29/03/17

INSTRUMENTALIZAÇÃO, MÁ GESTÃO, LESÕES: o balanço da semana das selecções

Todas as tentativas de instrumentalização da Selecção a que temos assistido (uma pseudo-claque provocatória, um número de circo de um dirigente do Sporting, comunicados para cá e para lá, etc) partem do problema identificado no texto anterior: não faz qualquer sentido inserir jogos internacionais no meio das competições clubistas, e num momento em que estas estão particularmente acesas.
A poucos dias de um "Clássico" que pode resolver o campeonato, esperavam o quê? Paz e concórdia? Que se passasse uma borracha sobre tudo o que move o adepto comum? Uma lobotomia colectiva?
É verdade que a FPF não tem culpa dos calendários estapafúrdios que a FIFA impõe. Mas também não sei se faz alguma coisa para os denunciar. Além de que este amigável Portugal-Suécia poderia muito bem ter sido evitado.

É também espantoso como Fernando Santos, mesmo com um título de Campeão Europeu no bolso (obtido com a sorte de um Euromilhões), consegue fazer uma gestão da equipa tão...antipática.
A poucos dias do Benfica-FC Porto, eis que coloca em campo Nelson Semedo, Pizzi e Eliseu, quando nenhum deles foi utilizado (se exceptuarmos 5 minutos de Pizzi) no jogo que verdadeiramente interessava, e que, por acaso, se disputava na Luz. 
Sr. Seleccionador: todos somos portugueses, e gostamos de ver a Selecção vencer, mas ninguém (a começar, espero, pelos próprios) comparará a importância do jogo do próximo sábado com a do de ontem. Não acredito que faça a sua gestão olhando a clubes. Mas se calhar, e se quiser mesmo ter o povo atrás de si, e da equipa, devia também pensar um pouco neles, e não os tratar desta forma ostensivamente negligente.
Nélson Semedo é incomparavelmente melhor que Cedric. Mas se não joga os encontros oficiais, a motivação para homenagens a Ronaldo não será grande. Passeou-se pelo campo, como teria feito o jogador do Southampton, e como fizeram quase todos os restantes.
Pizzi é o médio português em melhor forma, e com a melhor época, mas praticamente não jogou com a Hungria. A quatro dias do "Clássico", é colocado em campo para esta homenagem ou lá o que foi. Se o estado de espírito do médio benfiquista fosse igual ao meu, nem sequer tinha voado para a Madeira.
Eliseu dificilmente tiraria o lugar a Guerreiro. Mas Pizzi e Semedo eram titulares de caras na equipa. Como português, gostava de os ter visto no sábado. Como benfiquista, preferia não os ter visto ontem.

Lindelof, Eliseu e Jimenez. Mais três lesionados, é o balanço desta estúpida semana.