28/06/06

ÁS ARMAS !

Depois dos electrizantes espectáculos que proporcionaram em Eindhoven em 2000 e em Lisboa em 2004 para os respectivos Europeus, Portugal e Inglaterra voltam a defrontar-se, desta vez no Campeonato do Mundo.
A Inglaterra, berço do futebol, é tradicionalmente um adversário a ter em atenção em qualquer competição que dispute. Conta com grandes jogadores, acolhe aquela que é provavelmente a melhor liga nacional do mundo - o que reforça a competitividade das suas equipas e consequentemente da sua selecção -, é orientada por um treinador de top internacional, e é apoiada freneticamente por dezenas de milhares de adeptos em qualquer estádio onde jogue.
Neste Mundial, os ingleses apresentam-se com a ambição própria de quem, dispondo de elementos como Frank Lampard, Steven Gerrard, Joe Cole ou Wayne Rooney, e de rotinas de jogo adquiridas em seis anos de trabalho conjunto, não tem conseguido resultados à altura do prestígio do seu futebol. É a última oportunidade de Eriksson fazer aliar à sua enorme capacidade, resultados condizentes e capazes de satisfazer todo um povo ávido de vitórias.
Por todos estes motivos, a Inglaterra é um adversário temível e dispõe de condições para se bater com qualquer das selecções ainda em prova, sendo, como quase todos os outros, um sério candidato ao título mundial.
Frente a Portugal os ingleses não costumam no entanto ter muita sorte. Além dos jogos referidos no primeiro parágrafo deste texto, que resultaram ambos em vitórias portuguesas (3-2 e 2-2 a penáltis) e eliminações inglesas, várias foram as ocasiões em que equipas portuguesas se encontraram nos últimos anos com clubes ingleses, quer na Liga dos Campeões, quer na Taça Uefa, e os resultados têm sido esmagadoramente favoráveis ao futebol português. O F.C.Porto eliminou o Manchester United na Champions League em 2004 – ano em que se sagraria campeão -, e no ano seguinte venceu o Chelsea na fase de grupos. O Sporting, na sua caminhada para a final da Taça Uefa de 2005 ultrapassou com alguma facilidade o Middlesbrough e o Newcastle, enquanto que na última época o Benfica, na Champions, eliminou o Manchester United e o Liverpool (na altura detentor do título europeu), com a particularidade de ter vencido ambos os jogos com a equipa de Gerrard e Crouch sem ter sofrido qualquer golo. Até o Vitória de Guimarães, que desceu à segunda divisão portuguesa, empatou com o Bolton na Taça Uefa. Podemos recordar ainda as goleadas infligidas ao West Bromwich em jogos particulares (o Benfica ganhou 5-0 e o Sporting 3-0). Enfim, se a história recente jogasse, já estaríamos nas meias-finais.
É claro que este panorama não é exclusivamente obra do acaso. Há características na tipologia do futebol britânico com as quais os hábeis e rápidos jogadores portugueses se sentem bastante confortáveis.
Por muito que técnicos estrangeiros como Houllier, Wenger, Benitez, Mourinho ou Eriksson tenham procurado “continentalizar” o futebol do além-mancha, a verdade é que a genética do seu jogo não consegue fugir inteiramente a um estilo sempre bastante audaz, com marcações não muito incisivas e muito espaço dado entre as suas linhas e nas costas da defesa, e com uma largura de campo que, se os favorece em processo ofensivo, lhes causa alguns calafrios em situações defensivas.
Muitas equipas inglesas, e mesmo a selecção, quando as coisas não lhe correm de feição, não conseguem resistir a bombear bolas para a área adversária, numa reminiscência do tradicional “kick and rush” que era a imagem de marca do futebol britânico há alguns anos atrás. Embora pratiquem um jogo rápido e fisicamente poderoso, a sua criatividade não impressiona, nem mesmo ao nível das equipas de topo da sua fabulosa liga.
O jogador português precisa de espaço. Quando lho tiram, como os italianos normalmente sabem fazer, retraindo e juntando as linhas, subtraindo largura ao campo e dando a bola ao adversário, as equipas portuguesas ficam sem soluções. Com os ingleses, como com os holandeses, sentem-se como peixe na água, dispondo de espaço para fazer sobressair toda a capacidade técnica individual dos seus jogadores.

A equipa de Eriksson é a única de entre todos os quarto-finalistas que demonstra alguma indefinição no seu sistema de jogo. As lesões dos avançados – primeiro Owen, depois Rooney, e novamente Owen – e a constante nuvem de dúvidas que se foi levantando sobre as suas recuperações, culminando com o afastamento do ex-madridista, terão sido responsáveis pelo facto de Eriksson ser obrigado, já em pleno Mundial, a refazer, ou pelo menos repensar, a sua estratégia.
Desde há décadas que a selecção inglesa funcionava em 4-4-2, e mesmo no último Europeu, onde tive oportunidade de a ver jogar ao vivo em duas ocasiões (contra Portugal e contra a França), impressionou-me o extremo rigor das suas três linhas, onde a movimentação dos jogadores quase se assemelhava a uma marcha militar.
Não podendo contar com um dos pontas-de-lança referidos, Eriksson testou numa primeira fase a “girafa” Peter Crouch, com cerca de dois metros de altura, mas o efeito não foi convincente. Crouch é um elemento útil em certas circunstâncias de jogo, mas a sua presença em campo, com pouca mobilidade e não muito mais capacidade técnica, gera a tentação de um jogo directo buscando incessantemente que a sua cabeça resolva os problemas da equipa.
Outro dos dilemas que Eriksson tem custado a solucionar é a compatibilização entre dois fantásticos jogadores, que nos seus clubes ocupam precisamente o mesmo espaço: Lampard e Gerrard.
Como forma de atacar estas duas “dores de cabeça”, o técnico sueco decidiu testar um sistema de um único avançado (Wayne Rooney), dar alguma liberdade aos seus dois médios centro, e reforçar as suas costas com um quinto centro-campista, Hargreaves ou Carrick, capaz de garantir as compensações defensivas. Os alas Beckham e Joe Cole também respiram assim uma atmosfera mais arejada para poderem dar largas à sua criatividade ofensiva. A equipa resolve assim os seus problemas a meio campo, mas obviamente perde capacidade na área adversária, todavia julgo dever ser este o formato que Eriksson vá apresentar no próximo sábado.
A Inglaterra apresentaria assim a seguinte formação: Robinson, Neville, Terry, Ferdinand, A.Cole, Carrick, Beckham, Lampard, Gerrard, J.Cole e Rooney.
Enfrentando um Portugal com: Ricardo, Miguel, R.Carvalho, Meira, N.Valente, Petit, Maniche, Figo, Simão, Pauleta e C.Ronaldo

Que hipóteses tem Portugal ?
Julgo, com franqueza, que tem precisamente as mesmas de Inglaterra.
Deco, sobretudo, fará muita falta neste jogo, onde encontraria um adversário à medida do seu talento, e da sua constante e dinâmica movimentação. Com Figo no seu lugar, Portugal perde algum dinamismo, o que, aliado à eventualidade de reforço do meio campo inglês, nos pode trazer um jogo bem diferente dos últimos duelos entre estas selecções. Já Costinha me parece poder ser substituído por Petit sem grande abalo para o onze.
A chave da questão poderá estar no desempenho de Simão e Ronaldo nas faixas, quer em termos de construção ofensiva, quer na capacidade de manietar as subidas em desequilíbrio dos laterais ingleses. Mas é claro que estes são jogos cuja decisão passa normalmente por um erro, ou por um lance de génio de um dos muitos talentos em presença. Espero ardentemente que não seja a arbitragem a decidir o vencedor.
Arrisco aqui um palpite: 0-0 e decisão nas grandes penalidades, e...já agora que sejamos nós a vencer.
Viva Portugal !

5 Comments:

Anonymous Brytto said...

A condição física, para mim, pode ser determinante para o resultado final deste jogo. Os ingleses estão cansados, quanto a isso parece não haver dúvidas e ao mesmo tempo, julgo que a nossa selecção se encontra muito bem preparada fisicamente e ainda por cima tivemos a sorte do jogo ser às 4 da tarde e não às 8 o que poderia atenuar esta aparente desvantagem física dos ingleses. Considero, portanto, repartidas as hipóteses de passagem, pois acho que a ausência de Deco e Costinha (jogador muito mais importante do que se pensa…) é compensada com a menor frescura física dos ingleses. Se jogássemos com a nossa selecção habitual, consideraria que tínhamos vantagem (60% - 40%), assim, paciência, vamos esperar por Domingo…
Só espero que os cartões amarelos que grande parte dos jogadores titulares irão “carregar” não os inibam de jogar a 200%...

29.6.06  
Anonymous Anónimo said...

Sou frequentador assíduo do seu blog. Aprecio a sua escrita e revejo-me nas suas apreciações.
Como pessoa atenta ao fenómeno desportivo gostaria de lhe fazer um pedido.
Consegue reproduzir aqui o comentário que o analista de arbitragem JC fez quando o Petit cometeu a falta que lhe valeu o amarelo ( final da 1ªparte).
Não é pela falta,... o árbitro estava atento e disto não tenho dúvidas. Fiquei revoltado com o comentário pós análise da falta. Estou com este pseudo analista de arbitragem pelos cabelos. Se tivesse o contacto do Petit já o teria alertado para os comentários que lhe são dirigidos e quiçá, talvez o dissesse para analisar se de facto não haveria matéria para por este dito cujo na ordem. Sou grande admirador do Petit, pela raça e generosidade que empresta nos jogos.O amarelo do jogo da holanda é de bradar aos céus. O tal dito cujo também botou faladura neste lance e como habitualmente sem óculos. Peço-lhe imensa desculpa por ser um intruso num blog onde a
seriedade está à vista, mas já não aguento ter de ouvir aquela figura na Antena 1, uma rádio paga por todos nós. Aquela figura não suporta o Benfica desde a célebre cena do "Canigia", lembra-se?...
Obrigado.

2.7.06  
Anonymous LF said...

Caro Anonimo,

Também eu sou grande admirador do Petit, e lembro-me perfeitamente do caso Caniggia, que originou grande polémica, mesmo ao nível da FIFA, e provavelmente terá levado Coroado a optar por uma atitude de hostilização permanente ao clube da Luz.
Felizmente que ele já não apita, caso contrário veríamos mais situações como uma vivida em Vila do Conde numa primeira jornada 3 anos depois daquele caso, quando esse senhor expulsou (por palavras ??!!??) dois jogadores do Benfica, obrigando-o a acabar o jogo com 9 elementos e a ceder dois importantes pontos.

Benfica à parte, não sou nada adepto do estilo de arbitrar do sr Coroado. Como se tem provado neste mundial, árbiros demasiado legalistas, que apitam por tudo e por nada e mostram cartões a eito, estragam os espectáculos e não beneficiam o futebol.

Independentemente de já ter cometido erros contra o meu clube, acho que Pedro Henriques personifica um estilo de arbitragem que favorece muito mais o espectáculo, e para mim a missão da arbitragem tem de ser também essa.


No caso concreto de que fala, não me posso pronunciar pois não ouvi esses comentários.
Apenas poderei dizer que, na minha opinião, o amarelo a Petit (neste jogo com a Inglaterra) é bem mostrado.

Já tenho defendido o Petit muitas vezes. cho que se trata de um jogador duro mas disciplinado e leal.

3.7.06  
Anonymous Anónimo said...

Very pretty design! Keep up the good work. Thanks.
»

12.8.06  
Anonymous Anónimo said...

Interesting website with a lot of resources and detailed explanations.
»

17.8.06  

Enviar um comentário

<< Home