07/12/17

PARA ATACAR O PENTA

Ao que se diz, Rui Vitória pretende ter apenas 24 jogadores para o resto da temporada, tendo em conta o afastamento das competições europeias.
Fosse eu a escolhê-los, e seriam os constantes da figura acima. As duas incógnitas correspondem às duas contratações que, a meu ver, são necessárias (preferencialmente jogadores acima de suspeita para entrar, "de caras" na equipa titular). Trata-se de um lateral-direito (por exemplo, Cancelo ou similar), e um defesa-central (por exemplo Garay ou similar). Convinha serem rápidas, até porque o mês de Janeiro é exigente, com um Benfica-Sporting e um Braga-Benfica, entre outros compromissos importantes.
Em sentido contrário, 11 dispensas (empréstimos, vendas, ofertas, ou equipa B, conforme os casos): Pedro Pereira, Douglas, Lisandro Lopez, Kalaica, Marcelo Hermes, Filipe Augusto, Martin Chrien, Keaton Parks, Chris Willock, Ola John e Gabriel Barbosa.

6 Comments:

Anonymous Chama que Anima! said...

Boas!

Globalmente concordo. Apenas duas pequenas diferenças em relação ao teu plano:
1)Não acho que seja necessário mais um central. O Luisão está aí para as curvas, o Rúben é aquela máquina e o Jardel está a recuperar a forma. O 4º poderá ser o Kalaica ou baixar o Samaris.
2)Tenho gostado muito do Keaton Parks, acho que está mais perto da A do que da B. Emprestava o João Carvalho.

Absolutamente indispensável será um lateral direito. Tipo Cancelo era excelente!

Saudações Benfiquistas! E rumo ao PENTA!

8.12.17  
Anonymous Flic Flac Açores said...

Um bom lateral direito e o Mitroglou (há que ter coragem e emendar a mão - pede-se por empréstimo e abate-se no crédito) para fazer GOLOS (É que o resto já vimos o que valem...)

8.12.17  
Blogger Karl Humanus said...

Partamos as máquinas
Quando o fumo e o óleo substituíram o cheiro a bosta e a cavalo nas principais cidades europeias oitocentistas e as máquinas chegaram para substituir o trabalho braçal, os operários partiam as máquinas convencidos de que elas eram responsáveis pelo desemprego surgido. Digamos que em Portugal também há muita gente "desempregada" dos velhos hábitos que começou a partir as "máquinas" simbólicas do futuro do Benfica em construção. Exaltada com as derrotas no futebol de onze - como se o Benfica se reduzisse ao futebol de onze e aos euroganhos na Champions -, essa gente vê o futuro como o anjo do quadro Angelus Novus de Paul Klee via o futuro da modernidade: um montão de ruínas, uma tempestade, um desastre total.
Ora, quando analisamos este Benfica temos dois efeitos: o primeiro consiste em reduzir o Benfica ao futebol de onze; o segundo consiste em pretender resultados vitoriosos instantâneos no futebol de onze.
Muito em particular, benfiquistas exaltados, falsos benfiquistas e capangas das hostes do Puto da Camorra e do Mestre Ubu atacam o futuro formador e universitário do clube cujos trabalhos já começaram. A ideia é esta: deixemos o oneroso futuro formador em paz e ponhamos o Benfica da Liga A com reforços externos de jeito e a ganhar tudo sempre. Não há meio termo: é sempre para sempre com reforços. Por outras palavras: temos a alma na estranja, os bons jogadores só podem estar lá fora. Santos de casa não fazem milagres - eis a filosofia do benfiquismo periférico, de aldeia atraída pelo néon exterior.
Nesse interim, emocionados, hostis à formação cientificamente conduzida, não somos capazes de ver a actual fase de transição, híbrida, mestiça, em curso: o Benfica está a sair de uma fase da sua história e começou a dar os primeiros passos na outra fase, a fase da modernidade formadora e empresarial. Estamos de tal maneira agarrados a partes da fase antiga que estamos cegos ante o futuro em marcha, futuro que amaldiçoamos com todas as nossas forças como o anjo de Klee. Futuro que contempla em absoluto novos métodos de formação dos futuros atletas e, entre outras modalidades, a do futebol de onze. Futuro que é caro, futuro que exige dinheiro para múltiplos usos, futuro que será cada vez mais mundializante, multinacional. Os desaires que estão a acontecer no futebol de onze - nas outras modalidades nada disso sucede - têm absolutamente a ver com a entrada na nova fase. Os pistons são outros, o carburador é diferente. A pouco e pouco estão a chegar - e continuarão a chegar - à equipa do futebol de onze novas caras, jogadores jovens, novas modalidades de jogo, processo que requer tempo e acertos. Isto é um processo dialéctico, não um estado fixo, não obra apenas de A ou B. Desaires hoje, vitórias reforçadas amanhã.
Raivosos, sedentos de agressão, investimos contra LFV, contra RV, contra o que alguns chamam depreciativamente "superestrutura", queremos linchamentos imediatos, cabeças penduradas, a catarse das coisas cheias de sangue.
Mas o que verdadeiramente sabem os benfiquistas dos processo em curso no clube? O que verdadeiramente sabem sobre a modernização em curso? O que verdadeiramente sabem sobre a modernidade nas outras modalidades? Quando deixarão os benfiquistas de reduzir o clube ao futebol de onze imediato, ao futebol de onze sopa de pacote, ao futebol de onze pronto a servir com reforços pagos a peso de ouro?
Quando abandonarão o benfiquismo medievo, o benfiquismo chorão, o benfiquismo das vísceras, o benfiquismo do presente, o benfiquismo-Cro-Magnon?
https://oubenficaouracha.blogspot.com/2017/12/partamos-as-maquinas.html

8.12.17  
Blogger Karl Humanus said...

Partamos as máquinas!
Quando o fumo e o óleo substituíram o cheiro a bosta e a cavalo nas principais cidades europeias oitocentistas e as máquinas chegaram para substituir o trabalho braçal, os operários partiam as máquinas convencidos de que elas eram responsáveis pelo desemprego surgido. Digamos que em Portugal também há muita gente "desempregada" dos velhos hábitos que começou a partir as "máquinas" simbólicas do futuro do Benfica em construção. Exaltada com as derrotas no futebol de onze - como se o Benfica se reduzisse ao futebol de onze e aos euroganhos na Champions -, essa gente vê o futuro como o anjo do quadro Angelus Novus de Paul Klee via o futuro da modernidade: um montão de ruínas, uma tempestade, um desastre total.
Ora, quando analisamos este Benfica (Benfica é um processo) temos dois defeitos: o primeiro consiste em reduzir o Benfica ao futebol de onze; o segundo consiste em pretender resultados vitoriosos instantâneos no futebol de onze.
Muito em particular, benfiquistas exaltados, falsos benfiquistas e capangas das hostes do Puto da Camorra e do Mestre Ubu atacam o futuro formador e universitário do clube cujos trabalhos já começaram. A ideia é esta: deixemos o oneroso futuro formador em paz e ponhamos o Benfica da Liga A com reforços externos de jeito e a ganhar tudo sempre. Não há meio termo: é sempre para sempre com reforços. Por outras palavras: temos a alma na estranja, os bons jogadores só podem estar lá fora. Santos de casa não fazem milagres - eis a filosofia do benfiquismo periférico, de aldeia atraída pelo néon exterior.
Nesse interim, emocionados, hostis à formação cientificamente conduzida, não somos capazes de ver a actual fase de transição, híbrida, mestiça, em curso: o Benfica está a sair de uma fase da sua história e começou a dar os primeiros passos na outra fase, a fase da modernidade formadora e empresarial. Estamos de tal maneira agarrados a partes da fase antiga que estamos cegos ante o futuro em marcha, futuro que amaldiçoamos com todas as nossas forças como o anjo de Klee. Futuro que contempla em absoluto novos métodos de formação dos futuros atletas e, entre outras modalidades, a do futebol de onze. Futuro que é caro, futuro que exige dinheiro para múltiplos usos, futuro que será cada vez mais mundializante, multinacional. Os desaires que estão a acontecer no futebol de onze - nas outras modalidades nada disso sucede - têm absolutamente a ver com a entrada na nova fase. Os pistons são outros, o carburador é diferente. A pouco e pouco estão a chegar - e continuarão a chegar - à equipa do futebol de onze novas caras, jogadores jovens, novas modalidades de jogo, processo que requer tempo e acertos. Isto é um processo dialéctico, não um estado fixo, não obra apenas de A ou B. Desaires hoje, vitórias reforçadas amanhã.
Raivosos, sedentos de agressão, investimos contra LFV, contra RV, contra o que alguns chamam depreciativamente "superestrutura", queremos linchamentos imediatos, cabeças penduradas, a catarse das coisas cheias de sangue.
Mas o que verdadeiramente sabem os benfiquistas dos processos em curso no clube? O que verdadeiramente sabem sobre a modernização em curso? O que verdadeiramente sabem sobre a modernidade nas outras modalidades? Quando deixarão os benfiquistas de reduzir o clube ao futebol de onze imediato, ao futebol de onze sopa de pacote, ao futebol de onze pronto a servir com reforços pagos a peso de ouro?
Quando abandonarão o benfiquismo medievo, o benfiquismo chorão, o benfiquismo das vísceras, o benfiquismo do presente, o benfiquismo-Cro-Magnon?
https://oubenficaouracha.blogspot.com/2017/12/partamos-as-maquinas.html

8.12.17  
Blogger Pescasub59 said...

o Rafa???

12.12.17  
Blogger artnis said...

Para lá das interrogações, sobretudo, à direita !...É necessário substituir o Mitroglou (e, num caso e no outro, com ou sem o 'amigo' Jorge Mendes, nem é preciso ir muito longe ou deitar fora mais 22 milhões...!!!) e tentar o empréstimo para acabar de formar Renato Sanches !...

Se o 'grande líder' em obediência à Máfia bancária continuar a estender a mão aos insolventes e falidos dragartos !...

Esqueçamos o P3N7A !!!

12.12.17  

Enviar um comentário

<< Home