23/04/14

OS BONS DA FITA

Nem um golo que ninguém viu, nem um penálti teatralizado por Capel (ambos no jogo de Setúbal), impediram as hostes sportinguistas de passar uma semana inteira a coagir os árbitros, vitimando-se até à náusea, numa prática que tem sido imagem de marca do clube de Alvalade. O folclore é habitual, mas já era tempo de todos os agentes (sobretudo árbitros, mas, também, comunicação social) o reconhecerem, reduzindo-o à sua real insignificância. Infelizmente, não só um corrupio de comentadores logo se dispôs a assegurar que sim – que o Sporting tem sido “o mais prejudicado” -, como as arbitragens da jornada seguinte vieram confirmar o velho ditado popular segundo o qual: “quem não chora, não mama”. Eis que o clube do luto, dos comunicados, dos movimentos “basta”, das montras de talho partidas, e dos depósitos na conta bancária de fiscais-de-linha, ganha com um golo irregular, vê um penálti por assinalar na sua área, e assiste à expulsão injusta de um jogador adversário - tudo compondo uma espécie de evangelho segundo Proença. No outro campo onde se jogava para o título, um árbitro que entretanto viu ameaçados os seus bens e a sua família, tendo sido ferozmente acusado de “benfiquismo” pelo próprio presidente do Sporting, rapidamente se apressou a demonstrar uma estranha “isenção”, assinalando um penálti inexistente aos cinco minutos de jogo, e poupando a expulsão de um jogador madeirense pouco tempo depois. Não sei como vai a contabilidade de Bruno Carvalho quanto a pontos ganhos e perdidos. Assim de repente, recordo-me do empate no “dérbi” da primeira volta com um golo em fora-de-jogo de Montero, e um penálti por marcar sobre Cardozo; de golos irregulares em Coimbra e em Olhão; de um penálti fora …do campo, contra o Belenenses; de outros penáltis inexistentes em Alvalade, contra V.Setúbal e Marítimo; para além dos já mencionados benefícios das duas últimas jornadas. Quantos pontos aqui vão? …é fazer as contas. Será que, perante tudo isto, não podemos também nós dizer “basta”?