CREDIBILIDADE: ZERO

Já não há paciência para este indivíduo.
E a comunicação social, onde vemos com frequência gente a queixar-se do clima de guerra no futebol português (muitas vezes retórica falsa, pois é disso que vivem), insiste em dar-lhe voz. Ele lança o seu lixo, e eis todos os jonais a reproduzirem no instante imediato.
É ele, e só ele, que cria tal clima. Com a saída de Bruno de Carvalho e o inefável Saraiva de cena, ficou sozinho neste negro palco. Faz os seus números semanais, mais os seus ajudantes, e vai ganhando a vida.
Não espero nada de "O Jogo". Mas jornais com história respeitável como "A Bola" e o "Record" há muito deveriam ter deixado de servir de caixa de ressonância para tantas e tamanhas baboseiras.
Um dia irá provar-se que este fulano esteve por trás de uma das maiores operações de terrorismo comunicacional alguma vez levadas a cabo no nosso país, com o patrocínio de um roubo de correspondência privada, e a criação de uma narrativa em redor do seu conteúdo que visava destruir uma entidade desportiva. Nesse dia terão vergonha de lhe terem dado voz. Então, talvez seja tarde para recuperar a reputação.
PS: Atenção à caixa de comentários de alguns blogues, e a alguns fóruns benfiquistas. Estão repletos de infiltrados sob a capa de benfiquistas "exigentes". Faz parte da metodologia para desestabilizar o clube.

2 comentários:

pedro esteves disse...

Amigo, há uma guerra contra o Glorioso, Uma Fatwa cobarde, criminosa, desonesta, pulha, canalha e terrorista, envolve Instituições que "gerem" o Futebol em Portugal, C. social, e fundamentalmente 2 clubes ditos rivais, que falidos e desesperados, tiveram que se unir para encomendar o roubo da correspondência privada do SLB. Há coisas mal no nosso clube, outras menos bem, mas somos Líderes, somos Campeões, e só unidos Venceremos. quanto ao insolvente referido, é um pobre diabo falido, cobarde e com ó prazo de validade expirado.
Sócio 6598 Pedro Esteves
(deixei de comprar a Bola e o Expresso há vários anos).

Anónimo disse...

Não é este celerado e criminoso que está por detrás do crimes de terrorismo comunicacional, é quem o foi buscar, quem lhe manda e quem lhe paga.
A mesma organização mafiosa que agora prolonga a criminalidade organizada que existe há mais de 30 anos no desporto, que inclui o doping, a corrupção generalizada e a compra de agentes desportivos, com jogadores adversários à cabeça, assim como os órgãos de soberania na justiça e na política e à CS dominada por eles, ao terrorismo comunicacional baseado em roubo de informação confidencial de concorrentes e de órgãos de soberania através de testas de ferro adeptos do clube (hackers) que foram bem pagos pelo serviço.

Tudo isto é conhecido, falta que seja provado em tribunal se os órgãos jurisdicionais o conseguirem fazer, quando sabemos que o outro processo, Apito Dourado, foi frustado pelo tráfico de influências existente dentro da justiça.