18/01/13

AFIRMA PEREIRA

Há empates com sabor a vitória (Bessa, 2005). Há empates com sabor a derrota (Camp Nou, 2012). Mas há também empates com sabor a…empate. Foi o caso do último “Clássico”.
O Benfica fez mais remates, teve mais cantos, criou mais ocasiões de golo e sofreu mais faltas. O FC Porto controlou o jogo, impediu o adversário de fazer aquilo que gosta, e conseguiu o que queria, saindo do relvado em efusivos festejos. A arbitragem foi boa, deixando jogar, evitando até ao limite a mostragem de cartões, favorecendo assim um espectáculo que começou em grande estilo, manteve intensidade e emoção até final, mas não conseguiu cumprir aquilo que o frenético ritmo do primeiro quarto-de-hora parecia prometer. Houve, genericamente, correcção, quer dentro quer fora do campo. E o resultado acabou por ser justo, premiando com um ponto o empenho das equipas, e penalizando com dois os erros cometidos.
Num jogo desta natureza, com toda a pressão que o envolve, há sempre quem esteja menos feliz. O nosso Artur, por exemplo, costuma fazer muito melhor. Mas o figurão da noite, pela negativa, foi o acidental treinador portista.
Já sabemos que naquele clube ninguém tem voz própria, e todos se limitam a dizer aquilo que lhes mandam. Mas alguns, no passado recente, sabiam trazer os recados com maior assertividade. Este Pereira, que revela gritantes dificuldades em se afirmar como o verdadeiro comandante das suas tropas, espalhou-se ao comprido numa conferência de imprensa em tons de surrealismo.
Até poderíamos compreender que, mal habituado a penáltis de Lisandro, ou golos de Maicon, tenha estranhado não dispor, desta vez, do habitual obséquio dos juízes. Mas dizer do Benfica aquilo que disse, além de fazer rir o país desportivo, foi insultuoso, até para com os seus próprios jogadores.
Não é a primeira vez que o homem se enxovalha em público. Mas talvez seja uma das últimas. É que, fora do contexto em que herdou este FC Porto, não o vejo com nível para muito mais do que um qualquer Santa Clara desta vida.

7 Comments:

Blogger Jotas said...

O problema deste senhor, é o mesmo dos empegados daquele clube, são obrigados a colocar-se numa posição de subserviência e isso faz com que muitas vezes caiam no ridículo. Foi o caso.

18.1.13  
Blogger Fura-Redes said...

Foi mesmo o ponto mais negativo do clássico. E sim vai andar poucos anos nisto, não deixará saudades

18.1.13  
Blogger Manuel said...

Totalmente de acordo. Lúcido como sempre.

Apareceu um novo assunto, o doping do Armstrong e do desporto em geral, que toda a gente desconfiava mas que nunca tinha havido provas. Agora, graças à perseverança de gente competente, que em Portugal não tem existido até agora, uma coisa me tem assaltado a minha cabeça e despertado a minha intuição.

Houve notícias dos jogadores do Porto andarem a preparar-se desde Dezembro para este jogo com o Benfica. Eu notei uma frescura física fora do vulgar e uma agressividade que só se vê e que é recorrente quando jogam contra o Benfica.

Porque será? Será que os jogadores se motivam assim tanto que conseguem de um dia ou dois para outro aumentarem a sua capacidade de desempenho, motivação e consequente agressividade?

É tudo apenas ódio, como afirmam alguns, serão ameaças físicas ou outro tipo de "motivação" extra que de um dia para o outro muda todo um estado competitivo no jogador do Porto que se não vislumbra como normal?

Sinceramente, eu penso que não. Eu acho, a minha intuição diz-me (a mesma base que levou à descoberta do Armstrong), que alguns dos jogadores do Porto são "preparados" para determinados jogos decisivos. Não só contra o Benfica mas também em jogos nas competições internacionais.

Uma das melhores provas é o desempenho de muitos jogadores quando vão jogar para outros clubes fora do país. Há sempre um ou outro que volta ao clube para uma "revisão". Ainda agora o Deco cá esteve vários dias e não acredito que veio apenas para visitar amigos ou dar uma vista de olhos pelo Porto. Ainda por cima no inverno!

Acredita quem quiser, mas eu não acredito! E isto não tem nada a ver com teorias da conspiração, de que eu não gosto nada, mas com indícios muito fortes, alguns deles que já vieram para a praça pública. Quando eu "sinto" coisas que cheiram a esturro não consigo calar-me. Pronto, sou assim! E digo mais, TENHO A CERTEZA que os jogadores do Porto são "preparados"!

Mas o silêncio de tudo o que é criminoso na cidade do Porto é calado à boa moda calabresa.



18.1.13  
Blogger No.Worries said...

Surreal foram também as declarações dos corruptos a demonstrar saudades do proença... não têm mesmo um pinguinho de vergonha...

18.1.13  
Blogger Rogério Paulo said...

Caro "Manuel", concordo com o que afirmas e ainda acrescento um caso bem vivo....o Derlei. De certo estarão ainda lembrados da terrível lesão que o assolou na era Mourinho??!! 2º os comentadores o jogador estria "arrumado" para 6 meses. E, qual não é o espanto quando o mesmo "entrevado" cerca de 3 meses e uns dias volta à competição, faz um joguito com um "mija-na-escada2 e logo no jogo seguinte apresenta-se em grande forma para a Liga dos Campeões, tendo mesmo jogado que "parecia um boi"!!! Até o meu pai na altura me fez uma chamada de atenção para o caso. Nesse momento não dei especial valor mas passados alguns anos e outros tantos casos....realmente tem de haver FARMÀCIA por aquelas bandas. Uma rusga à clínica do Póvoas se calhar iria fazer luz nesta escuridão!!!

18.1.13  
Anonymous Anónimo said...

É óbvio que há doping no Porto. Como mero observador, não consigo provar, mas está à vista de todos que para além do suborno a árbitros, jogadores e dirigentes adversários (isto está provado, mas passa impune), o Porto tem um esquema de doping bem montado, sendo dos poucos clubes "grandes" a nível internacional, que nunca teve um único caso de doping. Basta analisar os últimos 15/20 anos do Porto e facilmente se constata que há um número anormal de jogadores que apareceram do nada no Porto, fizeram épocas incrivelmente boas, para depois ao saírem eclipsarem-se. Só recentemente temos os casos flagrantes do Hulk, Quaresma, Derlei e McCarthy. Em todo esse período de tempo, resumem-se a 4 ou 5 os jogadores que mantiveram o bom rendimento fora do clube. São evidencias bizarras e só quem acredite em coincidências é que não vê que de facto o Porto tem um gigantesco esquema de batota, especializado em subornos e doping.

18.1.13  
Anonymous Vitória do Benfica said...

Caros amigos
Assisto com muito interesse ao caso de Lance Amstrong coisa que dizem os entendidos nada admira,pois o ladrão anda sempre á frente da policia.

Mas interrogo-me se em Portugal tal caso se passasse seria que alguém era capaz de confessar, com consequências.

Vejo que há atletas sem dor quando mudam de clube. E volto a interpelar-me será que existem Sportinguistas capazes de defender o seu clube ou será que todos os Sportinguistas são anti-benfiquistas,antes de serem sportinguistas.

Obrigado Vieira, obrigado Jesus por manterem aquilo que eu e muitos Benfiquistas somos

20.1.13  

Enviar um comentário

<< Home