06/04/06

UM A UM

Não foi um jogo propício a grandes brilhantismos, mas ainda assim há que destacar alguns elementos. Eis os benfiquistas individualmente de um a cinco, e ainda breves notas sobre os catalães e equipa de arbitragem

MORETTO (4) Grande exibição do gigante brasileiro. Foi talvez o jogo em que exibiu maior segurança desde que está no Benfica, começando por defender um penalty do melhor jogador do mundo – o que certamente lhe deu enorme confiança – e voltando a brilhar opondo-se tenazmente a remate de Van Bommel perto do final da primeira parte. Em toda a segunda parte esteve sempre seguro, e nos golos pouco podia fazer. O melhor benfiquista em campo.
RICARDO ROCHA (3) Muito bem em quase todo o jogo, mas deixando a sensação de que podia ter feito algo mais no primeiro golo, em que deixou Ronaldinho rematar sem oposição dentro da área encarnada. Ainda assim nota positiva.
LUISÃO (4) Mais uma excelente exibição do grande central brasileiro. Foi o comandante da defesa, estando sempre presente, mesmo quando outros falhavam. Limpou todo o jogo aéreo, e nos golos não tem qualquer responsabilidade.
ANDERSON (2) Ao contrário do seu parceiro do lado, esteve directamente envolvido nos dois golos, e se no primeiro há que dar mérito ao excelente trabalho de Eto’o, que o deixou pregado ao relvado, já no segundo se trata de um duplo erro de central brasileiro, primeiro devolvendo a bola a Ronaldinho, e depois falhando a intercepção do seu passe.
LEO (2) Um dos jogos mais fracos que fez com a camisola do Benfica. Teve uma inacreditável falha que quase permitiu o segundo golo ao Barça ainda na primeira parte, e no restante tempo esteve sempre algo ausente, quer a atacar, onde não existiu, quer mesmo a defender, onde teve grandes dificuldades em fechar a sua zona de acção.
PETIT (2) Irreconhecível o grande médio benfiquista. Começou logo mal, cometendo uma grande penalidade tão evidente quanto escusada, e pelo tempo fora nunca deixou de evidenciar uma tremenda desinspiração. Muitos passes falhados, más intercepções, e a culminar, uma perda de bola infantil da qual resultou o segundo golo catalão. O enorme Petit de muitas outras ocasiões não esteve em Camp Nou.
BETO (2) Até começou bem o jogo, recuperando bolas e passando-as com critério. Após um primeiro quarto de hora de grande qualidade “borrou a pintura”, perdendo ingenuamente a bola que resultou no primeiro golo do Barcelona. Não mais se encontrou, sendo ao longo do jogo, mais o Beto dos frequentes assobios na Luz, do que o Beto melhor em campo no jogo da primeira mão.
MANUEL FERNANDES (3) Foi o melhor benfiquista da primeira parte, a par de Moretto, ocupando muito bem os espaços e sendo dos poucos capazes de controlar a posse de bola e temporizar o jogo. No segundo tempo decaiu um pouco, mas ainda assim a sua substituição foi algo supreendente. Nota positiva, à beira do “quatro”.
SIMÃO (3) Foi um jogo sobretudo infeliz do capitão. Esforçou-se muito, correu, foi capaz de criar algum perigo na zona defensiva catalã, resistindo à dura e constante pressão do meio campo defensivo adversário. Teve nos pés a glória, e a sua falha vai ficar a marcar este jogo e esta eliminatória. Não merecia.
MICCOLI (4) Num jogo tremendamente ingrato para o italiano, sozinho no ataque e com pouquíssimas bolas a chegarem lá, Miccoli foi ainda assim capaz de ser um elemento em foco, e cada vez que dispôs de bola e algum espaço, foi capaz de pôr em sentido a defesa do Barça. O passe a desmarcar Simão no lance da melhor oportunidade do Benfica, é simplesmente magistral, e ainda teve alguns pormenores de grande qualidade, não sendo por ele que o Benfica caiu.
GEOVANNI (2) Exibição muito apagada do extremo brasileiro, devolvido à sua posição tradicional. Não pareceu nas melhores condições físicas, o que é uma atenuante, mas a sua substituição só pecou por tardia.
KARAGOUNIS (4) Entrou mais uma vez muito bem na equipa, deixando no ar a ideia de que só devido a problemas físicos não caberá no onze encarnado. O seu fortíssimo remate, defendido com dificuldade por Valdés a quatro minutos do fim, podia ter marcado a sua época na Luz. Mexeu com o meio campo, dando-lhe critério na posse e circulação de bola, contribuindo para afastar o jogo de perto da área encarnada.
MARCEL (1) Não terá sido o melhor cenário para se exigir um bom desempenho ao brasileiro. Entrou perto do fim, numa fase de desespero, e pouco podia fazer. Ainda fez um bom remate à baliza.
ROBERT (1) Não trouxe nada de novo ao jogo, como vem infelizmente sendo hábito.

No Barcelona destacaram-se Eto’o (o melhor em campo), um golo e uma assistência preciosa, Iniesta, Van Bommel, e Puyol, para além de Victor Valdés, com pouco trabalho, mas sempre muito seguro. Ronaldinho fez uma exibição bem razoável, mas curta para aquilo que dele sempre se espera.

O árbitro não teve influência no resultado - ao contrário do que sucedera com o seu colega inglês no jogo de Lisboa - mas ainda assim pareceu aplicar critérios distintos em diversas faltas a meio campo, empurrando o Benfica para trás, justamente quando a equipa portuguesa dava mostras de querer assumir o jogo. Não beneficiou o espectáculo, interrompendo-o constantemente, e distribuindo cartões por tudo e por nada, mas sempre aos jogadores benfiquistas. Uma má arbitragem.
O penalty é tão claro quanto o da primeira mão. Nou Camp é que não é a Luz...

VEDETA DO JOGO : Samuel Eto’o