11/06/07

QUE ESPERANÇAS ?

É uma máxima do futebol: grandes jogadores não fazem necessariamente uma grande equipa.
A selecção portuguesa de sub-21 tem sido nos últimos anos um curioso e decepcionante exemplo desta realidade.
Nos Jogos Olímpicos de Atenas, com Cristiano Ronaldo, Fernando Meira, Ricardo Quaresma, Hugo Viana etc, Portugal não passou da primeira fase, saindo pela porta dos fundos de uma competição onde apostara forte. De igual modo no Europeu passado, realizado no norte do nosso país, uma equipa também recheada de “estrelas” não logrou chegar sequer aos quartos-de-final de um torneio onde era apontado como o principal favorito.
Espera-se que a história não se repita agora novamente, mas a primeira parte de ontem frente à Bélgica avivou bastante estes episódios da história recente desta equipa.
Um conjunto de jogadores demasiado aburguesados, confiantes numa teórica superioridade que não foram capazes de demonstrar, e no fim um técnico resignado à “grande qualidade” do adversário – que tal como a Sérvia do europeu passado, também apontada como uma super-equipa após ter vencido Portugal, dificilmente me parece que chegue muito longe nesta prova.
A explicação para esta sucessão de fracassos (esperemos que desta vez não seja esse o desenlace) está possivelmente no facto de a maioria dos jogadores sub-21 portugueses ter já uma considerável experiência nas suas equipas, e inclusivamente na selecção A, encarando assim a presença nos sub-21 como uma situação menor – veja-se o caso de Quaresma no último europeu, quando se esperava a sua presença no Mundial da Alemanha. Depois não podemos esquecer que infelizmente não há dois Scolaris, e pela selecção sub-21 têm passado alguns treinadores que, sem pôr em causa o respectivo valor e profissionalismo, talvez não tenham o perfil adequado para enfrentar os altos níveis de competição que se esperam nestas ocasiões.
Por ora vamos esperar que a nossa selecção supere a Holanda e desminta esta já quase tradição de claudicar nos grandes momentos, como há poucos anos (antes de Scolari) acontecia frequentemente com a equipa principal.
Para já, nesta equipa, apenas Manuel Fernandes e Miguel Veloso mostraram um pouco daquilo que valem.