ADEUS CHAMPIONS, OLÁ UEFA !

Com a Liga dos Campeões para trás, ao Benfica interessa agora focalizar-se na Taça Uefa, uma espécie de segunda divisão do futebol europeu, mas onde, por isso mesmo, as hipóteses de êxito são substancialmente maiores.
Se há dois anos, aquando da sua última participação na prova, a prioridade dos encarnados se situava claramente na conquista do título nacional – motivo pelo qual o Benfica de Trapattoni pouco terá feito para ultrapassar, na ocasião, o CSKA de Moscovo -, neste momento a aposta na Uefa pode e deve ser levada bem a sério, devendo assim aglutinar a equipa e os adeptos de modo a que seja possível uma performance capaz de voltar a colocar os encarnados nos grandes momentos do futebol internacional. O Benfica beneficia nesta altura da experiência de dois anos consecutivos de Champions League, dispõe de um plantel recheado de jogadores internacionais, e se não tem estofo para se bater com grandes tubarões do futebol europeu como ainda ontem se viu em Old Trafford, nesta segunda linha parece reunir todas as condições para brilhar..
A Taça Uefa pode ser uma boa fonte de receitas (sobretudo nas fases finais), mas vale também, e muito, para o ranking europeu de países e de clubes, onde tem precisamente o mesmo significado que as pontuações obtidas na Liga dos Campeões. É uma competição que o Benfica nunca conquistou. Ainda por cima, a situação classificativa no campeonato português não permite grandes optimismos domésticos, até pela força que o F.C.Porto tem vindo a exibir
São pois muitos os motivos para que se aposte forte nesta competição, na qual um sorteio simpático pode abrir com alguma facilidade o caminho a um percurso de grande significado, inclusivamente na história do clube. E quando falo em significado histórico, estou necessariamente a falar de uma presença na final ou mesmo no título.
Pede-se pois que o Benfica se assuma como candidato à vitória na Taça Uefa, e faça aquilo que é necessário para se aproximar o mais possível desse objectivo. Neste sentido importa desde já começar a pensar no sorteio, e naqueles que poderão ser os adversários do Glorioso clube português.
As equipas repescadas da liga milionária (terceiros nos respectivos grupos) encontram-se na próxima eliminatória com os segundos classificados da fase de grupos da Uefa. VEDETA DA BOLA esteve a olhar para as classificações, a verificar a jornada que falta disputar, a fazer contas, e chegou à conclusão que matematicamente o Benfica poderá enfrentar o seguinte conjunto de equipas, justamente as que têm neste momento hipóteses de terminar em segundo lugar nos seus grupos: Hapoel Tel-Aviv, Mladá Boleslav, Tottenham Hotspur, Dínamo de Bucareste, R.C.Lens, Osasuna, Heerenveen, Zulte Waregen, Ajax de Amsterdão, Celta de Vigo, Fenerbahce, Palermo, Eintracht de Frankfurt, Nancy, Blackburn Rovers, AZ Alkmaar, Sevilha e Maccabi Haifa.
Este é pois o lote possível em termos matemáticos, mas se passarmos da objectividade das pontuações às hipóteses futebolísticamente mais expectáveis, teríamos como equipas com maiores probabilidades de integrarem o lote que o Benfica encontrará no sorteio os seguintes oito emblemas: Hapoel, D.Bucareste, Lens, Waregen, Fenerbahce, Nancy, AZ Alkmaar e M.Haifa. Nada mau, sobretudo se estabelecermos a comparação com as equipas que o F.C.Porto tem pela frente na Champions.
Espera-se pois que os jogos da última jornada cumpram de um modo geral a lógica, e afastem deste lote o Sevilha, o Ajax, o Celta, o Tottenham e o Palermo, equipas bem mais problemáticas que as oito atrás referidas.
De amanhã a uma semana teremos o sorteio, e em meados de Fevereiro a primeira-mão da eliminatória.
Que tal um Waregen-Benfica para começar?

2 comentários:

Rakal D'Addio disse...

Benfica deu um baita azar de cair no grupo do Manchester.

LF disse...

De qualquer forma passavam dois.

O maior azar foi mesmo o Manchester perder em Glasgow, com um penálti falhado nos descontos , pois um empate nesse jogo poderia dar a qualificação ao Benfica.