16/11/11

PORTUGAL OLÉ!


Não me recordo, nos últimos cinco anos, de um jogo tão empolgante da Selecção Nacional como este que, com goleada, valeu o merecido apuramento para o Euro 2012.


De uma equipa que tem o melhor jogador da Europa (Cristiano Ronaldo), e ainda craques de nível internacional como Fábio Coentrão, Pepe ou Nani (e quase estaria tentado a acrescentar aqui João Moutinho), espera-se sempre qualquer coisa. Quando todos eles mostram uma vontade férrea de ganhar, quando todos eles se disponibilizam a lutar pela camisola que envergam, o resultado só pode ser este: um hino ao futebol de ataque, golos, espectáculo e vibração constante até final.


E tudo começou com Ronaldo, que finalmente explodiu de “quinas” ao peito, assemelhando-se ao fantástico jogador e goleador que semanalmente vemos com a camisola do Real Madrid. Foi isso que tantas vezes faltou a Portugal nos últimos tempos, e que pouca gente compreendia ou aceitava. O maior talento da equipa, aquele que podia fazer a diferença, parecia escondido dos jogos, e escondido de si próprio, entalado entre o impulso de procurar fazer tudo sozinho e a necessidade de se integrar num colectivo tantas vezes longe do seu nível. Nesta eliminatória com a Bósnia, e particularmente neste jogo da Luz, Ronaldo foi “apenas” igual a si próprio. Fez a diferença, arrastando consigo a equipa para uma exibição categórica, e para uma vitória que ficará na história. Foi ele, claramente, a grande estrela deste apuramento, e nem outra coisa seria de esperar de quem é o jogador mais caro do mundo, e já ganhou uma “Bola de Ouro” e duas “Botas de Ouro”. Um Cristiano Ronaldo assim, é inegavelmente um ídolo para o povo português, e para quem gosta de futebol. Era isto que esperávamos dele. É isto que esperamos (e necessitamos) dele, para aspirar a uma boa fase final.


Como digo acima, a vitória não foi, porém, de uma só individualidade. Houve outros jogadores em altíssima rotação competitiva, dos quais destacaria Pepe (em grande forma), Moutinho (porventura o seu melhor jogo nesta temporada), e Miguel Veloso (apostado em ganhar definitivamente o lugar de titular). Creio que Bruno Alves, Fábio Coentrão, Raul Meireles e Nani podem fazer melhor, mas nenhum deles destoou totalmente numa noite tão arrebatadora. Até Postiga, depois de alguns assobios, acabaria por cumprir o seu papel, marcando dois belos golos, e justificando, também ele, de certa forma, a opção de Paulo Bento.


Por falar nele, o mérito do seleccionador também é inquestionável. Se a qualificação em si era, à partida, quase obrigatória, a verdade é que quando ele pegou na equipa a situação estava muitíssimo complicada. Encontrou o seu grupo de jogadores, construiu uma verdadeira identidade colectiva, e encontrou o caminho do êxito. Nem sempre concordei com as suas opções (não tanto quanto aos titulares, mais quanto à retaguarda de banco), mas não posso deixar de dizer que este sucesso (e é disso que se trata) tem a sua marca.



A Bósnia ainda assustou (quando fez o 2-1, e depois, embora já em inferioridade numérica, quando fez o 3-2), mas globalmente não se conseguiu entender com a fogosidade ofensiva dos jogadores portugueses. Já na primeira-mão esta equipa me tinha deixado a ideia de alguma permeabilidade defensiva, ideia que a partida da Luz confirmou redundantemente.



Quer-me parecer que o árbitro se enganou vezes demais. Estive no estádio, e ainda não vi todos os lances na televisão. Mas quando se ganha 6-2 até fica mal trazer para aqui razões de queixa.



Falta falar de um interveniente importantíssimo, que se portou à altura das circunstâncias: o público da Luz. Foi pena que o estádio não estivesse totalmente cheio (a crise faz-se já sentir em muitos aspectos da nossa vida), mas os que lá foram não regatearam apoio à equipa. Sabe-se que o público de selecção é totalmente diferente do dos clubes. É mais feminino (o que acrescenta um certo encanto às bancadas), porventura menos ansioso, e certamente muito mais festivo e generoso. E convenhamos que, depois de tudo o que aconteceu na primeira-mão, os bósnios estavam mesmo a pedir uma assobiadela monumental ao seu hino.



Agora virá o sorteio. Os estranhos critérios da Uefa colocam, por exemplo, a França no pote 4 e a Alemanha no pote 2. A Portugal cabe-lhe o “3”, o que significa que pode integrar um grupo com Espanhóis, Alemães e Franceses, o qual, creio, seria o mais forte grupo de sempre de uma qualquer fase final de Europeus ou Mundiais. Por mim, voto antes na Polónia, na Rússia e na Irlanda.



Portugal não é a melhor equipa do mundo. Muito longe disso. Mas tem jogadores (não em todas as posições, mas na maior parte delas) que justificam, continuam a justificar, presença assegurada nas grandes competições internacionais. Não será um dos favoritos a vencer o Euro, mas está, seguramente, entre as 16 melhores selecções europeias, pelo que seria uma injustiça futebolística um eventual fracasso nesta qualificação.

Agora, para a fase final, o objectivo exigível deve ser, tão somente, ultrapassar a fase de grupos. O resto se verá depois.

3 Comments:

Blogger Tó-zé said...

Caro LF, ao contrário de si, achei deplorável a atitude do público ao assobiar durante o hino adversário. Apesar de tudo o que possa ter acontecido na primeira mão, o futebol não é uma guerra e assobiar um simbolo de uma nação não é atitude da qual me orgulhe enquanto português.

Em relação ao jogo, foi de facto o melhor de sempre de Ronaldo com a camisola das quinas, catapultando a equipa para uma grande exibição e resultado, jogasse ele sempre a este nível e poderiamos almejar a voos mais altos.

17.11.11  
Anonymous Brytto said...

Completamente de acordo com o Tó-zé: vergonhoso assobiar qualquer hino. Mas a grande culpa também vai para os jornalistas patrioteiros que temos, cujos relatos vindos da Bósnia eram manifestamente exagerados... Como se a relva só fosse má para os Portugas e coisas do género...

Uma curiosidade, no 1º golo do Ronaldo, vcs viram onde estava o guada-redes Bósnio? Praticamente encostado ao seu canto esquerdo!!!!!!..... :))

17.11.11  
Anonymous FranciscoB said...

Não vejo qualquer interesse em ficar no mesmo grupo da Polónia ou da Ucrânia, equipas que vão ser ajudadas pelos árbitros como aconteceu na Coreia...

18.11.11  

Enviar um comentário

<< Home