBILIDADE

Maior goleada da história do novo estádio, maior goleada das últimas cinco épocas, 31º jogo consecutivo e um ano inteiro sem perder, aproximação ao F.C.Porto, distanciamento do Sporting. Que mais poderia desejar um benfiquista para a jornada de ontem?
O Benfica viveu de facto uma noite de conto de fadas, em que para além do seu próprio desempenho, tudo lhe correu bem nos outros estádios onde se jogava para os primeiros lugares. Em vésperas de paragem, e a duas jornadas de receber o F.C.Porto, nada melhor para os encarnados – e para o próprio campeonato – que esta significativa redução pontual, que em duas semanas passou de uns dramáticos oito pontos para uns motivadores quatro, sobretudo se consumada com tão robusta e reluzente vitória.
Não pense porém, quem não assistiu ao jogo, que esta goleada traduziu uma exibição esplendorosa do Benfica, ou uma noite repleta de facilidades. Aos 62 minutos de jogo o resultado era de 1-1, e o fantasma axadrezado pairava aterradoramente sobre Luz. Foi pois apenas nos últimos 28 minutos que o Benfica embalou para um resultado que, para já, fica a marcar – e poderá vir a marcar ainda mais – a história deste campeonato.
Pode-se pois dividir a partida em dois períodos distintos. Um deles até ao último terço do tempo de jogo, em que se assistiu a uma partida equilibrada, e outro a partir do golo de Maxi Pereira, em que o Boavista perdeu a cabeça e praticamente deixou de jogar, abrindo caminho à goleada.
Naquele período, a que chamaria mais normal, viu-se um espectáculo agradável, com muito denodo de parte a parte, com oportunidades para os dois conjuntos, mas em que o Benfica, há que dizê-lo, evidenciou bastantes dificuldades nas transições defensivas, não conseguindo bastas vezes fechar devidamente o seu meio-campo aos incisivos contra-ataques boavisteiros. Quando perdia a bola, a equipa encarnada partia-se em dois e não conseguia exercer pressão a meio campo, onde um Binya desinspirado – e temeroso -, um Maxi muito encostado à linha, e um Rui Costa naturalmente sem a capacidade física para estar em todo o lado, eram manifestamente insuficientes para manietar a rapidez de Zé Kalanga, de Mateus, e o esclarecimento de Jorge Ribeiro. Em termos ofensivos, o Benfica respondia sobretudo pela criatividade de Rodriguez – o melhor em campo -, pelos lampejos de classe do maestro, e pela presença de Cardozo, que para além do golo esteve sempre muito activo na frente de ataque, confirmando sentir-se mais confortável com a presença de alguém a seu lado - o paraguaio marcou um e podia ter marcado outro, não fosse a excelente defesa de Jehle. No entanto, durante largos períodos, a imaginação não abundou entre as águias, e a capacidade para impor o seu jogo só mais tarde se viria a revelar. O resultado de 1-0 ao intervalo aceitava-se, fruto da maior pressão ofensiva do Benfica, mas uma igualdade também não seria de todo injusta.
No início da segunda parte o panorama não se alterou substancialmente, e tudo parecia compor-se para mais um jogo de sofrimento, assim como a vantagem tangencial o anunciava. Já após a ingénua expulsão de Zé Kalanga, o Boavista logrou chegar ao empate num lance de contra-ataque após um canto a favor do Benfica – é dos livros que não se podem sofrer golos assim quando se está a vencer, e os encarnados terão de rever muito rapidamente estes conceitos.
A noite parecia fadada para o drama.
Mas se as bancadas da Luz tremeram, a equipa não. O Benfica mostrou aí, nesse momento, justamente aquilo que tem de melhor, e que faz com que, depois de um início titubeante, esteja agora, de pleno direito, na discussão do título nacional.
Efectivamente, se há um ponto forte nas equipas de José António Camacho ele situa-se ao nível da força mental com que os jogadores abordam a competição. Isso já se vira aquando da primeira passagem do murciano pela Luz, e volta agora a ficar bem vincado nas exibições da sua equipa. Em plena segunda parte, perante um resultado negativo, o Benfica reagiu de imediato com todas as suas forças, tomando conta do jogo e empurrando o Boavista para trás. Não demorou mais de três minutos até o segundo golo aparecer, pouco depois o terceiro, depois o quarto, o quinto e o sexto.
Os últimos minutos foram de verdadeira avalanche ofensiva dos encarnados que, mesmo com o resultado garantido, nunca deixaram de procurar ajoelhar o adversário a seus pés, tirar-lhe a carne e o sangue, e esmagá-lo com uma fúria que define, para já, perfil competitivo deste Benfica versão 2007-2008. Se nos lembrarmos que poucos dias antes jogou uma importante partida europeia, verificamos que a capacidade física da equipa de Camacho atinge níveis absolutamente notáveis, e que lhe possibilitam a atitude competitiva acima referida. Há técnicos que se não podem avaliar exclusivamente à luz das suas elaborações tácticas ou estratégicas. A capacidade física e anímica das equipas de Camacho impressiona, e é com essas virtudes que, tal como por exemplo Scolari, o espanhol vence jogos.
Individualmente o Benfica, conforme já disse, contou com a inspiração de um Cristian Rodriguez de volta ao seu melhor, depois de uma exibição cinzenta em Glasgow. O extremo uruguaio é já uma das principais figuras desta equipa, tal a forma entusiasta e alegre com que serpenteia pelo campo, por vezes com dois e três adversários à ilharga sem que nenhum seja capaz de lhe tirar a bola dos pés. Ontem juntou ainda um golo, e a participação em mais alguns, à sua brilhante noite. Léo, Cardozo e Maxi Pereira também estiveram em muito bom plano. Luís Filipe é que parece ter grandes dificuldades em se afirmar no Benfica. A sua intranquilidade é notória, mas a responsabilidade deve ser atribuída sobretudo à forma inqualificável como alguns supostos adeptos do Benfica o pressionam a cada falha, a cada mau passe, a cada perda de bola. Depois de Beto e de Derlei, Luís Filipe é agora a grande vítima de um grupo de imbecis, que no fundo talvez vá ao estádio apenas para aliviar frustrações, e não para verdadeiramente apoiar a equipa de que diz gostar. Recorde-se que já no passado jogadores como Fernando Meira, Maniche, Abel Xavier ou mesmo Vítor Paneira foram vítimas dos mesmos ou de semelhantes carrascos.
A arbitragem fica para a rubrica classificação “real”, se bem que num resultado de 6-1 pouco exista para reclamar.

5 Comments:

Anonymous catn said...

LF

Isto era o que eu queria, para a nossa equipa, se estivermos a ganhar por 4, temos de tentar o 5º e o Benfica está com uma atitude competitiva muito elevada, a correr e a lutar contra os problemas que vão aparecendo, sempre com a ideia de vencer

Agora parece-me, que Camacho continua a complicar o nosso esquema defensivo, com a teimosia de deixar katsouranis na defesa, perdendo um elemento de grande valia no meio campo, um meio campo que filtre o jogo adversário, trás menores problemas á defesa

Ainda pensei, que o Grego na defesa, servia para em ataque, jogar mais como médio, ajudando o meio campo na transição, depois nos jogos dá a sensação de ter ordens para não subir muito

Katsouranis é um elemento fundamental para a transição defesa / ataque, não me parece que M. Preira esteja talhado para tal missão, pode ser que com a entrada de David Luiz e com o regresso de Katsouranis ao meio campo,
essa transição seja mais eficaz

Quero ainda realçar, a importância de Nuno Gomes no ataque do Benfica, com a sua entrada, Cardozo fica muito mais liberto, criando muito perigo para as redes adversárias e mesmo Nuno Gomes, consegue demonstrar melhor as suas caracteristicas como goleador e não nos podemos esquecer, que ontem marcou 2 golos, um de penalty cometido sobre ele e outro de bom efeito, á ponta de lança

Quero só deixar mais uma nota, Binya está a jogar com um "colete de forças", os médias e os pseudo-comentadores, já fizeram o que queriam, limitarem o jovem médio defesivo do Benfica, estou á espera para ouvir, o que dizem da entrada do jogador do Boavista sobre Cardozo e de Bruno Alves sobre um jogador do Est.da Amadora, não é só o Binya, que tem entradas violentas

13.11.07  
Anonymous Brytto said...

O futebol é também isto: o ano passado jogámos muito melhor e empatámos por manifesta faltade sorte (seriamos campeões e o FS seria bestial), este ano, como o Camacho disse, marcámos golos a mais!...

13.11.07  
Blogger LF said...

Não vão dizer nada sobre essas entradas. Já sabemos como as coisas funcionam.
Têm que ser os benfiquistas a apoiar e a proteger Binya, que é um jovem com grande futuro. Nunca o vi reclamar com um árbitro, e todos os cartões que tem levado são na disputa do jogo.
Ao Bruno Alves, por exemplo, já o vi dar uma valente cabeçada no Nuno Gomes.

13.11.07  
Blogger LF said...

É verdade Brytto.
Só com um golinho que fosse nesse malfadado jogo da época passada e, "caeteris paribus", seriamos campeões...

13.11.07  
Blogger LF said...

Acerca do Katsouranis, tenho algumas dúvidas.
Se o grego jogar no meio campo (ao lado de Petit), e jogarem dois pontas-de-lança, onde cabe Rui Costa ?
A única alternativa seria encostar Katso à linha, mas também não me parece boa ideia.
Até ver, a minha equipa ideal do Benfica é um 4-2-3-1 assim definido:

Quim
Nelson Luisão Katso Leo
Petit Rui Costa
Maxi Nuno Gomes Rodriguez
Cardozo

Pode haver algumas variantes, mas nas alas, com a entrada de Nuno Assis ou Di Maria (conforme a sua evolução), o recuo de Maxi e a saida de Nelson.

13.11.07  

Enviar um comentário

<< Home