26/06/06

OS NOSSOS HERÓIS

MIGUEL (4) Se Robben era a grande ameaça, não se deu por isso. Mérito naturalmente para Miguel, que durante a primeira parte foi dos mais esclarecidos, e na segunda dos mais estóicos.
FERNANDO MEIRA (4) Foi talvez a exibição de que precisava para se tranquilizar. Esteve impecável, à excepção de uma comprometedora escorregadela ainda na primeira parte que quase ia custando caro. Mas essa foi a excepção que confirmou a regra de uma exibição imperial, mostrando toda a sua capacidade no jogo aéreo, e uma entrega absolutamente inexcedível.
RICARDO CARVALHO (5) Um dos melhores em campo. Parecia fora de forma nos jogos anteriores, mas frente à Holanda voltou a ser o grande Ricardo Carvalho dos tempos do Europeu. Houve momentos em que a bola parecia ir ter com ele. Até a sair para o ataque se voltou a ver em Nurenberga a sua enorme classe.
NUNO VALENTE (3) Não se pode dizer que tenha estado mal, mas terá sido o menos brilhante da defesa. Teve o azar de apanhar pela frente um Van Persie inspirado, que por diversas vezes o ultrapassou em velocidade ou em drible. Ainda assim nota positiva pela bravura que evidenciou.
COSTINHA (2) Inaceitável que num jogo a eliminar do Campeonato do Mundo, um jogador com tanta experiência cometa um erro tão infantil. Valentin Ivanov já lhe havia perdoado o segundo amarelo numa entrada sobre Van Bommel (suponho que seria substituído ao intervalo, pois a expulsão já estava iminente), e mesmo assim foi cortar com a mão um completamente inofensivo lance a meio campo...
O que lhe terá passado pela cabeça ?
MANICHE (5) Homem do jogo para a FIFA, ficará na história como autor do (belo) golo solitário da partida. Podia até ter marcado por mais duas vezes. No resto do tempo foi sempre constante, quer a defender, quer a atacar, sendo o melhor Maniche que esteve no relvado de Nurenberga. É impressionante a facilidade com que se movimenta, tanto nas transições defensivas como nas ofensivas. Na sua melhor forma (que contudo nem sempre é constante) ombreia com Figo, Deco e Ronaldo como um dos melhores jogadores portugueses. Grande exibição, a desmentir todas as desconfianças iniciais quanto à sua condição física para esta competição.
DECO (3) Construiu o lance do golo, teve mais algumas intervenções de grande classe e correu quilómetros, mas não se poderá afirmar que tenha estado em campo o melhor Deco, aquele que todos conhecemos. Acabou injustamente expulso, mas a verdade é que também podia ter sido mais prudente.
FIGO (4) Foi preponderante no melhor período da equipa ainda na primeira parte. Na fase mais dramática, lutou até à exaustão e enquanto as forças dos seus trinta e três anos lhe permitiram. A sua experiência foi decisiva na manutenção do equilíbrio emocional da equipa. “Cavou” muito bem a expulsão de Belahrouz, dando um novo fôlego à equipa. Todavia, quase ia deitando tudo a perder quando agrediu Van Bommel. Terá sido provocado, é certo, mas Figo sempre nos habituou a ver nele um homem imperturbável, e capaz de reagir com a maior frieza às situações mais adversas. Enfim, vamos fazer de conta que não vimos...
PAULETA (3) Esteve no golo, tabelando inteligentemente com Maniche, e seria ainda ele o protagonista da melhor oportunidade que Portugal teve daí em diante, num lance em que rematou forte e colocado, mas Van der Sar defendeu com os pés. Foi sacrificado tacticamente ao intervalo, sendo assim um dos primeiros cordeiros a arder na fogueira em que o jogo se transformou.
CRISTIANO RONALDO (3) Parecia embalado para a sua melhor exibição neste Mundial. Arrancou dois cartões amarelos a holandeses (o lance do qual resultou a sua lesão era merecedor de vermelho directo), foi o primeiro a furar a cortina “laranja”, e ainda teve tempo e força para dar início à jogada de onde resultou o golo. As imagens das suas lágrimas comoveram o país e marcaram o início deste drama verdadeiramente hitchcockiano. Esperamos poder contar com ele para a próxima batalha.
SIMÃO (4) Se Ronaldo estava a jogar bem, a verdade é que Simão não defraudou em nada a saída do colega. O pequeno extremo entrou muito bem, criando uma grande ocasião de golo que culminou com o remate de Pauleta, mas foi na segunda parte que a sua exibição assumiu carácter grandioso. Lutou bravamente, e a partir de certa altura, solitariamente, contra uma linha de holandeses (ora três ora quatro) que nunca se chegaram a entender com as suas movimentações, desmarcações, dribles, mudanças de velocidade e passes de génio. Foi uma espécie de “dois em um”, e depois “três em um”, e sem o seu fantástico trabalho seguramente que nada teria terminado como terminou.
PETIT (4) Uma muralha de aço. Entrou para a posição de Costinha, e pode-se dizer que não se sentiu, nessa zona do campo, a falta do ex-portista. Petit esteve praticamente perfeito, recuperando inúmeras bolas, e sendo até capaz de sair a jogar numa primeira fase de construção, embora menos do que faz no Benfica (onde não tem tantas responsabilidades posicionais). Foi um jogo à sua medida. Um combate para guerreiros como ele.
TIAGO (3) Entrou bem no jogo e conseguiu fazer aquilo que se lhe pedia naquela altura. Segurou a bola e o jogo, fez passar segundos preciosos, e até ia marcando um golo, parecendo nesse lance ter ficado deslumbrado com as facilidades concedidas.

5 Comments:

Anonymous Anónimo said...

O artigo está bem escrito, apesar de não concordar, como é normal, com algumas ideias. Assim, no caso do árbitro, e indo contra a corrente, não me pareceu que estivesse muito mal, a não ser que podia e devia ter expulso o Costinha mais cedo e tb mandado o capitão para a rua após uma agressão deste , já para não me referir à expulsão "fabricada" pelo próprio (não houve sequer falta) e da outra expulsão holandesa tb ser exagerada. No lance d e Ronaldo, só após o visionamento das imagens televisivas se verifica que que o vermelho, talvez, fosse a cor mais adequada para aquela situação... Quanto a Deco, à luz das novas regras determinadas pela FIFA para este campeonato, todo o jogador adversário que agarrar a bola após o arbitro ter assinalado falta é punido com cartão amarelo -há muito que eu sou defensor desta regra, achava inqualificável que um jogador adversário atrasasse o reinicio do jogo nas barbas do arbitro sem ter qualquer sanção - e isso foi o que o Deco fez aliás, a primeira falt de Deco, embora por motivos conhecidos, não seria merecedora de cartão vermelho? É por trás e não há a mínima intenção de ir à bola... Resumindo, a haver alguma culpa do sucedido, terá que ser atribuída ao comportamento dos jogadores de ambas as selecções e , quanto muito, à estrutura de arbitragem da FIFA, sendo o russo o menos culpado.
Para terminar, sempre que se ganha e eu espero que assim se continue, aproveita-se sempre estas ocasiões para se dar “bicadelas” nas pessoas que de algum modo criticaram e criticam este seleccionador, será que em Portugal após mais de 30 anos de democracia ainda não nos habituamos a respeitar opiniões contrárias às nossas!...Parece que ainda não.
Não entendo a nota 2 de Costinha, só se lhe faltar um menos no seu lado esquerdo. Se tivéssemos sido eliminados, o rapaz não podia sequer passar férias em Portugal, não encontro explicação para o sucedido, teria a soldo dos holandeses?

27.6.06  
Anonymous Anónimo said...

Very pretty site! Keep working. thnx!
»

12.8.06  
Anonymous Anónimo said...

I like it! Good job. Go on.
»

17.8.06  
Anonymous Anónimo said...

What a great site Magic chef dryer parts Zyrtec and cheap Spell check for blackberry Sim free slots to play on line Marine part volvo toyota land cruiser roof rack Floor mats jeeps http://www.cadillac-egr-valve.info provigil fibromyalgia 2006 canadian men's hockey olympic team pictures Maternity dress information online wheelchair line drawing link gate opener search yahoo comsearch p provigil Kick ass moves Amd 750 cpu fans Lamont bentley young investors http://www.msi-video-capture-card.info/tomgregoryhomesltd.html

6.2.07  
Anonymous Anónimo said...

What a great site »

5.3.07  

Enviar um comentário

<< Home