31/05/13

DECIDIR A FRIO

Na ressaca de três semanas terríveis para o futebol benfiquista, confesso que me é difícil expressar uma opinião que fuja à ligeireza para a qual a emoção nos remete. É assim o futebol. E são assim os adeptos que, como eu, sofrem apaixonadamente pelo seu clube.
Mas importa, neste caso, tentar estabelecer uma barreira clara entre a tristeza – comum a todos os benfiquistas, e perfeitamente natural face aos frustrantes resultados alcançados neste mês de Maio -, e o realismo com que deve ser analisado o trabalho desenvolvido ao longo de toda uma época.
O Benfica 2012-13 fez-nos sonhar. Fez-nos sonhar muito alto. Porém, devido a uma impressionante série de infelicidades, e devido, também, a alguns erros próprios e alheios, acabou sem os troféus que a qualidade do seu jogo justificava.
Se, na partida do Dragão, o pontapé de um tal Kelvin tem batido no poste, mais taça menos taça estaríamos agora em festa, e ninguém ousaria contestar os méritos daqueles que tudo fizeram para vencer. É preciso não esquecer, também, que não chegávamos a uma final europeia havia 23 anos, e não íamos ao Jamor havia oito. Somos cabeças-de-série na próxima Liga dos Campeões, e praticámos, amiúde, um futebol de altíssima qualidade, elogiado por todos, dentro e fora de fronteiras. Temos um plantel fortemente valorizado. E conseguimos no Campeonato, afinal de contas, mais pontos do que em qualquer um dos últimos 15 anos - incluindo aqueles em que fomos campeões.
É muito ténue, pois, a fronteira que separa os vencedores dos vencidos. É essa fronteira que atribui a glória a uns, deixando outros mergulhados no desalento. Não pode, todavia, ser esse exíguo fio a definir méritos e capacidades daqueles que trabalham para o sucesso, naquilo que, sendo um espectáculo, sendo um desporto, sendo até um combate, é também - e muitas vezes, principalmente – um simples jogo.
A crise que afecta muitos portugueses, e por consequência, muitos benfiquistas, deixa os ânimos mais quentes, e leva a atitudes nem sempre ponderadas. Infelizmente, também é normal que assim seja.
Cabe a quem decide triar todas essas pressões, resistir-lhes, separar o trigo do joio, ignorar estados de alma apressados, e pensar a frio naquilo que é efectivamente melhor para a estabilidade, competitividade e crescimento de um clube que, não há muitos anos atrás, ficava arredado dos títulos antes do Natal.

7 Comments:

Blogger Red2Go said...

"Uma série de infelicidades"??? Infelicidade é não saber levar de vencido o FCP de forma quase crónica, infelicidade é cair no desemprego ou sofrer uma cruel doença. A nossa época foi de facto uma infelicidade para nós, os adeptos que uma vez mais acreditaram e apoiaram quem nos tem deixado mal desportivamente falando pelo terceiro ano consecutivo.

31.5.13  
Blogger Manuel said...

Concordo com o post. Temos de manter a cabeça fria. Para mim não é difícil.

A verdade é que perdemos por dois ressaltos, um no Maxi no Porto e outro no Luisão no Jamor, ressaltos esses que enganaram o guarda-redes e nos fizeram perder os jogos.

Ninguém tem culpa dos ressaltos. Podemos culpar a pouca sorte, a nossa sogra ou quem quisermos. Agora, não se pode colocar projectos ou pessoas em causa por causa disso.

Podia colocar aqui outra vez o exemplo do Bayern o ano passado que passou por coisas bem piores do que nós.
Perderam a Champions em casa contra uma equipa inferior. Aliás perderam o campeonato quando tinham 8 (OITO!) pontos de avanço!

Ou daquela vez que perdeu a final da Champions contra o MU nos 2 últimos minutos dos descontos. Acham que os treinadores e o jogadores foram perdedores? Ou que foi razão para colocar toda a gente em causa? E era o grande Bayern.

Posso dar outro exemplo, desta vez passado com Sir Alex Fergusson:

"Em 1989, ao fim de três épocas sem títulos em Old Trafford, a paciência dos adeptos começava a esgotar-se.
Uma tarja exibida no estádio tornou-se famosa pelos aplausos recebidos:
«Três anos de desculpas e continuamos a mesma porcaria. Adeus Fergie».
O escocês aguentou-se e, 38 troféus depois, o homem responsável por pedir a sua cabeça mantém o lugar cativo no estádio, com uma opinião diferente".


A irracionalidade dos adeptos tem destas coisas. Por isso é que não são eles que dirigem o clube. Há dirigentes que estão lá precisamente para isso.




31.5.13  
Blogger No.Worries said...

A minha é opinião está aqui bem expressa:

http://oantitripa.blogspot.pt/2013/05/tenho-uma-pequena-pergunta-fazer.html

1.6.13  
Blogger Gonçalo Teixeira said...

http://www.youtube.com/watch?v=yei0Kb19dqU
partilhem isto sff. É uma vergonha a RTP...

2.6.13  
Anonymous Vitória do Benfica said...

Bem este foi um fim de semana muito interessante para aqueles que não acreditam que um dia chegará o nosso dia.

O Benfica é campeão de Juvenis e campeão europeu de hoquei em patins. Confesso que esperava que o LF escrevesse um post sobre este importante trofeu. Mas sei que tem muito que fazer.

O Benfica faz-se de homens e mulheres que acreditam num projeto de estabilidade.

O Benfica voltará ao seu lugar da Europa e de grande clube mundial

3.6.13  
Anonymous Anónimo said...

JOGARAM COMO NUNCA, PERDERAM COMO SEMPRE!!
RUMO AO TETRA!!!!

9.6.13  
Anonymous Xupa Térêsa said...

Adorei ler estes posts depois das 3 finais perdidas ! Foram semanas de constantes alegrias pelas derrotas dos padeiros ! Até cheguei a ter pena de vocês quando perderam a taça...
Com tantas alegrias que os padeiros me deram, até estou a pensar fazer-me sócio do clube eheheheh.

13.9.13  

Enviar um comentário

<< Home