07/10/14

GUIADOS PELA JUSTIÇA


Seria difícil estabelecer um nexo de causalidade entre a liderança isolada do Benfica na classificação do Campeonato, e a maravilhosa atitude dos benfiquistas nos últimos minutos do jogo com o Zenit para a Liga dos Campeões. Mas uma coisa sucedeu à outra, como que premiando o trabalho, o esforço, a fé e o sentido de comunhão que haviam sido demonstrados dias antes, e constituem parte integrante da nossa matriz identitária.
O que se viu na partida internacional foi belo, e incomum em estádios portugueses. Algumas mentes mais empedernidas desdenharam daqueles aplausos, confundindo a satisfação por um resultado (e nenhum de nós saiu satisfeito da Luz nessa noite), com o reconhecimento do trabalho de profissionais que, perante múltiplas contrariedades, lutaram até à última gota de suor por um desfecho mais feliz. Participar naquele momento foi algo que me orgulhou enquanto benfiquista, enquanto apaixonado do futebol, e até enquanto português.
Como tantas vezes acontece, no futebol e na vida, justiça seguiu os seus próprios caminhos: no domingo, uma conjugação de resultados favoráveis guindou o Benfica à liderança da tabela classificativa, algo que afaga a moral da equipa e dos adeptos, e constitui precioso estímulo para os compromissos vindouros.
Vencer o Moreirense não foi tarefa fácil. Em primeiro lugar devido à organização colectiva que o conjunto minhoto apresentou, em segundo lugar devido ao anti-jogo que cedo começou a praticar, e em terceiro a um certo adormecimento do Benfica ao longo da primeira parte – o qual poderá ter a ver com o desgaste físico e anímico da partida anterior, mas que deverá servir de aviso para uma equipa que tem na conquista do Bi-Campeonato a sua grande prioridade.
Nos próximos dias, mais um duplo compromisso. E mais um desafio à concentração competitiva da nossa equipa. Todo o grupo de trabalho estará certamente desperto para a importância do jogo de Leverkusen. É muito importante que se mantenha ainda mais desperto para o jogo com o Estoril.