10/01/11

ESCRITA EM DIA

Com o campeonato de regresso, volta também este espaço de opinião e debate.
Antes de entrar na actualidade, ficam três tópicos sobre as últimas semanas:
PAUSA COMPETITIVA- Confesso que não embarco na tendência generalizada de critica à pausa futebolística no Natal.
Em primeiro lugar, devo dizer que ela me é bastante aprazível. A quem gosta e vive o futebol intensamente, mas também tem outros interesses, fazem falta, de tempos a tempos, uns dias de sossego para pôr leituras em dia, ver cinema, ou simplesmente passear sem a preocupação de horários que os fins-de-semana futebolísticos sempre trazem com eles. A mim, particularmente, esta pausa soube-me a pouco, e ainda passaria muito bem outra semaninha sem jogos. Incomoda-me mais, por exemplo, que não se jogue nos dias das eleições.
Em segundo lugar, porque é uma mistificação total fazer dela uma singularidade portuguesa, quando o único campeonato que se joga em época natalícia é o inglês (de todos os jogos transmitidos ao longo do período festivo, confesso que apenas vi parte de um Arsenal-Chelsea). Nem em Espanha, nem em Itália, nem na Alemanha, nem na França, nem na Rússia, no Brasil ou na Argentina há jogos no fim-de-semana do Natal, e foi apenas esse que esteve em causa.
Pode discutir-se se o regresso das competições não deveria ter sido com o campeonato (e aí talvez já esteja de acordo), mas nunca me pareceria bem haver futebol num fim-de-semana que é, por tradição, dedicado a outros assuntos. E se alguma vez houver, certamente que o meu lugar no estádio irá ficar vazio.
TAÇA DA LIGA- Numa jornada em que todos os outros favoritos, com maior ou menor dificuldade, ganharam, ressaltou a derrota caseira do FC Porto, até por ser a primeira da temporada.
Foi uma derrota comprometedora, pois com ela a equipa de Villas-Boas ficou automaticamente dependente de terceiros para se qualificar para as meias-finais da prova.
Não lhe atribuí mais importância do que essa, que se esgota nesta mesma competição. O campeonato é diferente, e aí, com tudo a favor, não acredito, muito sinceramente, que o FC Porto ainda venha a perder nove pontos para o Benfica.
Que vai ser campeão, tenho poucas dúvidas. Se merece o título? Isso será outra questão. A forma como decorreu a primeira volta, e as ajudas que teve, impedem-me de responder afirmativamente.
Quanto à rentrée do Benfica, destacaria apenas o momento de forma de Sálvio, que está efectivamente a contrariar as minhas primeiras impressões sobre ele – que não eram muito positivas. Também Saviola parece melhorar, o que é uma excelente notícia para o ataque encarnado.
FERNANDEZ- Não o conheço, nunca o vi jogar, mas acredito que possa vir a ser uma boa opção. Por um lado porque é um jovem internacional argentino que não ficou caro. Por outro porque, tratando-se de um extremo-esquerdo, encaixa perfeitamente na mais carenciada de toda a equipa – não porque Gaitán seja mau jogador, mas porque aquele não é, manifestamente, o seu espaço de eleição.

2 Comments:

Blogger BT26 said...

Então mas os corruptos não dependem sempre de terceiros para as suas vitórias? Só esta época já lá vão uns 10 pontos oferecidos pelos árbitros, o que lhes retirava o primeiro lugar e, se virmos os 9 pontos já roubados ao Benfica (que por si só também nos concedia o primeiro lugar, então verificávamos que a diferença pontual nem está muito diferente do que deveria ser só mudava as posições, Benfica em primeiro lugar com 11 pontos de avanço.

Benfica sempre.

10.1.11  
Anonymous Vitória do Benfica said...

Eu continuo a considerar que o Porto tem sido profundamente beneficiado. Apostar nos Argentinos parece-me um bom negócio, porque eles entendem-se muito bem

11.1.11  

Enviar um comentário

<< Home