21/11/11

COISAS DA TAÇA



NAVAL-BENFICA: Não pude ver o jogo em directo, e acabei por não ver a gravação integralmente. Não me parece que tenha perdido grande coisa, devendo destacar apenas mais um golo de Rodrigo, que se está a tornar um caso sério de eficácia diante das balizas. A chuva justifica alguma coisa, mas há que dizer que um Benfica tão expectante expõe-se a riscos que não deveria ter de correr.






ACADÉMICA-FC PORTO: Vi os últimos 10 minutos, ainda a tempo de me regalar com o segundo e o terceiro golo dos “estudantes”. Surpreende a incapacidade do FC Porto reagir à indolência competitiva em que se deixou mergulhar, restando saber se o problema reside no treinador (sem carisma, nem capacidade mobilizadora), nos jogadores (contrariados num clube onde já não queriam estar), ou na relação entre um e outros (que diz-se não ser fácil). Já os vi passar por situações semelhantes, e renascer das cinzas para grandes épocas (a última, curiosamente, até foi na Ucrânia, na altura diante do Dínamo de Kiev). Não dou pois, ainda, o FC Porto como um caso encerrado para 2011-12. Mas sabe bem vê-los assim.



JUV.ÉVORA-MARÍTIMO: Estive no Estádio Sanches de Miranda, e gostei bastante da réplica que a equipa eborense deu a um Marítimo na máxima força (apenas mudou de guarda-redes). Foi preciso um duplo erro de Duarte Gomes (canto inexistente, seguindo de golo em fora-de-jogo), para que os insulares alcançassem um apuramento que esteve em discussão até ao último segundo. Se jogar sempre assim, o Juventude não terá dificuldades para conseguir os seus objectivos no campeonato da 2ª divisão. Na próxima época haverá mais Taça para uma equipa que disputou vinte (!) eliminatórias desta competição nos últimos seis anos (tantas quanto o Benfica em igual período).



SPORTING-SP.BRAGA: Os jogos não se ganham sem sorte, mas por vezes a dose é exagerada. Quando o Sporting marcou o seu segundo golo (que viria a fechar o resultado), não havia feito absolutamente nada que justificasse a vantagem. E daí em diante, também pouco mais fez do que ver o adversário jogar e desperdiçar lances de ataque (mesmo em inferioridade numérica). O Sp.Braga pagou o preço da sua ineficácia, e sofreu também os efeitos de uma arbitragem bastante caseira (um golo em fora-de-jogo, e um penálti perdoado a Polga).

8 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Tu e mais 5.999.999 que viram o jogo com palas vermelhas é que viram o fora de jogo porque mais ninguém conseguiu ver. Quanto ao penalti não vejo a que lance te referes, porque o único que poderia e aceitava que fosse marcado era o do Insúa de possível mão na bola. Se te referes ao lance em que o Polga corta claramente a bola devo dizer-te que estás mais lampião que o Zé Manel da Maria Rueff.

Tira a pala dos olhos e vê que os adversários não ganham só porque são beneficiados ou têm sorte, ganham porque foram melhores e mais eficientes que os seus adversários.

21.11.11  
Anonymous Carlos said...

Polga entra a pés juntos!!! lagartices...

21.11.11  
Blogger Ricardo said...

este anonimo é muito burrinho e cegueta...

É um lance de dificil avaliação para o fiscal de linha, mas na TV ve-se quase metade do corpo do capel adiantado. Se calhar os teus olhos de lagarto é que nao conseguem ver bem... e faltou a linha paralela na repetição... porque será?? LOL Sois de rir lagartada!

21.11.11  
Blogger João Oiveira said...

hehehe. Eles saíram da toca=) Será por quanto tempo?

Em relação aos lances realmente o Capel tem o corpo uns 2 palmos à frente do jogador do Braga. É fora-de-jogo mas dificil de ver. Nunca vou criticar um árbitro por isso (a não ser que em lances iguais o critério seja sempre diferente). Quanto ao lance do Polga é mais do que um pénalti. É uma agressão. Ele corta a bola mas entra a pés juntos com os pitons à frente acertando em cheio no Alan. Jogo perigoso é livre indirecto. Quando existe o contacto nessa situação é livre directo que neste caso se traduz em pénalti. E entradas daquelas são sempre para vermelho.

21.11.11  
Anonymous mino Almeida said...

Caro LF leio-o já ha vários anos e quero felicita-lo pour tão bom trabalho, sempre em defesa do nosso Benfica e da verdade.
Há uma curiosidade nos jogos do Sporting esta temporada e que todos ou quase parecem esquecer. Eu gostava de saber quantos jogos o Sporting acabou a jogar contra 11 esta época, penso que não serão muitos. Acho que este assunto merece uma boa análise em vésperas de um jogo contra "O" rival mais directo!! Obrigado e boa continuação!!!

21.11.11  
Anonymous FranciscoB said...

Aonde está o "melhor porto de sempre", e a equipa que era uma referência de força e potência atlética que o Benfica deveria seguir... incluindo Falcão, desaparecido em combate em Madrid... e Boas, em trânsito para Málaga e para a Grécia

Não se terá tratado antes do "porto mais drogado de sempre"?

Parece tb que, a equipa exemplo de gestão a nível mundial, não tem dinheiro para pagar salários

22.11.11  
Anonymous Anónimo said...

também estive no sanches de miranda e confirmo que o nosso juventude sofreu um violento assalto do madeirense duarte gomes (sim , nasceu no funchal)para além do golo ilegal como referiu, cada vez que um jogador do maritimo ia ao chão - amarelo para o juventude. foi demais. viva o juventude

22.11.11  
Anonymous Nós Sébio said...

é evidente que o golo de capel é em fora-de-jogo. mesmo que o capel só estivesse por centímetros, o matias, que está offside por metros, faz-se ao lance.
no lance do alan, o polga acerta na bola primeiro. mas atinge-o depois com violência. ou seja, é amarelo e canto.
eu não marcaria a mão do insua, mas já se viu penalties por menos.

24.11.11  

Enviar um comentário

<< Home