A UM PEQUENO PASSO DO ABISMO

Estou firmemente convencido que ao minuto noventa do jogo desta noite, o Sporting estava com um pé fora das competições europeias. A derrota caseira obrigaria a pontuar em Berlim, perante um Hertha necessitado de ganhar, e este Sporting dificilmente estaria em condições de resistir a tão grande pressão emocional e competitiva.
O golo de Grimi foi pois uma dádiva dos céus, que irá permitir aos leões encarar a prova com outra ambição – os dezasseis-avos de final são apenas em Fevereiro, e até lá muita água vai correr debaixo das pontes -, e manter, para já, o ambiente desanuviado entre os seus seguidores. Chegou numa altura em que já ninguém esperava, e na sequência de uma exibição sofrível da equipa de Carvalhal, bem ao nível do que de pior já se viu naquele estádio na corrente temporada.
Quem, entre os sportinguistas, se queixa do golo no último minuto em Guimarães, teve aqui mais uma resposta: depois de Twente, Paços de Ferreira, Olhanense e Ventspills, esta foi, que me lembre, a quinta vez que o Sporting desta época se salvou de resultados negativos nos últimos instantes das partidas, o que, se atesta a crença da equipa, também mede as enormes dificuldades que encontrou em todos esses importantes momentos. Ao contrário do que dizem os seus adeptos, com um pouco menos de sorte (nos sorteios da Taça de Portugal e da Liga Europa, nos golos em desespero de causa, e até com arbitragens como a que hoje lhe poupou um penálti), o Sporting poderia ter caído no abismo total, e ver já a sua temporada completamente perdida. Qualquer V.Guimarães ou Everton se encarregaria de o comprovar. Assim, lá vai sobrevivendo, entre a angústia e a esperança num futuro melhor.

Liedson tem razão. Sozinho no ataque não rende nem metade, motivo pelo qual Paulo Bento montou um sistema à sua medida. Sendo ele, de longe, o melhor jogador do Sporting (e único com verdadeira dimensão internacional), justificava-se que tal sucedesse. Com o 4-2-3-1 imposto por Carvalhal, o Sporting fica mais compacto, consegue manietar equipas mais fortes (foi o que aconteceu com o Benfica), mas perde claramente poder ofensivo. Nos jogos em que tem mesmo de atacar (e de marcar), nota-se um impressionante défice no interior da área, onde o levezinho, fixo entre altos e fortes defesas-centrais, se vê obrigado a travar uma luta desigual, evidenciando a fragilidade física que um 4-4-2 apelativo a sua maior mobilidade sempre foi capaz de esconder. Trata-se, na verdade, da história do lençol curto, que tapando os pés (maior consistência a meio-campo), destapa a cabeça (poder de fogo do seu grande goleador). Enfim, um difícil puzzle para Carvalhal resolver, pelo menos até que cheguem (se chegarem) os prometidos reforços.
Um clube que, num jogo que valia uma qualificação europeia, apenas coloca 12 mil pessoas no estádio, não merecia passar. Mas a justiça do futebol é assim mesmo, e com o mais fácil grupo de que há memória na história das provas europeias (pelo menos no que toca aos emblemas nacionais), com golos providenciais nos últimos minutos, com arbitragens simpáticas, o Sporting lá vai, juntamente com o Benfica, para a fase seguinte da Liga Europa.

9 comentários:

Vitória do Benfica disse...

Foi uma exibição muito probre mas mesmo muito pobre. E também com muita sorte. Eu não consigo entender é como é que o Benfica não ganha a clubes com este nível exibicional. Com sorte e com a ajuda da arbitragem o Sporting ainda vai parar ao segundo lugar do Campeonato isto se o Braga for castigado por causa do túnel de Braga

LF disse...

Também eu, depois de ver este jogo, me interroguei como foi possível o Benfica não ganhar a esta equipa.

Anónimo disse...

Pq sao equipas equivalentes...

LF disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
LF disse...

É como a equivalência do Saviola com o Caicedo...

sigmund disse...

Não ganhou por questões motivacionais. Nós viamos este jogo com a seriedade com que vemos todos os jogos do campeonato, embora o facto de jogarmos fora com um teórico candidato nos tirasse alguma "urgência" em vencer. Já eles faziam o jogo da época. Não podiam perder em casa com o clube que lhes serve de referência. E, como estavam as coisas, até temiam ser goleados. Jogaram a 200%, nós jogamos a 100%. Deu empate.

xupa térêsa disse...

Começo a pensar que o amigo vedeta da bola é lagarto! Você não pára de falar em nós pá! E fala sempre em termos de inveja e ódio que, como se sabe, andam sempre perto um do outro... Eu bem dizia que o empate para o SPORTING foi um grande resultado, basta ver a azia que vai vestida de vermelho nos comentários anteriores. Pois, agora até já estavam a esfregar as mãos com a nossa eliminação da Europa, né? Mais uma azia! Deixe os lagartos em paz e fale na miséria que está a voltar á equipa dos padeiros da luz que, com o orçamento que tem, era para ser já campeão... Bem, pela sua classificação "real" já está quase!

Mandrake disse...

Quando o Sporting marca nos últimos minutos... é sorte!

Quando sofre golos nos últimos minutos... é futebol!

Já se for o Benfica a marcar nos descontos é "a vitória do querer", "a garra de Jesus" e por aí fora...

Já agora, com sorte ou não, o FCP foi ganhar a Guimarães por 1-4... à mesma equipa que eliminou, na Luz, o Benfica da Taça de Portugal.

Tudo isto são factos, mas há quem prefira adjectivações ao sabor das suas próprias cores...

Ok, são gostos! Mas não nos queiram convecer a todos a acreditar no Pai Natal...

Saudações leoninas, parabéns pelo blogue que, à parte estes "puxar da brasa à sardinha da casa", me parece muito bem feito, daí ser visita frequente.

Ah e boa sorte para os nossos clubes na Liga Europa, até porque Portugal precisa de mais uns pontinhos...

eduardo disse...

deixa lá os outros clubes, já que censuras a merda deste blog; até o sporting te atrapalha.... tsss tsss tssss