15/06/10

A TRISTE HISTÓRIA DE UM FUTEBOL SEM BALIZAS

Um empate a zero era, de facto, o único resultado que poderia ter acontecido numa partida particularmente marcada pelo medo e pelo calculismo.
Não se pode dizer que o Portugal-Costa do Marfim tenha fugido à regra deste Mundial - e a FIFA terá de reflectir sobre o caminho que levam este tipo de competições, disputadas em fim de época, com um formato que não favorece o risco, e estimula o total anti-futebol que genericamente se tem observado enquanto não se adormece diante do televisor -, mas quando se passam noventa minutos a trocar a bola, apenas na expectativa de um erro do adversário, dificilmente se podem esperar golos. Foi este o retrato do jogo, e o resultado não poderia ser mais adequado.
Há que dizer que, de entre as duas equipas, foi Portugal ainda assim aquela que menos exagerou na estratégia defensiva. Sobretudo Cristiano Ronaldo, na primeira parte, e Raul Meireles, enquanto esteve em campo, procuraram alguns movimentos de ruptura, mas não tiveram a companhia de mais nenhum jogador da equipa nacional, uns por estarem demasiado amarrados a um modelo de jogo muito conservador (Fábio Coentrão, por exemplo), outros por manifesta desinspiração (como Deco ou Liedson). A pressão dos africanos era intensa assim que Portugal entrava no seu meio-campo, e a cada lance notava-se uma clara assimetria físico-atlética entre os dois conjuntos.
A aposta em Danny foi um fiasco. O jogador do Zenit é efectivamente elegante quando as coisas lhe saem bem, só que ....as coisas raramente lhe saem bem. A verdade é que Simão também pouco ou nada trouxe ao jogo, não conseguindo, com uma exibição pobre, confirmar a ideia de a sua exclusão ter sido um erro. Mas até prova em contrário continuo a achar o luso-venezuelano um jogador de menos para a titularidade na selecção portuguesa.
Os primeiros minutos pareciam trazer-nos uma explosão de Ronaldo. Começou solto, a conseguir criar espaços, e esteve à beira de marcar na melhor jogada do desafio. Com o tempo foi-se limitando a toques artísticos (não faz um passe normal, sem tentar adornar o lance), perdendo toda a eficácia que a sua acção poderia ter. Se a estratégia de Queiroz era não arriscar minimamente e esperar que Ronaldo resolvesse, pode dizer-se que foi neste segundo aspecto que Portugal falhou. E sem um grande Ronaldo, será quase absurdo esperar um grande Mundial para a nossa selecção.
A segunda parte foi ligeiramente mais aberta, mas a escassez de lances junto das balizas manteve-se quase até final. Ficou sempre a sensação que este era um resultado relativamente aprazível para ambas as equipas, e que só um lance de génio poderia ditar outro destino ao jogo. Esse lance não apareceu.
O empate deixa tudo em aberto, quase como se a primeira jornada não tivesse existido. Veremos se a segunda ronda nos permite conquistar a vantagem que é lícito esperar de um confronto com a Coreia do Norte.
Individualmente Raul Meireles e Fábio Coentrão foram os mais regulares. Paulo Ferreira, Danny, Deco e Liedson os mais apagados.

10 Comments:

Blogger jose said...

concordo inteiramente com a tua cronica, foi exactamente assim que eu vi o jogo.

16.6.10  
Anonymous Anónimo said...

Estarei, talvez, enganado mas penso que a Costa do Marfim dominou largos períodos do jogo. Houve alturas, nomeadamente na primeira parte, que a "seleção" portuguesa não conseguia sair do seu meio-campo. Como equipa não conseguimos construir. Raramente ganhámos um bola dividida; a percentagem de passes certos deve ser ínfima.
Com todo o respeito penso que o seu relato do jogo é claramente lisonjeiro para o grupo nacional.
Resta-nos esperar por melhores dias !!!

16.6.10  
Blogger jfk said...

Muito fraquinho, desinspiração total.

Muito medo (supostamente quem perdesse entre os dois estaria de fora, pois à partida o Brazil vai seguir em frente).

Valeu-me estar a ver o jogo com duas amigas bem mais aprazíveis à vista do que a pobreza franciscana que o jogo revelava.

16.6.10  
Anonymous Nuno Figo said...

Liedson teve pouca bola. E não temos substituto à altura.

Deco jogou mal e esteve desinspirado. Mas infelizmente não temos substituto à altura (ter temos, mas Carlos Martins deve ter visto o jogo enquanto bebia uma jola).

Paulo Ferreira é quem mais questiono. Gosto do rapaz, acho que dá tudo o que tem... mas já tem muito pouco futebol naquelas pernas. "Envelheceu" muito e é hoje um jogador medíocre: ataca mal, defende mal, é lento, é mediano no jogo aéreo. E há alternativas para Paulo Ferreira...

Cristiano é uma tristeza. Concordo com LF... porquê adornar TODOS os lances? Para quê a tentação pelo toque bonito? Ronaldo tem que entender que, muito embora uma jogada de sonho seja repetida mil vezes nas tvs mundiais, é à custa de uma eficácia muito baixa. A equipa precisa dele a jogar simples... até porque é dessa forma que ele melhor joga - ou seja, que melhores resultados consegue.

16.6.10  
Anonymous Nuno Figo said...

Duas notas adicionais.

1º, mais um equívoco de Queiroz: a entrada de Ruben Amorim.

À parte o gosto de ver mais um jogador do Benfica a ser mundialista, achei a substituição estapafurdia. Miguel Veloso tinha que ter sido a opção. É uma 1ª escolha do seleccionador, devia ser a solução natural para substituir Meireles.

Pergunto: se Nani ainda estivesse no mundial, teria sido ele a entrar para o lugar do tatuado médio?

2º, não posso deixar de condenar a reacção de Deco aquando da substituição. Deco foi directamente para os balneários, não ficando a ver o jogo com a equipa. Inqualificável e uma prova clara de que põe o seu umbigo à frente da equipa.
Pena não estar lá ninguém para o substituir (Carlos Martins... Moutinho... Assis). Um treinador com tomates mandaria o "luso-brasileiro" descansar umas semanitas no balneário, já que ele gosta tanto de ir para lá.

Queiroz perdeu-se no labirinto das suas ideias.
A sua liderança é fraca e não tem mão sobre uma equipa, visivelmente, em busca de uma voz de comando.

Seja como for... força Portugal!

16.6.10  
Blogger BoyGenius said...

... e eu, que inocentemente achava que assim que começa-se o mundial as coisas se puderiam compor... ...sou mesmo inocente!
Mais do mesmo!

16.6.10  
Anonymous José Sousa said...

Pelo que vi, nos dois jogos do Grupo, vai ser muito complicado marcar à Coreia do Norte. Se assim acontecer temos o destino traçado...

16.6.10  
Anonymous Anónimo said...

uma coisa é certa: a meio da época não pode ser...


enquanto for este o seleccionador não alimento ilusões.


cj

16.6.10  
Anonymous Vitória do Benfica said...

Confesso que por motivos profissionais não vi o jogo. Mas confesso que esperava isto mesmo. O seleccionador escolheu jogadores vindos de lesões mal . O treinador não tem leitura de jogo e o capitão é um menino birrento.
Vi o Brasil Coreia e impressionou-me o japonês naturalizado coreano a chorar copiosamente, logo se viu que aqueles jogadores, com face subnutrida, iriam dar tudo em campo e assim o fizeram. Portugal com esta equipa com jogadores que nem o hino cantam, nada vai fazer. Se chegarem a Portugal com três pontos acho um feito. Também era previsível. Hoje gostei de ver o Uruguai e o Maxi portou-se bem. Do que vi, até agora gostei muito do Holanda Dinamarca e do jogo da Alemanha, a Austrália nada joga.

17.6.10  
Anonymous Anónimo said...

Concordo com quase tudo.
NOTA: temos substituto para o Liedson, chama-se Hugo Almeida e pode trazer qualquer coisa diferente pelo poderio fisico.
incompreensivel como Moutinho nao esta nesta equipa.

Diogo

17.6.10  

Enviar um comentário

<< Home