PONTAPÉ NAS AMBIÇÕES

Um golo fortuito obtido nos últimos instantes da partida não pode fazer esquecer, nem a medíocre exibição do Benfica, nem, sobretudo, a perda de dois importantíssimos pontos num momento crucial do campeonato. E há que dizer desde já que, mau grado todos os azares que o perseguiram ao longo da noite, o Benfica tem principalmente de se queixar de si próprio por não ter alcançado a vitória de que precisava.
Não se entende a forma como os encarnados entraram em campo. A passividade, a displicência e a sobranceria evidenciadas nesses minutos iniciais chegaram a ser chocantes, e acabaram por ter a consequência esperada. Lembrei-me várias vezes do jogo da Trofa, que significou o princípio do fim do Benfica de Quique Flores, e ainda me interrogo como é possível a equipa da Luz continuar a protagonizar este tipo de abordagem competitiva em jogos que - sabe-se perfeitamente - obrigam a total disponibilidade física e mental, contra adversários extremamente agressivos, provocadores e dispostos a deixar a pele em campo para agradar a muita gente (própria e não só).
Para além de todo o défice de dinamismo e de concentração revelado pelo Benfica, e do qual os golos dos algarvios são excelente exemplo, Di Maria resolveu dar um pontapé na sua própria equipa, mostrando que lhe falta ainda muita coisa para ser o jogador que julga ser. Não estava a jogar rigorosamente nada (o que acontece desde há algumas semanas, diga-se), mas ao agredir o adversário e ver o consequente cartão vermelho, deitou por terra a principal vantagem que o Benfica tinha nessa fase do jogo, e que lhe permitiria um olhar diferente sobre a segunda parte. A lesão de Ramires foi mais um golpe duríssimo para os encarnados, e deixou uma vez mais a ideia de que este jogo estava mesmo destinado a correr mal.
Ao longo de toda a segunda parte, o Benfica mostrou uma intrigante incapacidade para dar a volta às circunstâncias da partida. Não construiu desequilíbrios, não criou oportunidades, quase não rematou à baliza. Até final foi sempre uma equipa assustada consigo própria e com o jogo, não conseguindo superar os problemas que o Olhanense lhe foi colocando, sobretudo no preenchimento dos espaços à frente da sua área, onde ficou totalmente manietado. Jogou com muitos avançados, mas a inspiração era nula, e a organização também não parecia ser a melhor. Além de que o empenho chegou tarde demais. Se exceptuarmos as prestações de Maxi Pereira e Fábio Coentrão (os mais regulares, ainda que muito longe de qualquer brilhantismo), mais ninguém denotava discernimento para tentar, ao menos, pegar no jogo e buscar o golo com decisão.
O empate surgiu quando já não ninguém esperava – nem se justificava -, e acaba por minimizar os danos de uma noite de bruxas. Mas os contornos desta partida não podem, sob vários pontos de vista, deixar de lançar algumas dúvidas sobre o verdadeiro estofo do Benfica para chegar ao título. Quer em termos físicos, quer em termos mentais, pois o cenário montado em Olhão, à semelhança do que ocorrera em Braga, vai seguramente voltar a repetir-se noutros campos e com outros protagonistas. Sem lhes saber resistir, como pareceu ficar claro, não haverá campeão na Luz.
Para o jogo com o FC Porto Jesus não vai poder contar com Ramires, Ruben Amorim, Di Maria e Fábio Coentrão, o que, estou em crer, vai obrigar a uma alteração táctica (eventualmente um losango mais fechado, com Carlos Martins e Felipe Menezes como interiores). O jogo será diferente, mas temo que venha a ser fortemente condicionado por estas ausências.
Resta referir que a arbitragem foi a possível, num jogo complicadíssimo de dirigir, carregado de casos de indisciplina e de provocações constantes entre os jogadores (tal como, aliás, se esperava). Não foi uma arbitragem perfeita (por exemplo, o primeiro golo do Olhanense nasce de um livre inexistente), mas não creio que tenha sido por causa dela que o Benfica não ganhou.

22 comentários:

iBenfiquista disse...

Comentário perfeito.

A sorte conquista-se e hoje a sorte não quis nada com o Benfica. Por culpa própria. A começar no primeiro golo. Livre não existente e cabeçada defeituosa que colocou a bola num jogador Olhanense.

Para a semana vamos ganhar. Penso que este foi o melhor resultado para espicaçar os jogadores.

Anónimo disse...

Quando falei na quebra física ninguém quis acreditar, mas a queda exibicional deve-se a isso.
E durante o mês de Janeiro irá continuar.
A partir de Fevereiro/Março virá o período de recuperação de fulgor.

cj

Anónimo disse...

Este é o jogo em que shaffer podia ser titular...já que o jesus não gosta dele como lateral porque não pôr-lo a extremo esquerdo no lugar do di maria...e a táctica mantinha-se..ou com a subida do maxi...deixando a lateral pro miguel vitor!!!era uma surpresa agradável...e no caso de uma eventual vitória ganhavamos dois jogadores ( ou melhor, um, porque jesus já deu a entender que não gosta muito do shaffer...o que é uma pena!!)Por isso o meu 11 seria:

Quim

Miguel Victor - Luisão -David Luiz - Cesar Peixoto

Javi

Maxi - Aimar - Shafer

Saviola - Cardozo

Mantinha-se as designadas rotinas de jogo..

Bruno Venâncio disse...

O árbitro não teve influência no resultado, na minha opinião. O jogo acabou com 5 amarelos para cada lado e 2 vermelhos para o Olhanense e um para nós. O livre que dá o primeiro golo do Olhanense nasce de falta inexistente de Ramires, mas um minuto antes tinha havido um livre igual para nós (mal assinalado). Portanto, por aí estamos quites. Deixam-me algumas dúvidas o golo do Toy, mas é muito semelhante ao do Nuno Gomes. E na expulsão do Djalmir, até podemos estar agradecidos, pois Cardozo, que é muito burro, podia perfeitamente também ter sido expulso. Di María é o que venho a dizer há muito tempo: muito potencial, muito talento para ser explorado, mas ainda lhe falta tanto, tanto, para ser um bom jogador. É um miúdo burro e imaturo. Não tem ponta de inteligência. O árbitro fez o que podia e devia. Aliás, Carlos Fernandes nem lhe fez nada naquele lance que justificasse uma atitude daquelas. Indescritível. Só o amarelo a Coentrão é que acho forçado, mas sinceramente, foi na linha de toda a arbitragem, que considerei boa. Esteve coerente com o que vinha a fazer até então. Burro foi o Jesus em pôr o Coentrão mais a defender quando sabia que já nem ia ter o Di María no jogo com o Porto. Isto sim é ter falta de visão. E se quisermos ser imparciais a sério, David Luiz também deveria ter sido expulso, ou amarelado, no mínimo. E não foi. E o Miguel Garcia acabou por ser por tirar de esforço. Portanto, na minha óptica, não temos de nos queixar do árbitro. Temos antes de criticar a atitude com que a equipa entrou no jogo, na minha óptica totalmente incorrecta. JJ não soube galvanizar a equipa para aguentar psicologicamente este jogo. Viu-se desde o 1º minuto que os jogadores estavam todos condicionados a pensar no jogo com o Porto, e como cada um se aguenta psicologicamente de formas diferentes, tivemos a resposta sobre quem é maduro e quem não é. Cardozo mostrou que não é (e já tem 26 anos). Di María é um puto estúpido. E David Luiz teve sorte porque conseguiu dissimular uma agressão. É nisto que temos de ponderar. A culpa dos insucessos é sempre do treinador, sempre defendi isto. E hoje foi de novo. Apenas e só. Esta é a minha opinião. Curiosamente, os meus comentários iguais a este foram banidos do blog Anti-Tripa, e acusaram-me de ser... portista e que só criticava o Benfica. Acham normal? Eu não. Estou a defender os interesses do meu clube, os verdadeiros interesses, que não se baseiam só em pensar que os árbitros estão todos contra nós. Eu tenho outra filosofia de estar na vida, e de estar no desporto.

Manuel Oliveira disse...

Foi muito mau! O resultado, as expulsões.
Próximo domingo é muito importante.
Vamos trocar links dos blogues?
BLOG DO MANUEL (http://manueloliveira2000.blogspot.com

Vitória do Benfica disse...

Bom Dia LF
Brilhante abordagem. O jogo tem muito de semelhante com o de Braga. Um golo de bola parada no inicio do jogo, sem qualquer marcação dos jogadores do Benfica ao segundo poste. Um disparate de Di Maria. o jogo fez-me lembrar também o de Trofa sobretudo no arranque do Tengarrinha, que poderia dar o 3-2. Parece-me que sendo um jogo atipico deve ficar para guardar porque muito há a aperfeiçoar.

Mas interrogo como é possível aqueles jogadores do Olhanense correrem tanto durante todo o jogo.
E também o facto de aquela equipa ter jogado com sete jogadores emprestado pelo FCP que lhe gere a careira. Estas seriam as coisas previsiveis.

Mas há uma coisa boa é que este ano já fomos capazes por duas vezes é marcar um golo crucial aos 89,30 minutos e aos 92 minutos.

Temos muito a melhorar, mas não vale a pena mudar as pedras, temos é de compreender também as outras pedras e sobretudo como escreveu o LF e bem no ultimo jornal do Benfica são também assuntos do polvo azul.

Quando acabou o jogo a mnha vontade era fazer o que fiz depois do Cardozo ter falhado o penalty com o maritimo. Gritar para eles ouvirem, Benfica eu estou contigo

quatro disse...

"Não nos sentimos cómodos com este tipo de futebol" (Saviola na imprensa, sobre o Olhanense-Benfica de ontem).
É verdade e curioso, a mesma equipa macia e que recebendo o Porto há umas semanas, para aí a metade do jogo já perdia por vários golos, a mesma equipa que não ganhava há uma dezena de jornadas e nem marcou quaisquer golos numas outras quantas recentes jornadas, essa equipa (a tv ontem e a imprensa de hoje chamam-lhe de "armada portista"), essa equipa de repente transfigura-se e joga o que jogou ontem com o Benfica.
Assim foram os ultimos 30 anos do futebol português e por isso o futebol indígena não evoluiu, continua a dar-se espectáculos medíocres de 4º mundo (com puxões de cabelo, agressões pelas costas, pisadelas violentas e entradas de carrinho a pés juntos...), por isso o futebol português secou e os estádios estão vazios (nem ontem, um estádio de mísera capacidade enche, para ver a equipa que melhor futebol pratica em Portugal nos últimos 10 anos).
Para além da estupidez (ontem não foi sequer arrogância) de Jesus em deixar Aimar de fora convencido de que ia golear (ou pelo menos ganhar sem 'motor'), durante toda a semana se falou que o Benfica ia jogar contra um Porto B. Ora Jorge Costa, que foi um dos contribui grandemente para o gravemente indisciplinado em que se transformou o futebol português nos ultimos 30 anos. Jorge Costa sabe bem (e terá antecipado tal antes do jogo), que equipas que jogam bem, que jogam um futebol positivo, virado para a frente, bonito e veloz, é simples: ganham, e que um Benfica normal ganharia por muitos em Olhão.
Vai daí, sai um jogo quezilento, cheio de faltas, de confronto físico e verbal, quase de intimidação, mas que até nem foi preciso forçar muito porque a maior parte dos jogadores do Benfica (os 2ºs estúpidos da noite, depois do seu treinador) rapidamente se deixaram cair no esquema e perderam a cabeça. As palavras de Saviola são elucidativas: "assim não nos sentimos bem e… não ganhamos”: se vocês fossem treinadores do Olhanense: fácil não é? Basta jogar à patada e na injúria e intimidação, que se ganha facilmente ao Benfica (ou pelo menos não se perde).
Assim, no subconsciente dos jogadores encarnados e já como desculpa para a derrota que vão sofrer no Domingo na Luz, já está uma excelente desculpa: "o problema foi quem em Olhão perdemos 2 pontos e perdemos metade da equipa; era difícil hoje ganhar a um Porto em crescendo como os vimos em Guimarães e em Madrid” e tal como os actualmente miseráveis a um ponto nunca visto do Sporting dirão “mas ainda há muito campeonato”, e em Maio o Porto será campeão (porque jogos como os de Olhão vão acontecer muitas mais vezes: umas meninas quando recebem o Porto (ah! até porque no Porto gostam é de meninas e para os (muitos emprestados) há que tentar entrar no plantel ou pelo menos manter contrato para o ano que vem), mas transfigurando-se em autênticos gladiadores de circo romano quando recebem o Benfica.

quatro disse...

Vejam o que aconteceu em Guimarães com 1 equipa que há poucos dias tinha ganho inequivocamente na Luz (nota: em Guimarães há que recuperar urgentemente boas relações a norte, o estado de espíriro psicológico deve ser tudo menos agressivo, e como o estado psicoloógico influencia de sobremaneira todas as nossas acções motoras, neste caso, nós da cidade-berço hoje macios ficamos e levamos 4-1); vejam depois o que acontecerá em Vila do Conde. Istó para dar 2 exemplos recentes, sim que o Rio Ave até foi elogiadíssimo por ter jogado olhos-nos-olhos nas Antas e até sem ter sofrido por penalties inventados, perdeu).
E assim continuará alegremente o futebol português, o Porto campeão em Maio, as equipas que jogam bom futebol atiradas habilidosamente para o fundo (os Sportings de Peseiro e Paulo Bento, o Benfica de Jesus) e os grandes do futebol negativo (o Boavista-à-porrada de Jaime Pacheco, o Braga-que-tão-bem-e-depressa-aprende como gerir pressão sobre os árbitros, blackouts e câmeras de túneis) e tendo o Porto como o seu máximo expoente (vejam as crónicas do MSTavares dos últimos anos que, lucidamente, fala constantemente sobre o miserável futebol de Jesualdo Ferreira), vão deixando seco o nosso futebol e os estádios vazios, mas ganhando com vários pontos de avanço, dando-lhes confortáveis margens para prepararm a Liga dos Campões e sem quaisquer problemas (bem descansados), chegarem às 2as. e 3ª.s fases de cada Liga dos Campeões.
Aliás, em Portugal é sempre entre meados de Dezembro e meados de Fevereiro que se decidem os campeonatos nos últimos 30 anos: pudera, tudo está montado para que dentro de portas o Porto possa dar tudo nesses período, quando não se joga a Liga dos Campeões. O Benfica-Porto é a 20 de Dezembro.
Quem algum dia leu algum dos meus escritos pela rede: o Benfica deveria parar 1 ou 2 anos de competir pelo título na I Liga, deveria levar à FALÊCIA DE VEZ de vez o actual futebol português e fazê-lo recomeçar de novo. Ter uma equipa B que jogasse na primeira liga (o Porto ganharia com 38 pontos de avanço, o Sporting tal como eles gostam, seriam sempre 2ºs e assim sempre teriam hipótese de ir à Liga dos Campeões cada ano), e o Benfica ter outra equipa para passar 1 ou 2 anos em digressões por Angola, Estados Unidos, África e Ásia… E o futebol português colapsaria, e do zero a ver se então ganhava quem jogasse de facto melhor, e se fosse o FC Porto desde já, os meus antecipados parabéns: eu seria um dos que então encheria à-inglesa os estádios a aplaudi-los (tal como o fiz em Viena e às 4 da manhã em frente à tv com o Peñarol).

Anónimo disse...

ficaste chateado meu caro LF. Pois é o jesus no pais das maravlilhas esta a cair aos poucos: 1º a taça agora o campeonato... LOL! Muito cuidado que nós tamos cheios de força e vamos para ai com Tudo mostrar a força do DRAGAO!!! ah pois é!!! Isto fez-me lembrar aqueles jogos em que o mais forte deixa o mais fraco em vantagem para depois dar mais pica derrota-lo..LOL


DE BESTIAL A BESTA!!!!!!!! LOL

DI MARIA???!!!!!!! LOLLLLLLLLLLLL

FranciscoB disse...

Continuamos a embarcar na conversa de que "Não foi uma arbitragem perfeita (por exemplo, o primeiro golo do Olhanense nasce de um livre inexistente), mas não creio que tenha sido por causa dela que o Benfica não ganhou"... Então foi porquê?? Se não marcassem o 1º golo ficava 1-2, ou quê??? quê?

Qd é que começamos a exigir árbitros estrangeiros para estes jogos decisivos?

Anónimo disse...

"Temes" looooooooool

estas com medinho oh LF uuhuhuhuh tas com medinho dos dragoes:
Helton
Bruno alves
Rolando
alvaro
fucile
fernando
belushi
meireles
hulk
falcao
cristian

Anónimo disse...

Quim
maxi
cesar
luisao
david
javi
menezes
martins
saviola
cardozo
weldon
??????????????????????????????
que equipa de merda.... sem soluçoes!!!!!!!!!

loooooooooooooooooooool

e banco??
mantorras
keirinson
nuno gomes
sidnei
moreira
miguel vitor
lol

Joao Dias Pereira disse...

Ora bem, temos aqui muita matéria-prima para comentar (e para rir tambem).
Vamos começar pela análise do lf ao jogo. Como sempre não pode faltar a piadinha da praxe, mas ja estamos habituados, no entanto, contra factos não ha argumentos e esta semana nem do arbitro se podem queixar(o david luiz devia ter sido expulso e evitava assim a expulsao do Miguel Garcia, que so lhe quis responder. Assim, era menos um para a semana, mas o arbitro, como é costume foi simpatico).

Agora vamos ao circo. Começando pela vitoria do costume:
já faltava as invenções do costume (do genero do Eusebio da Silva Pereira)... Não são 7 jogadores, sao so 6 e apenas 3 joagaram de inicio. Depois, quando o benfica da 5 ou 6 e os jogadores correm de inicio ao fim nao ha problema, quando sao os outros já há suspeitas...

Agora o quatro(o maior postal daqui):
Quando fala de agressões deve estar a falar do david luiz, ou do cardozo, que foram os unicos ontem a quem foi perdoado o vermelho.
Depois, a maior piada. Entao o benfica é a equipa que melhor joga nos ultimos 10 anos? Deve ser, entao as equipas de Mourinho nada jogavam, coitadas. Mas para voces nem é preciso tanto, até o Porto dos ultimos 4 anos chega...

"Ora Jorge Costa, que foi um dos contribui grandemente para o gravemente indisciplinado em que se transformou o futebol português nos ultimos 30 anos."

Ora o homem nem 40 anos tem. Será que com menos de 10 anos já andava a fazer das suas???

"(nota: em Guimarães há que recuperar urgentemente boas relações a norte..."

Concerteza, o que Guimaraes mais quer é recuperar relações em Espanha(sim, porque a norte de Guimarães nao vejo quem podera estar...)

Para finalizar para este tipo, quem me dera que o benfica desistisse de competir. Não porque nos da pica (nao da!), mas para ver tantos mouros a chorar...

Finalmente, franciscob (ou e, de empate)

Se um benfica-Olhanense é decisivo, então qualquer jogo o é... E depois, que árbitros esrangeiros? Aquele que qualificou a França para o campeonato do mundo? Ou aquele que ajudou a Fiorentina a eliminar o Sporting da Champions? Ou ainda aquele que validou um golo com a mão do Hull City, já esta época?
Enfim, agarrem-se aos trapos...

Joao Dias Pereira disse...

E mais, como se pode ver aui, o golo de nuno gomes é fora-de-jogo. Nao se esqueçam que so contam as partes com que se pode marcar golo, logo os braços nao contam...

http://www.youtube.com/watch?v=Q6ZZThNzXYM

Anónimo disse...

Todos os clubes têm jogos menos conseguidos e perdem pontos perante equipas que se esperavam acessíveis. No final, o que distingue os vencedores dos derrotados é a capacidade de reagir e superar esses momentos. Por isso, não se dramatize este jogo. O que me preocupa é a sucessão e persistência de situações negativas ao longo de uma época sem que aparentemente nada seja feito. Uma dessas situações é David Luiz que continua a evidenciar momentos de falta de concentração (segundo golo do olhanense) e uma forma irreflectida de abordar alguns lances (com Miguel Garcia antes da expulsão). Não fosse a benevolência de alguns árbitros, compensação de colegas ou sorte e alguns jogos que terminaram bem poderiam ter sido muito complicados. Recordo-me de o LF, no início do campeonato, ter mencionado a sua participação nos golos do Maritimo, Setubal e Leiria. Seria interessante fazer essa contabilidade nos jogos que se seguiram para provar que este jovem não é ainda o grande jogador que muitos pensam ser. Na verdade, neste momento, não consigo deixar de o ver como um acidente à espera de acontecer.

Sérgio_alj disse...

Apostem no vosso 11 do Benfica para o Clássico!!!



http://visaodemercado.blogspot.com/2009/12/qual-sera-o-meio-campo-do-benfica-no.html

Natálio Santos disse...

Só espero por favor que o coveiro do césar Peixoto não jogue, senão é derrota pela certa pois esse coveiro não passa de um infiltrado de pinto da costa, basta ver na forma como tem jogado pelo Benfica, e lembrar-nos de como jogava no porto ou no Braga principalmente contra o Benfica, agora não acerta sequer um passe e então as faltas desnecessárias que tem feito sempre perto da grande área é por demais evidente que apenas lá está para prejudicar a equipa...!!! por favor alguém que abra os olhos duma vez por todas...

Anónimo disse...

e os dois golos do benfica são legais?

Anónimo disse...

o alfredo barroso é tem razão ao dizer q o tia maria é um bom jogador de futebol de salão...

eduardo disse...

Afinal, bem faziam os lampiões em ir festejando logo em Agosto, Setembro e Outubro.... eles bem sabiam que eram "títulos" de pouca dura.....

quatro disse...

A minha critica feita foi essencialmente ao Benfica.
Aqui deveriam expressar-se opiniões e comentar as ditas, não entrarei pelo tipo de diálogo de alguns senhores que constantemente por aqui andam.
Ao leitor de nome João Dias Pereira, que o respeito nas suas opiniões mas não na sua estupidez, vou ignorá-lo.

Jotas disse...

Retenho aqui algumas palavras de hoje de manhã, em conversa de café, com um vizinho adepto confesso do Sporting. "Depois do que vi em Olhão, embora me custe admiti-lo, porque como sabes detesto o Benfica, a verdade é que no futebol português começa a valer de tudo para tingir os fins, não se admiti, nem se pode pactuar com a violência imposta em campo pelo Olhanense, nem com o constante clima de provocação, seja contra clube for, isso só envergonha o nosso futebol e sinceramente, acho que não há equipa que seja capaz de resistir a tamanha quantidade de provocações, embora o Benfica tenha muitas culpas no cartório, quem manda no futebol tem de uma vez por todas colocar um ponto final nisto, sob pena do nosso futebol se afundar de vez na arruaça e na vergonha. Já o meu Sporting, é o que se vê, por mais amigos que sejam os adversários não tem futebol para ganhar seja a quem for".
Para se ter uma ideia do clima de intimidação que o Benfica já esperava, mas contra o qual não se conseguiu conter, Jorge Jesus não deixou os seus jogadores seguirem de imediato para o balneário, não fossem acontecer cenas tipo Braga e com mais expulsões que não se percebessem e só depois de toda a gente entrar no túnel é que os comandados de Jesus se encaminharam para o balneário, julgo que esta acção diz tudo, sobre aquilo que se vai passando obscuramente no nosso futebol e do que Jesus já esperava.
Julgo que isto diz tudo sobre aquilo que impumente se vai passando no futebol português, triste!